Tribo de Judá

De acordo com a Bíblia Hebraica, a Tribo de Judá (שֵׁבֶט יְהוּדָה, Shevet Yehudah, "Louvor") foi uma das doze tribos de Israel.

Tribo de Judá
Tribo de Judá
O território de Judá aparece em laranja ao sul neste mapa das tribos. O texto é parcialmente em Alemão.
Alcance Geográfico Sudoeste Asiático
Sitios principais Hebrom, Belém
Precedido por

Seguido por

Novo Reino do Egito

Reino de Israel (monarquia unida)

Descrição Biblica

A Tribo de Judá, as suas conquistas e a centralidade de sua capital em Jerusalém para a adoração do deus Yahweh figuram proeminentemente na história Deuteronomista, abrangendo os livros de Deuteronômio a II Reis, que a maioria dos estudiosos concorda que foi reduzida a forma escrita, embora sujeito a alterações e emendas exílicas e pós-exílicas, durante o reinado do reformador Judaico Josias de 641–609 AEC.[1]

De acordo com o relato no Livro de Josué, após uma conquista parcial de Canaã pelas tribos Israelitas (os jebuseus ainda mantinham Jerusalém),[2] Josué alocou a terra entre as doze tribos. A porção divinamente ordenada de Judá é descrita em Josué 15 como abrangendo a maior parte do sul da Terra de Israel, incluindo o Neguev, a Região Selvagem de Sim e Jerusalém. No entanto, o consenso dos estudiosos modernos é que isso nunca ocorreu.[3][4][5] Outros estudiosos apontam para referências extra-bíblicas a Israel e Canaã como evidência para a potencial historicidade da conquista.[6][7]

Nas palavras de abertura do Livro dos Juízes, após a morte de Josué, os israelitas "perguntaram ao Senhor" qual tribo seria a primeira a ocupar o seu território, e a tribo de Judá foi identificada como a primeira tribo. De acordo com a narrativa no Livro dos Juízes, a tribo de Judá convidou a tribo de Simeão para lutar com eles em aliança para assegurar cada um dos seus territórios atribuídos. Como é o caso de Josué, muitos estudiosos não acreditam que o livro dos juízes contenha uma história confiável.[8][9][10]

O Livro de Samuel descreve o repúdio de Deus a uma linha monárquica surgida da Tribo de Benjamim do norte devido à pecaminosidade do Rei Saul, que foi então concedida à Tribo de Judá para sempre na pessoa do Rei Davi. No relato de Samuel, após a morte de Saul, todas as outras tribos, além de Judá, permaneceram leais à Casa de Saul, enquanto Judá escolheu Davi como seu rei. No entanto, depois da morte de Isboset, filho de Saul e sucessor do trono de Israel, todas as outras tribos de Israel fizeram Davi, que era então o rei de Judá, rei de um unificado Reino de Israel. O Livro dos Reis segue a expansão e glória incomparável da Monarquia Unida sob o Rei Salomão. A maioria dos estudiosos acredita que os relatos sobre o território de Davi e Salomão na "monarquia unida" são exagerados, e uma minoria acredita que a "monarquia unida" nunca existiu.[11][12][13] Discordando desta última visão, o estudioso do Antigo Testamento Walter Dietrich sustenta que as histórias bíblicas dos monarcas do século 10 AC contêm um núcleo histórico significativo e não são apenas ficções tardias.[14]

Sobre a ascensão de Roboão, filho de Salomão, em c. 930 AEC, as dez tribos do norte, sob a liderança de Jeroboão, da Tribo de Efraim, separaram-se da Casa de Davi para criar o Reino de Israel (ao Norte) com capital em Samaria. O Livro dos Reis é inflexível em sua baixa opinião de seu vizinho maior e mais rico do norte, e compreende sua conquista pela Assíria em 722 AC como retribuição divina para o retorno do Reino à idolatria.[15]

As tribos de Judá e Benjamim permaneceram leais à Casa de Davi. Essas tribos formaram o Reino de Judá, que existiu até que Judá foi conquistada pela Babilónia em c. 586 AC e a população deportada.

Quando os judeus retornaram do exílio babilónico, afiliações tribais residuais foram abandonadas, provavelmente por causa da impossibilidade de restabelecer os antigos terrenos tribais. No entanto, os papéis religiosos especiais decretados para os levitas e os Cohen foram preservados, mas Jerusalém tornou-se o único lugar de culto e sacrifício entre exilados, nortistas e sulistas que voltavam.

Território e principais cidades

Elah Valley below Adullam
O Vale de Elá, perto de Adulão, no limite territorial de Judá

De acordo com o relato bíblico, no auge, a tribo de Judá era a principal tribo do Reino de Judá e ocupava a maior parte do território do reino, exceto por uma pequena região no nordeste ocupada por Benjamim e um enclave. em direção ao sudoeste que foi ocupado por Simeão. Belém e Hebrom foram inicialmente as principais cidades dentro do território da tribo.

Lion of Judah
O Leão é o símbolo da Tribo de Judá. É frequentemente representado na Arte Judaica, como esta escultura fora de uma sinagoga

O tamanho do território da tribo de Judá significava que, na prática, ele tinha quatro regiões distintas:

  • O Neguev (hebraico: sul) - a parte sul da terra, que era altamente adequada para pastagens
  • A Sefelá (hebraico: planície) - a região costeira, entre as terras altas e o mar Mediterrâneo, que foi usada para a agricultura, em particular para grãos.
  • O deserto - a região árida imediatamente ao lado do Mar Morto e abaixo do nível do mar; era selvagem e quase inabitável, na medida em que animais e pessoas que não eram bem-vindas em outros lugares, como ursos, leopardos e foras da lei, o tornavam a casa deles. Nos tempos bíblicos, esta região foi subdividida em três seções - o deserto de Ein Gedi,[16] o deserto de Judá,[17] e o deserto de Maon.[18]
  • A região montanhosa - o planalto elevado situado entre a Sefelá e o deserto, com encostas rochosas mas solo muito fértil. Esta região foi usada para a produção de grãos, azeitonas, uvas e outras frutas e, portanto, produzia óleo e vinho.

Origem

De acordo com o Torá, a tribo consistia de descendentes de Judá, o quarto filho de Jacó e de Lea. Alguns estudiosos da Bíblia vêem isso como um mito etiológico criado em retrospectiva para explicar o nome da tribo e conectá-lo às outras tribos da confederação Israelita.[19][20] Com Lea como matriarca, os estudiosos da Bíblia consideram a tribo como tendo sido acreditada pelos autores do texto como parte da confederação Israelita original.[20]

Como as outras tribos do reino de Judá, a tribo de Judá está totalmente ausente da antiga Canção de Débora, em vez de presente, mas descrita como não disposta a ajudar na batalha entre os Israelitas e o seu inimigo. Tradicionalmente, isso foi explicado como sendo devido ao fato de o reino do sul estar muito longe para se envolver na batalha, mas Israel Finkelstein et al. reivindicam a explicação alternativa de que o reino do sul era simplesmente um insignificante reino rural na época em que o poema foi escrito.[21]

Caráter

Conforme representado pelos Deuteronomistas e escritores pós-exílicos, a tribo de Judá era a principal tribo do Reino de Judá. Davi e a linhagem real pertenciam à tribo, e a linha continuou mesmo depois da queda do Reino de Judá e seus lideres. A crença judaica tradicional é que o Messias (judeu) será da linhagem Davídica, baseado na promessa do Senhor a Davi de um trono eterno para a sua descendência (Isaías 9:6–7, Jeremias 33:15-21, 2 Samuel 7:12–16, Salmos 89:35–37).

De fato, muitos dos líderes e profetas Judeus da Bíblia Hebraica reivindicavam pertencer à tribo de Judá. Por exemplo, os profetas literários Isaías, Amós, Habacuque, Joel, Miqueias, Obadias, Zacarias e Sofonias, todos pertenciam à tribo. Mais tarde, durante o Exílio Babilônico, os Exilarchs (líderes comunitários oficialmente reconhecidos) reivindicaram a linhagem de Davídica, e quando o Exilio terminou, Zorobabel (o líder dos primeiros judeus a retornar à província de Yehud) também foi dito ser da linhagem Davídica, como eram Selatiel (uma figura um tanto misteriosa) e Neemias (um dos primeiros e mais proeminentes governadores de Yehud, nomeados por Aquemênida). Na época do domínio romano, todos os detentores do cargo de Nasi (príncipe) depois de Semaías, reivindicaram a linhagem davídica, através de Hilel, que segundo rumores, tinha linhagem materna de linhagem davídica.

Em Mateus 1:1–6 e Lucas 3:31–34 do Novo Testamento, Jesus é descrito como membro da tribo de Judá por linhagem. Apocalipse 5:5 também menciona uma visão apocalíptica do Leão da tribo de Judá.

Destino

Emblem of Jerusalem
O Leão de Judá no emblema municipal de Jerusalém

Como parte do reino de Judá, a tribo de Judá sobreviveu à destruição de Israel pelos Assírios e em vez disso foi submetida ao Cativeiro Babilónico; quando o cativeiro terminou, a distinção entre as tribos foi perdida em favor de uma identidade comum. Como Simeão e Benjamim tinham sido os sócios menores do Reino de Judá, foi Judá quem deu nome à identidade - a dos Judeus.

Após a queda de Jerusalém, a Babilónia (atual Iraque) tornaria-se o foco da vida Judaica por 1000 anos. As primeiras comunidades Judaicas na Babilónia começaram com o exílio da Tribo de Judá para a Babilónia por Jeconias em 597 AC, bem como após a destruição do Templo em Jerusalém em 586 AC.[22] Muitos outros Judeus migraram para a Babilónia em CE 135 após a revolta de Barcoquebas e nos séculos seguintes.[22]

As tradições da Etiópia, registadas e elaboradas numa dissertação do século XIII, o "Kebra Negast", afirmam descendência de uma comitiva de Israelitas que retornou com a Rainha de Sabá de sua visita ao Rei Salomão em Jerusalém, com quem ela concebeu o fundador da dinastia Salomônica, Menelik I. Tanto a tradição Cristã como a Judaica Etíope diz que esses imigrantes eram na maioria das Tribos de e Judá;[23] daí o lema Ge'ez Mo`a 'Anbessa Ze'imnegede Yihuda ("O Leão do Tribo de Judá conquistou "), um de muitos nomes para Jesus de Nazaré. A frase "O Leão da Tribo de Judá conquistou" também é encontrada no Livro do Apocalipse.

Símbolo da tribo de Judá

Juda2

Juda2

Veja também

Referências

  1. Finkelstein, Israel (2002). The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision of Ancient Israel and the Origin of Sacred Texts. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 369–373
  2. Kitchen, Kenneth A. (2003), On the Reliability of the Old Testament (Grand Rapids, Michigan. William B. Eerdmans Publishing Company) (ISBN 0-8028-4960-1)
  3. “Além da rejeição do modelo de 'conquista' Albrightian, o consenso geral entre os estudiosos do AT é que o Livro de Josué não tem valor na reconstrução histórica. Eles vêem o livro como um retrocesso ideológico de um período posterior - tanto no reinado de Josias quanto no período Hasmoneu..” K. Lawson Younger, Jr. (1 de Outubro de 2004). «Early Israel in Recent Biblical Scholarship». In: David W. Baker; Bill T. Arnold. The Face of Old Testament Studies: A Survey of Contemporary Approaches. [S.l.]: Baker Academic. p. 200. ISBN 978-0-8010-2871-7
  4. ”Cabe a nós perguntar, apesar do fato de que o consenso esmagador da erudição moderna é que Josué é uma ficção piedosa composta pela escola deuteronomista, como e como a comunidade judaica lidou com essas narrativas fundamentais, saturadas como estão com atos de violência contra os outros?" Carl S. Ehrlich (1999). «Joshua, Judaism and Genocide». Jewish Studies at the Turn of the Twentieth Century, Volume 1: Biblical, Rabbinical, and Medieval Studies. [S.l.]: Brill. p. 117. ISBN 90-04-11554-4
  5. ”Nas últimas décadas, por exemplo, houve uma notável reavaliação das evidências relativas à conquista da terra de Canaã por Josué. À medida que mais locais foram escavados, tem havido um crescente consenso de que a história principal de Josué, a de uma conquista rápida e completa (e.g. Josh. 11.23: 'Thus Joshua conquered the whole country, just as the Lord had promised Moses') contradita-se pelo registro arqueológico, embora haja indicações de "alguma" destruição e conquista no momento apropriado.Adele Berlin; Marc Zvi Brettler (17 de Outubro de 2014). The Jewish Study Bible: Second Edition. [S.l.]: Oxford University Press. p. 951. ISBN 978-0-19-939387-9
  6. Görg, Görg. «Israel in Hieroglyphen». Biblischen Notizen. 106: 21-27"
  7. Frendo, Anthony. «Two Long-Lost Phoenician Inscriptions and the Emergence of Ancient Israel». Palestine Exploration Quarterly. 134: 37-43
  8. “De qualquer forma, agora é amplamente aceite que o chamado "período patriarcal / ancestral" é uma construção posterior "literária", não é um período na história real do mundo antigo. O mesmo é o caso do "êxodo" e do "período de ermo", e cada vez mais amplamente para o "período dos Juízes"..’" Paula M. McNutt (1 de Janeiro de 1999). Reconstructing the Society of Ancient Israel. [S.l.]: Westminster John Knox Press. p. 42. ISBN 978-0-664-22265-9
  9. “O texto bíblico não esclarece a história das terras altas no início do Iron I. A conquista e parte do período das narrativas dos juízes devem ser vistas, em primeiro lugar, como um construção deuteronomista que usou mitos, contos e tradições etiológicas para transmitir a teologia e a ideologia territorial dos falecidos autores monárquicos. (e.g., Nelson 1981; Van Seters 1990; Finkelstein and Silberman 2001, 72–79, Römer 2007, 83–90).” Israel Finkelstein (2013). The Forgotten Kingdom: The Archaeology and History of Northern Israel. (PDF). [S.l.]: Society of Biblical Literature. p. 24. ISBN 978-1-58983-912-0
  10. ”Em suma, o chamado "período dos juízes" foi provavelmente a criação de uma pessoa ou pessoas conhecidas como historiador deuteronomista."J. Clinton McCann (2002). Judges. [S.l.]: Westminster John Knox Press. p. 5. ISBN 978-0-8042-3107-7
  11. "Embora a maioria dos estudiosos aceite a historicidade da monarquia unida (embora não na escala e forma descritas na Bíblia; ver Dever 1996; Na'aman 1996; Fritz 1996, e bibliografia lá), a sua existência tem sido questionada por outros estudiosos (ver Whitelam 1996b; see also Grabbe 1997, e bibliografia lá). O cenário descrito abaixo sugere que algumas mudanças importantes ocorreram no momento." Avraham Faust (1 de Abril de 2016). Israel's Ethnogenesis: Settlement, Interaction, Expansion and Resistance. [S.l.]: Routledge. p. 172. ISBN 978-1-134-94215-2
  12. "Em certo sentido, a maioria dos estudiosos de hoje concorda com um ponto de vista "minimalista" a esse respeito. Não parece razoável afirmar que a monarquia unida dominou a maior parte da Palestina e da Síria.." Gunnar Lebmann (2003). Andrew G. Vaughn; Ann E. Killebrew, eds. Jerusalem in Bible and Archaeology: The First Temple Period. [S.l.]: Society of Biblical Lit. p. 156. ISBN 978-1-58983-066-0
  13. "Parece haver um consenso de que o poder e tamanho do reino de Salomão, se é que existiu, tem sido enormemente exagerado.." Philip R. Davies (18 de Dezembro de 2014). «Why do we Know about Amos?». In: Diana Vikander Edelman; Ehud Ben Zvi. The Production of Prophecy: Constructing Prophecy and Prophets in Yehud. [S.l.]: Routledge. p. 71. ISBN 978-1-317-49031-9
  14. "Traçando o desenvolvimento das histórias da Bíblia sobre reis desde as fontes mais antigas (agora incorporadas em 1-2 Samuel) aos próprios livros bíblicos, Dietrich argumenta que algumas das histórias são datadas perto do tempo dos eventos que descrevem. Sua abordagem identifica uma série de ideologias dentro do texto, fornecendo evidências para o desenvolvimento de idéias Israelitas em vez de motivos para descartar as histórias como ficção." Dietrich, Walter (2007). The Early Monarchy in Israel: The Tenth Century B.C.E. Translated by Joachim Vette. Leiden, The Netherlands: Brill
  15. Finkelstein, Israel (2002). The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision of Ancient Israel and the Origin of Sacred Texts. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 261–265
  16. 1 Samuel 24:1
  17. Judges 1:16
  18. 1 Samuel 23:24
  19. Peake's Commentary on the Bible
  20. a b Jewish Encyclopedia
  21. Finkelstein, Israel (2002). The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision of Ancient Israel and the Origin of Sacred Texts. [S.l.]: Simon & Schuster. pp. 138–140
  22. a b [מרדכי וורמברנד ובצלאל ס רותת "עם ישראל - תולדות 4000 שנה - מימי האבות ועד חוזה השלום", ע"מ 95. (Translation: Mordechai Vermebrand and Betzalel S. Ruth. "The People of Israel – the history of 4000 years – from the days of the Forefathers to the Peace Treaty", 1981, p. 95)
  23. Amós 9:7: לוא כבני כשיים אתם לי בני ישראל נאם־יהוה הלוא את־ישראל העליתי מארץ מצרים ופלשתיים מכפתור וארם מקר׃ "Are ye not as children of the Ethiopians unto me, O children of Israel? saith the LORD. Have not I brought up Israel out of the land of Egypt? and the Philistines from Caphtor, and the Syrians from Kir?"

Links externos

Abala

Abala ou Soddu Abala é uma cidade da antiga Etiópia, no distrito de Abala onde se supõe que residiu a tribo de Judá.

Abner

No Segundo Livro de Samuel, Abner era primo do rei Saul e foi comandante de seu exército (1 Samuel 14.50). Seu pai, Ner e o pai de Saul, Quis, eram filhos de Abiel. Abner, tinha muito influência entre os hebreus,tanto que fez de Isbosete rei sobre Israel após a morte de saul.

Boaz

Boaz é um personagem do Antigo Testamento da Bíblia, citado no livro de Rute e em I Crônicas como pertencente à tribo de Judá, filho de Salmom, vindo a ser bisavô do rei Davi.

Dinastia de Davi

A Casa de Davi ou Dinastia de Davi foi a família que governou o Reino Unido de Israel e, após a divisão, o Reino de Judá entre anos 1030 a.C. e 607 a.C. ou 586 a.C. de acordo com algumas fontes.

Ibsã

Ibsã ou Ibzã foi um dos juízes de Israel, pertenceu a tribo de Judá.

Ibsã foi o 9º Juiz sobre Israel, julgou a Israel sete anos (1103 a 1096 AC). Pouco se sabe a respeito de Ibsã, a não ser que morava em Belém, pertencia a tribo de Judá, e que ele tinha trinta filhos, e trinta filhas que casou fora; e trinta filhas que trouxe de fora para seus filhos.

Sua História é contada na Bíblia no livro de Juízes 12:8,9.

Judá (filho de Jacó)

Judá (em hebraico: יְהוּדָה, hebraico moderno: Yəhuda, hebraico tiberiano Yəhûḏāh) era o quarto filho de Jacó e de Léa, e a raiz hebraica de seu nome, Yah hu Dah, é uma expressão de agradecimento a Deus. A história do homem chamado Judá restringe-se ao relato bíblico e às fontes tradicionais do judaísmo.

Laquis

Laquis (em hebraico: לכיש) foi uma cidade situada na Sefelá, ou a planície marítima de Filístia (Josué 10:3, 5; 12:11). Esta cidade foi mencionada primeiramente nas cartas de Amarna como as Lakisha-Lakiša (EA 287, 288, 328, 329, 335). Os Israelitas, sob liderança de Josué, capturaram Laquis, destruindo a cidade junto com outros Reis cananeus. (Josué. 10:31 - 33) Mais tarde o território foi concedido à tribo de Judá (15: 39).

A antiga Laquis ocupava uma posição estratégica numa estrada principal que ficava entre Jerusalém e o Egito. Pesquisas arqueológicas revelam que houve um tempo em que a cidade abrangia uma população de sete mil pessoas.[carece de fontes?]Durante o reinado de Roboão, Laquis tornou-se uma fortaleza militar (II Crônicas 11:5-12). Algum tempo depois, o rei Amasias foi a Laquis para escapar de seus conspiradores, mas foi encontrado e assassinado (2 Reis 14:19;2 Crônicas 25:27).

Leão de Judá

Leão de Judá é uma expressão bíblica usada por cristãos para fazer referência honrosa a Jesus Cristo.A expressão tem origem no livro do Apocalipse: "Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos." No entanto, o leão dessa simbologia, para estudiosos da Bíblia, seria também uma referência ao livro de Gênesis, 49,8-10.A expressão teria inspirado o personagem Aslam, de C.S. Lewis, em As Crônicas de Nárnia, e inspirou também a simbologia da igreja Projeto Vida Nova, que se denomina "a igreja que tem cara de leão" e o bloco carnavalesco dessa mesma igreja, o Cara de Leão.

Lista de nomes bíblicos começando com C

Esta é uma lista de nomes bíblicos começando com C, ou seja, uma lista contendo os nomes de personagens bíblicos, históricos ou não, cujo nome comum se inicie pela letra "C".

Caftorim

Caim - primogênito de Adão e Eva

Cainan

Cam

Canaan

Casiuim

Cesar

Core

Cuxe

Carmi (em hebraico: כרמי) refere-se a dois indivíduos mencionados na Bíblia:

O quarto filho de Rúben de acordo com Gênesis 46:9, Números 26:6 e I Crônicas 5:3.

O filho de Zabdi, neto de Zera da Tribo de Judá, e o pai de Acã, de acordo com Josué 7:1. Ele está presente na Batalha de Jericó.

Malom e Quiliom

Malom (em hebraico: מחלון) e Quiliom (em hebraico: כליון) foram dois irmãos mencionados no livro de Rute. Eles foram os filhos de Elimeleque, da tribo de Judá, e sua esposa Noemi. Juntamente com seus pais, eles se estabeleceram na terra de Moabe, durante o período dos juízes de Israel, em virtude da fome que havia na terra. Malom casou-se com a mulher moabita Rute, enquanto Quiliom casou-se com Orfa também moabita.

Elimeleque e seus filhos morreram em Moabe, deixando Noemi, Ruth e Orfa viúvas. Após receber notícias de que Deus voltou a trazer comida à terra de Judá, Noemi volta para Israel, mas aconselha suas noras à retornarem às casas de suas mães. Orfa atende ao conselho de Noemi, porém Rute escolhe ficar com ela e se converter ao judaísmo.

Já na terra de Israel, Boaz, um parente resgatador compra todas as posses de Elimeleque e seus dois filhos das mãos de Noemi, além de estabelecer um casamento levirato com Rute, um ato que iria garantir que o nome do Malom não fosse esquecido, uma vez que qualquer criança que ela concebesse seria considerada como se fosse filho de Malom. Após casar-se com Boaz, Rute teve um filho, chamado Obede (biologicamente de Boaz, mas contando-se como se fosse de Malom), o qual tornou-se o avô paterno do rei Davi.

Naassom

Naassom ou Nasom, dependendo da tradução, era um príncipe da Tribo de Judá, no tempo em que os israelitas entraram em Canaã, segundo a narrativa Bíblica. A sua irmã Eliseba era mulher de Aarão. Morreu no deserto (Números 26:64-65). O seu nome aparece na linhagem do rei Davi na genealogia de Jesus Cristo na sua forma grega (Mateus 1:4; Lucas 3:32).

Foi filho de Aminadabe ou Amminadab e pai de Salmom casado com Raabe, mãe de Boaz.

Neemias

Neemias (em hebraico: נְחֶמְיָה, hebraico padrão Firstaḥ, fp:ar language Nəḥemya, hebraico tiberiano Nəḥemyāh, /ˌniəˈmaɪə/, "conforto de (ou "confortado por") Deus (YHWH)") é um personagem bíblico, figura importante na história pós-exilo dos judeus, tal como registrada na Bíblia, e que, acredita-se, teria sido o autor primordial do Livro de Neemias. Era filho de Hacalias (Neemias 2:3), e provavelmente pertencia à Tribo de Judá; seus ancestrais residiam em Jerusalém antes de seu serviço na Pérsia (Neemias 2:3).

Fez erigir os muros de Jerusalém e realizou importantes reformas religiosas exercendo papel fundamental na fixação da lei mosaica. O livro bíblico que traz seu nome, Livro de Neemias, redigido pouco antes do ano 400 a.C., juntamente com o livro de Crônicas e o livro de Esdras, relata a obra de restauração de Neemias.

Roboão

Roboão ou Reoboão, filho do Rei Salomão (I Reis 11:43) tinha 41 anos ao subir ao trono. Logo após a morte de seu pai, Salomão, ocorreu um cisma e o Reino de Israel foi dividido em dois reinos. Roboão tornou-se Rei do Israel Meridional (tribo de Judá e Benjamin), passando a ser chamado Reino de Judá.

Salmom

Salmom é um personagem do Antigo Testamento da Bíblia, oriundo da tribo de Judá. Também foi sitado no velho testamento em Rute 4:21

Seba

Seba (em hebraico: שיבא) era um filho de Bicri, da família de Bequer, filho de Benjamin e, portanto, da linhagem da qual Saul era descendente.

O Antigo Testamento relata que Seba liderou uma revolta contra o rei Davi, (não confundir com a Rainha de Sabá).

Quando Davi voltou para Jerusalém após a derrota de Absalão, uma contenda surgiu entre as dez tribos e a tribo de Judá, porque esta última assumiu a liderança em trazer de volta o rei. Seba aproveitou esse estado de acontecimentos e levantou o estandarte da revolta, proclamando: "Não temos parte em Davi". Com seus seguidores, ele prosseguiu para o norte. Davi vendo-se necessário verificar esta revolta, ordenou a Abisai que levasse os gibborim ("homens valentes") e os guarda-costas e soldados, para que ele pudesse reunir e perseguir Seba. Joabe entrou na batalha e tendo traiçoeiramente coloca Amasa à morte, assumiu o comando do exército.

Joabe e Abisai chegaram ao norte do país na cidade de Abel-Bete-Maacá, onde eles sabiam que Seba havia se escondido. Eles cercaram a cidade. A mulher sábia da cidade (sem nome) convenceu Joabe a não destruir Abel Bete-Maaca, porque o povo não queria Seba escondido lá. Ela disse ao povo da cidade para matar Seba e que sua cabeça fosse jogada por cima do muro para Joabe.

Sete selos

Os Sete Selos é um conceito da escatologia cristã, que vem do Livro do Apocalipse, da Bíblia cristã, onde um livro com sete selos é descrito em Apocalipse 5:1.

Os Sete Selos foram abertos pelo Leão de Judá. Apocalipse 5:5 diz: "E um dos anciões disse até mim: Não chores eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e desatar os sete selos".

Judá era geralmente o reino entregue ao príncipe herdeiro de Israel. Jesus na tradição cristã, é o Rei dos reis, e não o príncipe herdeiro. O Leão de Judá é uma referência deliberada direta a um príncipe digno "do sangue de Cristo". Os sete selos foram abertos, um a um, pelo Cordeiro.

Apocalipse 5:6 diz: "E eis que, no meio do trono e dos quatro animais, e no meio dos anciãos, um Cordeiro como tinha sido morto, tendo sete chifres e sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra".

Tribo de Benjamim

A tribo de Benjamim (em hebraico, בִּנְיָמִין, transl. Binyāmîn,"filho da felicidade") era uma das doze tribos de Israel. Recebeu o nome do filho mais novo de Jacó (Israel) e Raquel. Os membros dessa tribo eram chamados benjamitas.

Quando da divisão de Canaã, a tribo de Benjamim ficou com o território compreendido entre Efraim, ao norte, e Judá, ao sul. Embora fosse um território pequeno e montanhoso, era fértil e incluía cidades importantes como Jerusalém, Jericó, Betel, Gibeá e Mispá, entre outras.

Um benjamita importante foi Eúde, o segundo juiz referido no Livro de Juízes. Saul, o primeiro rei de Israel oficialmente reconhecido como tal, era benjamita, filho de Quis. A partir daí, a linhagem real passou a ser da tribo de Judá.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.