Samaria

Samaria é o nome histórico e bíblico de uma região montanhosa do Oriente Médio, constituída pelo antigo reino de Israel, situado em torno de sua antiga capital, Samaria, e rival do vizinho reino do sul, o reino de Judá. Atualmente situa-se entre os territórios da Cisjordânia e de Israel.

Gaza WestBank panorama
Panorama de uma aldeia palestina próxima ao assentamento israelense de Beit El, na região histórica de Samaria, atual Cisjordânia

Etimologia

Samaria é um termo construído pelo hebraico shomron, nome da tribo shemer, que era proprietária do local e o vendeu ao Omri, que teria sido o sexto rei de Israel.[1]

Referências

  1. «Samaria - Origem Da Palavra». origemdapalavra.com.br. 1 de outubro de 2016. Consultado em 3 de outubro de 2016. Arquivado do original em 12 de março de 2017

Ver também

Ligações externas

Aser

Aser (em hebraico: אָשֵׁר, hebraico moderno Ašer, hebraico tiberiano ʾĀšēr), segundo a Bíblia, é o um dos 12 filhos de Jacó, resultado de sua união com Zilpa, criada de Lia. Aser também é o ancestral de uma das 12 Tribos de Israel, de mesmo nome.

O personagem de Aser não possui grande destaque no livro de Gênesis, exceto por ter tomado parte na conspiração junto a seus irmãos que levou José a ser vendido como escravo para uma caravana em direção ao Egito, e também ter estado junto com seus irmãos no momento da reconciliação. Em I Crônicas 7:30-40 é traçada a descendência de Aser e seus filhos Imna, Isvá, Isvi, Berias e Sera.

Aser, junto com seus irmãos, tomou residência na parte leste do delta do rio Nilo, onde sua descendência multiplicou-se e originou a tribo de Aser. Segundo os livros do Pentateuco, Aser seguiu Moisés para a Terra Prometida, embora alguns estudiosos afirmem que Aser já era uma tribo localizada provavelmente na costa sul da Palestina antes do Êxodo, a região que, segundo o livro de Josué, ela teria conquistado quando da tomada de Canaã.

A região original de Aser coincidia com a terra da Filístia. Antes da ascensão do rei David, a terra de Aser já pertencia aos filisteus, de modo que a tribo pode ter continuado a existir apenas como indivíduos ou famílias vivendo em territórios de outras tribos, não mais como uma entidade individual e identificável entre as outras tribos de Israel. Os aseritas teriam se unido a Jeroboão quando este reivindicou para si o trono de Israel, e Aser teria feito parte das 10 tribos do norte que permaneceram independentes do governo de Jerusalém. A tribo desapareceu definitivamente dos registros quando Samaria foi tomada pela Assíria.

Atos 8

Atos 8 é o oitavo capítulo dos Atos dos Apóstolos, de autoria de Lucas, o Evangelista, no Novo Testamento da Bíblia. Ele relata a disseminação do nascente cristianismo para as regiões da Samaria e da Etiópia. É neste capítulo também que Paulo de Tarso é citado pela segunda vez, ainda como perseguidor dos cristãos e chamado de "Saulo".

CE-368

A CE-368 é uma rodovia brasileira do estado do Ceará. Jaguaribe á Jaguaretama

As obras tiveram inicio em outubro de 2014 fazem parte do Programa Viário de Integração e Logística – Ceará IV, onde pavimentou aproximadamente 41,45 quilômetros da rodovia. A empresa contratada Construtora Samaria LTDA realizará os serviços em 360 dias corridos.

Inaugurado em 12 de Dezembro de 2015, pelo então Governador Camilo Santana, a pavimentação de 41 km de da CE-368, nos entroncamentos com a CE-275 (Jaguaribe) e com a CE-371 (Jaguaretama). As obras visam beneficiar moradores dos municípios de Orós, Icó, Jaguaribe, Jaguaretama e distritos circunvizinhos.

O trecho tive investimento total de 26.357.262,16 voltados para pavimentação, movimentação de terra, drenagem, obras d’artes correntes e sinalização horizontal e vertical. O financiamento da obra foi do Tesouro do Estado e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Fonte: https://www.ceara.gov.br/2015/12/13/governador-entrega-estradas-e-muitos-beneficios-para-o-centro-sul-e-vale-do-jaguaribe/

Fonte: https://www.seinfra.ce.gov.br/2015/04/15/rodovia-ce-368/

Fonte: http://aprece.org.br/blog/solenidade-de-inauguracao-da-rodovia-ce-368-e-assinatura-da-ordem-de-servico-para-construcao-do-centro-de-educacao-infantil-cei/

Fonte: http://oliberalnet.blogspot.com/2015/12/rodovia-368-e-inaugurada.html

Distritos de Israel

Há seis principais distritos administrativos de Israel, conhecido em hebraico como mehozot (מחוזות; singular: mahoz) e quinze sub-distritos conhecido como nafot (נפות; singular: נפה, nafá). Cada sub-distrito é subdividido em regiões naturais, que são 50.

O sub-distrito Golã, que contém 4 regiões naturais, está incluído nesse total, embora não seja reconhecido pela ONU como parte do território israelita. As regiões da Judeia e Samaria, que também são territórios palestinos ocupados por Israel na Cisjordânia, não estão incluídas, uma vez que Israel ali não aplica integralmente a sua jurisdição.

Filipe, o Evangelista

Filipe, o Evangelista (em grego clássico: Φίλιππος; transl.: Philippos), foi um missionário cristão do século I e um dos Setenta Discípulos. Ele é citado diversas vezes no Atos dos Apóstolos, mas não deve ser confundido com Filipe (apóstolo).

Junto com Estêvão, era um dos sete “homens acreditados, cheios de espírito e de sabedoria” (veja Sete Diáconos), escolhidos para a distribuição de alimentos entre as viúvas cristãs em Jerusalém (Atos 6:1-6).

Quando a perseguição espalhou a maioria dos cristãos, Filipe foi a Samaria; proclamou ali o evangelho, realizou milagres, e com muita alegria muitos aceitaram a mensagem e foram batizados, inclusive Simão, que praticava artes mágicas. (Atos 8:4-13). Logo depois batizou um eunuco da Etiópia e foi "arrebatado" até Asdode, de onde seguiu pregando até Cesareia.

Por todas estas obras ele realizou a obra dum “evangelizador” em Atos 21:8. Anos mais tarde, viveu em Cesareia, onde pregava com suas quatro filhas. Por volta do ano 56 d.C. foi visitado por Paulo e Lucas que ficaram por um tempo em sua casa.

A tradição diz que ele residiu em Trales se tornando bispo da Igreja local.

Filipe (apóstolo)

Filipe Apóstolo foi um apóstolo de Cristo e mártir. Diz a tradição, através de Eusébio de Cesareia, que era casado, tinha duas filhas e teria realizado muitos milagres, inclusive revivido - não ressuscitado, assim como com Lázaro - um defunto em Hierápolis. Não deve ser confundido com São Filipe, o Evangelista, o diácono que evangelizava Samaria, de acordo com a história relatada nos Atos dos Apóstolos.

Também diz a tradição que Filipe pregou o Evangelho na Palestina, Grécia e na Ásia Menor, onde, se diz, morreu crucificado e apedrejado no ano 80 em Hierápolis, na Frígia.

São Filipe era natural de Betsaida, uma cidade da Galileia (São João 1:44).

De acordo com o Evangelho segundo São João (1:43), diz-se que São Filipe foi chamado por Jesus para ser seu seguidor e que foi ele quem apresentou São Natanael a Cristo.

Nota: Não deve ser confundido com São Filipe, o Evangelista, missionário citado no livro dos Atos dos apóstolos.

Gush Dan

Gush Dan é a maior área metropolitana de Israel, da qual a maior cidade é Tel Aviv-Yafo.

Sua população é estimada em 3.206.400 habitantes, dos quais 95% (cerca de 3.000.000) são judeus israelenses. Está situada entre as montanhas de Shomron (Samaria) e o mar Mediterrâneo. O nome Gush Dan deriva do antigo território bíblico, no qual a tribo de Dan (Dã) teve os seus assentamentos.

Herodes

Herodes (em hebraico: הוֹרְדוֹס, transl. Hordos; em grego: Ἡρῴδης, Hērōidēs), também conhecido como Herodes I ou Herodes, o Grande (ca. 74/73 a.C. — Jericó, 4 a.C.), foi um edomita judeu romano, rei cliente de Israel entre 37 a.C. e 4 a.C.. Descrito como "um louco que assassinou sua própria família e inúmeros rabinos", Herodes é conhecido por seus colossais projetos de construção em Jerusalém e outras partes do mundo antigo, em especial a reconstrução que patrocinou do segundo Templo, naquela cidade, por vezes chamado de Templo de Herodes. Alguns detalhes de sua biografia são conhecidos pelas obras do historiador romano-judaico Flávio Josefo.

Seu filho, Herodes Arquelau, tornou-se etnarca da Samaria, Judeia e Edom de 4 a 6 d.C., e foi considerado incompetente pelo imperador romano Augusto, que tornou o outro filho de Herodes, Herodes Antipas, soberano da Galileia (de 6 a 39 d.C.).

Javé

Javé (em hebraico: יהוה) — YAHWEH) foi o deus nacional dos reinos da Idade do Ferro de Israel (Samaria) e Judá, no Levante. Suas origens exatas são contestadas, apesar de remontarem à Idade do Ferro primitiva e até à Idade do Bronze tardia: seu nome pode ter começado como um epíteto de El, o principal deus do panteão cananeu da Idade do Bronze, mas as mais antigas menções plausíveis de Yahweh estão em textos egípcios que se referem a um nome de local de sonoridade semelhante associado aos nômades shasu do sul da Transjordânia.Na mais antiga literatura bíblica, Javé é um típico "guerreiro divino" do Oriente Médio, que lidera o exército celestial contra os inimigos de Israel; ele mais tarde se tornou o principal deus do reino de Israel (Samaria) e de Judá, e com o tempo a corte real e o templo promoveram Javé como o deus de todo o cosmos, possuindo todas as qualidades positivas anteriormente atribuídas aos outros deuses e deusas. No final do exílio babilônico (século VI a.C.), a própria existência de deuses estrangeiros foi negada e Javé passou a ser proclamado como o criador do universo e o verdadeiro deus de todo o mundo.

Judeia

Judeia (do hebraico יהודה "louvor", Yəhuda ; em hebreu tiberiano Yəhûḏāh), em árabe: يهودية, Yahudia, em grego: Ἰουδαία, Ioudaía; em latim: Iudaea) é o nome da parte montanhosa do sul de Israel, entre a margem oeste do mar Morto e o mar Mediterrâneo. Estende-se, ao norte, até as colinas de Golã e, ao sul, até a Faixa de Gaza, correspondendo aproximadamente à parte sul da Cisjordânia.Atualmente, a Judeia é considerada parte da Cisjordânia pelos árabes, enquanto para o governo israelense a região é a Judeia e a Samaria, excluindo Jerusalém Oriental. A Organização das Nações Unidas utilizou-os em 1948 para se referir à parte sul da atual Cisjordânia.

Judeia e Samaria

Este artigo refere-se a uma área administrativa controlada por Israel chamada Judeia e Samaria. Para as regiões geográficas conhecidas pelos nomes bíblicos da Judéia e Samaria, ver Judeia ou Samaria. Para outros significados ver Cisjordânia.

Judeia e Samaria (em hebraico: אֵזוֹר יְהוּדָה וְשׁוֹמְרוֹן, também um acrônimo יו"ש Yosh or ש"י Shai; em árabe: اليهودية والسامرة, al-Yahudiyyah was-Sāmarah) é a denominação adotada pelo governo de Israel para o território mais conhecido pela comunidade internacional como Cisjordânia, excluindo Jerusalém Oriental.

Livro de Miqueias

O Livro de Miqueias é o sexto livro dos doze profetas menores da Bíblia hebraica e cristã, vem depois do Livro de Jonas e antes do Livro de Naum. Este pequeno livro profético do Antigo Testamento se caracteriza pela condenação dos ricos por explorarem os pobres. Denuncia os governantes, chefes e ricos das cidades de Jerusalém e Samaria. Estes estavam roubando o povo através da língua enganosa, com armadilhas, exigiam presentes e subornos. Miqueias também denunciou a cobiça, os ganhos imorais, a maldade planejada, a balança desonesta e o crime organizado. O conteúdo deste livro tem quase 2700 anos.

Miqueias nasceu em Morasti (Moréshet), uma vila no interior do reino de Judá, a oeste de Hebrom. Por sua origem camponesa se assemelha à Amós, com quem compartilha uma aversão às grandes cidades e uma linguagem concreta e franca, nas comparações breves e nos jogos de palavras. Ele exerceu sua atividade entre os reinados de Jotão (Iotâm), Acaz, Ezequias e Manassés, isto é entre 750 e 680 AC, antes e depois da tomada de Samaria pelos assírios em 721 AC, tendo sido contemporâneo de Oseias e de Isaías.

Palestina (região)

Palestina (em árabe: فلسطين, translit. Filasṭīn; em hebraico: פלשתינה; em grego: Παλαιστίνη, transl. Palaistinē, e em latim: Palæstina), é a denominação histórica dada pelo Império Romano a partir de um nome hebraico bíblico, a uma região do Oriente Médio situada entre a costa oriental do Mediterrâneo e as atuais fronteiras ocidentais do Iraque e Arábia Saudita, hoje compondo os territórios da Jordânia e Israel, além do sul do Líbano e os territórios da Faixa de Gaza e Cisjordânia.

A área correspondente à Palestina até 1948 encontra-se hoje dividida em três partes: uma parte integra o Estado de Israel; outra a atual Jordânia e duas outras (a Faixa de Gaza e a Cisjordânia), de maioria de árabes palestinos, deveriam integrar um estado palestino a ser criado - de acordo com a lei internacional, bem como as determinações das Nações Unidas, o Reino Unido. Em 1967, a Faixa de Gaza e a Cisjordânia foram conquistadas por Israel ao Egito e à Jordânia respetivamente, após a Guerra dos Seis Dias. E posteriormente Gaza em 2005 foi entregue à Autoridade Palestina, já a Cisjordânia (Judeia e Samaria) possui partes de territórios soberanos palestinos e parte de territórios com habitantes israelenses estabelecidos na conquista do território.

Há alguns anos, porções dispersas dessas duas áreas foram oferecidas por Israel e passaram a ser administradas pela Autoridade Palestina, mas, devido aos ataques violentos dos palestinos, esses territórios e sua população estão sob constante observação. A população palestina dispersa pelos países árabes em campos de refugiados, ou situados nos territórios de Gaza e Cisjordânia, é estimada em 5 milhões de pessoas.

Palestina Prima

Palestina Prima ou Palestina I foi uma província do Império Bizantino que durou de 390 até a década de 630 abrangendo as regiões da antiga Judeia, Samaria, o litoral e a Pereia, com capital em Cesareia. Ela foi perdida durante a Guerra bizantino-sassânida de 602-628 e foi transformada na Comunidade Judaico-Sassânida em 614, mas acabou sendo reanexada em 628 apenas para ser perdida novamente, desta vez de forma definitiva, durante a conquista muçulmana da Síria em 636.

Reino de Israel

O Reino de Israel de acordo com a Bíblia, foi a nação formada pelas 12 Tribos de Israel, um povo descendente de Jacó, Isaque e Abraão.

Segundo a história narrada na bíblia, após o Êxodo do Egito, sob a liderança de Moisés, os israelitas que eram nômadas/nómadas vaguearam pelo médio oriente durante décadas até que no final do século XIII a.C. sob a liderança de Josué os israelitas conquistam a terra de Canaã, abandonam o nomadismo e estabelecem-se nas terras conquistadas, dividindo o território entre as 12 tribos. O reino surge em meados do século XI a.C. na sequência da unificação das 12 tribos sob a chefia de Saul, seu primeiro rei.

Contudo não existia um verdadeiro poder central pois cada tribo governava a si própria. Os líderes nacionais, que se designavam "Juízes" tinham um poder muito frágil e só conseguiam unir as várias tribos em caso de guerra com os povos inimigos. A união entre as tribos era tão frágil que por vezes se guerreavam entre si. A Confederação Israelita, da era anterior ao Reino de Israel, também tem sido considerada uma espécie de república.

Cansados destas situações as tribos israelitas resolveram unir-se e instaurar uma monarquia. O profeta Samuel, último dos Juízes, designou Saul, da Tribo de Benjamim, como o primeiro Rei de Israel. O reino abrangia a região montanhosa de Judá e de Efraim, cuja capital era Gibeal.

Estudiosos modernos, incluindo crítica textual e arqueológica, tem contestado a versão bíblica da história do Reino, incluindo a história de como o reino do norte de Israel se desvinculou de uma monarquia unida com o reino sulista de Judá, afirmando que a civilização israelita nortenha se desenvolveu independentemente de Judá, uma área rural comparativamente menor, e só atingiu um nível de sofisticação política, econômica, arquitetural e militar quando o reino foi absorvido pela dinastia Omride, por volta de 884 EC.

Samaritana no poço

A samaritana no poço é um episódio da vida de Jesus que aparece apenas no Evangelho de João, em João 4:4-26. Na tradição da Igreja Ortodoxa, a samaritana é conhecida como Fotina (Photine - de φως, "a luminosa").

Samaritanos

Os samaritanos são um pequeno grupo étnico-religioso originários da Samaria. A Samaria é o nome histórico e bíblico de uma região montanhosa do Oriente Médio, constituída pelo antigo reino de Israel, situado em torno de sua antiga capital, Samaria, e rival do vizinho reino do sul, o reino de Judá. Atualmente, habitam no distrito de Holon em Telavive e Nablus na Cisjordânia situadas em Israel e na Palestina.

A religião dos samaritanos baseia-se no Pentateuco, tal como o judaísmo. Contudo, ao contrário deste, o samaritanismo rejeita a importância histórica de Jerusalém. Os samaritanos não possuem rabinos e não aceitam o Talmud dos judeus.

A religião dos samaritanos é o samaritanismo. O samaritanismo é uma religião abraâmica intimamente relacionada com o judaísmo que se baseia na Torá dos samaritanos e que, até onde é sabido, é praticada exclusivamente por eles. Seu culto é centrado no Monte Guerizín (perto do atual Nablus), ao contrário do judaísmo, que tem o monte Moriah (Jerusalém) como sua montanha sagrada.

Provavelmente no samaritano, como no judaísmo, havia cismas e disputas religiosas, das quais pouco se sabe; No entanto, hoje, por causa do pequeno número de samaritanos que ainda permanecem, há apenas uma corrente religiosa.

Simão Mago

Simão Mago ou Simão, o Mago é um personagem bíblico com quem o apóstolo Pedro travou polémica em Samaria (Atos 8:9-24). Além do livro bíblico dos Atos dos Apóstolos, o personagem é referido em outras obras ligadas ao gnosticismo.

Territórios palestinianos

Os Territórios Palestinianos compreendem três regiões não contíguas - a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental. Após a extinção do Mandato Britânico da Palestina, esses territórios foram capturados e ocupados pela Jordânia e pelo Egito durante a Guerra árabe-israelense de 1948. Durante a Guerra dos seis dias (1967), foram ocupados por Israel.A Autoridade Nacional Palestina (ANP) considera Jerusalém Oriental como parte da Cisjordânia e, portanto, com parte dos Territórios Palestinos, enquanto o governo israelense considera que seja parte do Estado de Israel. Em 1980, Israel anexou Jerusalém Oriental, retirando-a da Cisjordânia, mas o Conselho de Segurança da ONU, conforme a sua Resolução 478, considera nula tal anexação, afirmando tratar-se de uma violação da lei internacional.

Após a assinatura dos Acordos de Oslo, em 1993, porções dos territórios palestinianos têm sido governadas, em diferentes graus, pela Autoridade Palestiniana. Israel não considera que Jerusalém Oriental e a anterior terra de ninguém Israelo-Jordana (a primeira, anexada em 1980, e a segunda, em 1967) façam parte da Cisjordânia. Israel alega que ambas estão sob controlo total israelita. 58% do território da Cisjordânia (ou do que Israel considera que seja a Cisjordânia) é governado pela Administração Civil Israelita da Judeia e Samaria. Isto não foi reconhecido por nenhum outro país, uma vez que as anexações unilaterais estão proibidas pelas leis e costumes internacionais.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.