Otto Skorzeny

Otto Skorzeny (Viena, 12 de junho de 1908 - Madri, 6 de julho de 1975) foi um oficial da Schutzstaffel, especialista em operações especiais durante a Segunda Guerra Mundial. Era considerado pelos Aliados como "o homem mais perigoso da Europa". Tal fama era devida às várias operações de sabotagem, espionagem e resgate comandadas por ele, como a Operação Greif, durante a Batalha das Ardenas e a Operação Carvalho, a libertação de Benito Mussolini após a capitulação da Itália.

Otto Skorzeny
Otto Skorzeny
Nascimento 12 de junho de 1908
Viena, Áustria-Hungria
Morte 6 de julho de 1975 (67 anos)
Madri, Espanha
Ocupação Engenheiro da ODESSA
Serviço militar
Lealdade  Alemanha Nazista
Serviço Flag of the Schutzstaffel.svg Waffen-SS
Anos de serviço 1931-1945
Patente SS-Obersturmbannführer
Comando SS Panzer Brigade 150
Conflitos Segunda Guerra Mundial
Condecorações Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro
Bundesarchiv Bild 101I-567-1503C-15, Gran Sasso, Mussolini vor Hotel
Otto Skorzeny (centro) após o resgate de Benito Mussolini (de preto).

Juventude

Nascido em uma família de classe média vienense de origem alemã e possivelmente polaca, após a Primeira Guerra Mundial sua família sofreu com as consequências do Tratado de Versalhes e sobreviveu graças à assistência da Cruz Vermelha. Com a idade de 18 anos inscreveu-se na Universidade de Viena para estudar engenharia. Era um atleta com espírito aventureiro e amante de desafios. Participava de uma Schlagende Verbindungen (sociedade de duelos de esgrima), numerosas na Alemanha e Áustria. Participou de catorze duelos e no décimo recebeu a Schmisse (cicatriz de honra), que era para ele motivo de orgulho.

Schutzstaffel

Ingressou nas forças armadas alemãs após a anexação da Áustria pelo III Reich em 1938. Já formado em engenharia e com mais de 30 anos, o gigante (tinha 1,94m) Otto Skorzeny não conseguiu ingressar na Luftwaffe e foi colocado na Waffen SS, corpo armado do partido, não integrante do Exército alemão, mas uma força auxiliar deste. Após ser ferido na União Soviética, precisamente na Rússia, Otto estava em convalescença quando foi convidado a ingressar no recente corpo de comandos das forças armadas, ao estilo dos "comandos" britânicos. O grupo chamava-se Friendenthale Jagerverband, comandado por Walter Schllemberg, chefe da contra-espionagem da SS.

A libertação de Mussolini

Skorzeny foi escolhido pelo próprio Hitler para uma missão difícil, a libertação de Benito Mussolini, aprisionado após o armistício da Itália com os aliados em 1943.

Numa ação espetacular durante a Operação Carvalho, Skorzeny e seus comandos libertaram Mussolini de sua prisão nos Apeninos, no monte Gran Sasso.[1]

As ações ousadas

Otto Skorzeny
Otto Skorzenyem sua cela em Nuremberg.

Após o sucesso da missão Otto Skorzeny foi centro de diversas ações de espionagem e contraespionagem e missões de perigo ao mais alto nível. No final da guerra, tornou-se líder do grupo alemão que se destinou a espalhar o terror nas linhas americanas através de sabotagens e outras atividades de comandos. Os comandos, como eram conhecidos, vestiam-se com uniformes Norte-americanos e eram escolhidos só os que possuíssem inglês fluente para a farsa ser perfeita. Quando o momento era propício os Comandos invadiam os sistemas de comunicação e destruíam o mesmo além de sabotar veículos dentre outras coisas.

Pós-guerra e últimos anos de vida

Ao final da guerra, Otto Skorzeny foi preso, mas não foi incriminado por crimes de guerra apesar de ser julgado em Nuremberg, porém ficou anos num campo de desnazificação, de onde saiu e passou a morar na Espanha, exercendo a atividade de engenheiro até a sua morte, de câncer, em 6 de julho de 1975. Seu corpo foi cremado e suas cinzas enterradas no jazigo da família em Döblinger Friedhof, Viena na Áustria.[2]

Ver também

Referências

  1. (em português)Milavicorner - Operação Oak: O resgate de Mussolini
  2. Otto Skorzeny (em inglês) no Find a Grave

Bibliografia

  • Audaciosas Ações de Otto Skorzeny (2 Volumes) Autor: Otto Skorzeny - Biblioteca do Exército Editora -1976.

Ligações externas

12 de setembro

12 de setembro é o 255.º dia do ano no calendário gregoriano (256.º em anos bissextos). Faltam 110 para acabar o ano.

Anschluss

Anschluß ou Anschluss é uma palavra do idioma alemão que significa conexão, anexação, afiliação ou adesão. É utilizada em História para referir-se à anexação político-militar da Áustria por parte da Alemanha em 1938.Este termo é o oposto à palavra Ausschluß, que caracteriza a exclusão de Áustria no Reino da Prússia.

No tratado de Saint-Germain-en-Laye de 1919, que pôs fim ao Império Austro-Húngaro, o artigo 88 estipulava expressamente que a união de Áustria com Alemanha ficava proibida, mas a maioria dos habitantes que falavam o alemão apoiavam uma união com a Alemanha.Como se sabe, a Áustria, na tradição do Império Austro-Húngaro, era uma nação multi-étnica e multicultural. Em Viena e nas principais cidades austríacas viviam pessoas que falavam línguas diversas (alemão, húngaro, checo, croata, iídiche etc.) e praticavam as mais diferentes religiões (católicos - cerca de 73,6% da população , luteranos, judeus, cristãos ortodoxos). O imperador da Áustria tinha sido a figura política que tinha dado coesão à sociedade multicultural do Império Austro-Húngaro. Esse papel centralizador não tinha então um correspondente na nova sociedade austríaca. Muitas famílias judaicas, por exemplo, recordavam com saudade esses tempos idos. A nova sociedade austríaca vivia sob o signo do antissemitismo/antijudaísmo e das dificuldades da coexistência multi-cultural. Muitos austríacos, aqueles que eram de origem germânica (como Adolf Hitler) aspiravam a uma nação livre destas outras etnias, que eles desdenhavam. Aos olhos de Hitler, o ideal a seguir era o do pangermanismo: uma nação com uma só língua e etnia.

A 13 de setembro de 1931, a milícia dos cristãos-socialistas tenta em vão tomar o poder na Áustria pelas armas.

Depois da vitória nas eleições de abril de 1932, os nazistas não obtiveram a maioria absoluta, o que os enfrenta à oposição. Os nazistas austríacos lançam-se a uma estratégia de tensão e recorrem ao terrorismo. O chanceler social cristão Engelbert Dollfuss escolhe em 1933 governar por decreto, dissolve o parlamento, o Partido Comunista da Áustria, o partido nacional-socialista e a poderosa milícia social-democrata, a Schutzbund.

A dura repressão da polícia depois de uma insurreição em Linz em fevereiro de 1934 causou entre 1000 e 2000 mortes, os social-democratas abandonaram o combate e escolheram o exílio.

Enquanto isso os nazistas austríacos reforçaram-se e organizaram-se; preferindo um fascismo mais germânico assassinaram o chanceler Dollfuss a 25 de junho de 1934 e exterminaram seu clã, mas seu golpe de Estado é frustrado.

O novo chanceler, Kurt Schuschnigg, negocia uma trégua com Hitler em Berchtesgaden em fevereiro de 1938. O acordo é claro: entrada dos nazistas ao governo e anistia para os crimes em troca de uma não intervenção alemã na crise política.

O pacto não serve de nada: Schuschnigg perde o controle do país e vê como último recurso organizar um referendo para beneficiar-se da legitimidade popular: o exército alemão entra na Áustria a 12 de março e coloca o ministro do interior nazista no posto de chanceler.

A 13 de março de 1938 a Alemanha anuncia oficialmente a anexação da república austríaca e a converte numa província do Terceiro Reich. Em 10 de abril, um referendo avaliza a anexação com 99% de aprovação da população.

A França aceita a anexação de Áustria, que não voltará a ser soberana antes do final da Segunda Guerra Mundial, depois de ter sido ocupada pelos Aliados da Segunda Guerra Mundial (ver: Zonas ocupadas pelos Aliados na Áustria).

Benito Mussolini

Benito Amilcare Andrea Mussolini (Predappio, 29 de julho de 1883 — Mezzegra, 28 de abril de 1945) foi um político italiano que liderou o Partido Nacional Fascista e é creditado como sendo uma das figuras-chave na criação do fascismo.

Tornou-se o primeiro-ministro da Itália em 1922 e começou a usar o título Il Duce desde 1925. Após 1936, seu título oficial era "Sua Excelência Benito Mussolini, Chefe de Governo, Duce do Fascismo e Fundador do Império". Mussolini também criou e sustentou a patente militar suprema de Primeiro Marechal do Império, junto com o rei Vítor Emanuel III da Itália, quem deu-lhe o título, tendo controle supremo sobre as forças armadas da Itália. Mussolini permaneceu no poder até ser substituído em 1943; por um curto período, até a sua morte, ele foi o líder da República Social Italiana.

Mussolini foi um dos fundadores do fascismo, que incluía elementos de nacionalismo, corporativismo, sindicalismo nacional, expansionismo, progresso social e anticomunismo, combinado com a censura de subversivos e propaganda do Estado. Nos anos seguintes à criação da ideologia fascista, Mussolini conquistou a admiração de uma grande variedade de figuras políticas.Entre suas realizações nacionais de 1924 a 1939 destacam-se os seus programas de obras públicas como a drenagem das áreas pantanosas da região do Agro Pontino e o melhoramento das oportunidades de trabalho e transporte público. Mussolini também resolveu a Questão Romana ao concluir o Tratado de Latrão entre o Reino de Itália e a Santa Sé. Ele também é creditado por garantir o sucesso econômico nas colônias italianas e dependências comerciais. Embora inicialmente tenha favorecido o lado da França contra a Alemanha no início da década de 1930, Mussolini tornou-se uma das figuras principais das potências do Eixo e, em 10 de junho de 1940, inseriu a Itália na Segunda Guerra Mundial ao lado dos alemães. Três anos depois, foi deposto pelo Grande Conselho do Fascismo, motivado pela invasão aliada. Logo depois de preso, Mussolini foi resgatado da prisão no Gran Sasso por forças especiais alemãs.

Após seu resgate, Mussolini chefiou a República Social Italiana nas partes da Itália que não haviam sido ocupadas por forças aliadas. Ao final de abril de 1945, com a derrota total aparente, tentou fugir para a Suíça, porém, foi rapidamente capturado e sumariamente executado próximo ao lago de Como por guerrilheiros italianos. Seu corpo foi então trazido para Milão onde foi pendurado de cabeça para baixo em uma estação petrolífera para exibição pública e a confirmação de sua morte.

Conferência de Ialta

A Conferência de Ialta, ou Conferência de Yalta, também chamada de Conferência da Crimeia, é composta por um conjunto de reuniões ocorridas entre 4 e 11 de fevereiro de 1945 no Palácio de Livadia, na estação balneária de Yalta, nas margens do Mar Negro, na Crimeia. Foi a segunda das três conferências em tempo de guerra entre os líderes das principais nações aliadas (a anterior ocorreu em Teerã, e a posterior em Potsdam) e as potências capitalistas comemoraram a vitória na reunião.Os chefes de governo dos Estados Unidos (Franklin D. Roosevelt) e da União Soviética (Josef Stalin), e o primeiro-ministro do Reino Unido (Winston Churchill) reuniram-se em segredo em Ialta para decidir o fim da Segunda Guerra Mundial e a repartição das zonas de influência entre o Oeste e o Leste.

Em 11 de fevereiro de 1945, eles assinam os acordos cujos objetivos são de assegurar um fim rápido à guerra e a estabilidade do mundo após a vitória final.

Estes acordos são essenciais para a compreensão do mundo pós-guerra. Mesmo se suas interpretações pelos historiadores são diversas e variadas, vários deles estão de acordo sobre diversos pontos dos acordos. As diretrizes afirmadas nesta reunião determinaram boa parte da ordem durante a Guerra Fria, precisando as zonas de influência e ação dos blocos antagônicos, capitalista e socialista. Contudo, em 1991, após a queda da União Soviética, o ambiente internacional entrou em um período de transição, abandonando estes preceitos.

Conferência de Potsdam

A Conferência de Potsdam - ocorreu em Potsdam, Alemanha (perto de Berlim), entre 17 de julho e 2 de agosto de 1945. Os participantes foram os vitoriosos aliados da Segunda Guerra Mundial, que se juntaram para decidir como administrar a Alemanha, que tinha se rendido incondicionalmente nove semanas antes, no dia 8 de maio, Dia da Vitória na Europa. Os objetivos da conferência incluíram igualmente o estabelecimento da ordem pós-guerra, assuntos relacionados com tratados de paz e contornar os efeitos da guerra.

Conferência de Teerã

A Conferência de Teerã (pt-BR) ou Conferência de Teerão (pt) foi o primeiro dos acordos firmados entre as superpotências durante a Segunda Guerra Mundial. A ocasião reuniu pela primeira vez os três grandes estadistas do mundo da época: Josef Stalin, da União Soviética, Winston Churchill, do Reino Unido, e Franklin Delano Roosevelt, dos Estados Unidos. Esta conferência teve lugar em Teerã, entre 28 de Novembro e 1 de Dezembro de 1943.

Além de lançarem bases de definições de partilhas, decidiu-se que as forças anglo-americanas interviriam na França, completando o cerco de pressão à Alemanha, juntamente com as forças orientais soviéticas, o que concretizou-se com o desembarque dos Aliados na Normandia no Dia D. Deliberou-se ainda sobre a divisão da Alemanha e as fronteiras da Polônia ao terminar a guerra, além de se formularem propostas de paz com a colaboração de todas as nações. Os Estados Unidos e o Reino Unido reconheceram, ainda, a fronteira soviética no Ocidente, com a anexação da Estônia, da Letônia, da Lituânia e do Leste da Polônia.

DFS 230

DFS 230 — foi um planador de assalto usado pela Luftwaffe durante a Segunda Guerra Mundial.

Sua função era transportar carga e soldados com segurança. Foi projetado por Hans Jacobs. Inspirou a criação do planador britânico Hotspur.

Além do piloto, o planador DFS-230 tinha espaço para mais nove homens que ficavam sentados juntos em um estreito banco localizado no meio da fuselagem (metade virada para bordo e a outra metade virada para estibordo). A entrada e a saída era realizada por uma única porta lateral. O passageiro da frente era o responsável por operar o armamento defensivo de uso manual, que era uma metralhadora 7,92 mm MG 15. Era fabricado como um planador de assalto projetado para pousar diretamente em cima de seu alvo, então ele também estava equipado com um freio de pára-quedas. Ele carregava uma carga de cerca de 1.200 kg.

Os pilotos do avião de reboque e do planador podiam comunicar entre si através de um cabo que se estendia pela corda de reboque, o que possibilitava o voo cego, sendo que durante o reboque a velocidade do DFS-230 era de aproximadamente 180 km / h.

Esteve presente em várias ações militares alemãs bem sucedidas: a invasão da Bélgica (tomada do forte Eben-Emael), a invasão de Creta, no norte da África e no resgate de Benito Mussolini (Operação Carvalho) liderada por Otto Skorzeny. Embora a produção tenha cessado em 1941, foi usado até o final da guerra, tendo como último papéis o fornecimento de cargas em Berlim e Breslau até maio de 1945.

Já nas fases finais da guerra foi testado como Mistel ( "avião bomba" ).

Die Spinne

Die Spinne (A Aranha, em alemão) foi uma organização criada após a derrota do Terceiro Reich cujos objetivos foram, primeiramente, evacuar os líderes nazistas para destinos considerados seguros e que haviam organizado sua hospedagem (Argentina, Espanha, Egito, etc) a fim de livrá-los tanto de retaliações como do enfrentamento de suas responsabilidades pelo Holocausto, e, posteriormente, a reorganização a escala mundial do movimento nazista; objetivos também compartilhados com a organização clandestina ODESSA, criada por antigos membros das SS.Estas organizações foram responsáveis tanto por levantar quantias significativas de dinheiro, como para criar todos os tipos de documentos falsos (passaportes, salvo-condutos, etc.) para facilitar a fuga e posterior ocultação de criminosos de guerra nazistas, no que foi conhecido como ratlines ou Rota dos Mosteiros (nomeado dessa forma devido ao envolvimento, especialmente de sacerdotes da ordem franciscana, bem como os líderes da Igreja Católica, incluindo bispos, como foi o caso de Alois Hudal)Foi considerada por alguns como uma organização secreta criada e liderada em parte por Otto Skorzeny, chefe de comando de Hitler, bem como pelo oficial da inteligência nazista Reinhard Gehlen que ajudou mais de 600 antigos membros das SS a fugir da Alemanha para a Espanha, Argentina, Paraguai, Chile, Bolívia e outros países.

Die Spinne foi estabelecida por Skorzeny usando os nomes de fachada de Robert Steinbacher e Otto Steinbauer, e suportada por fundos nazistas (ou de acordo com algumas fontes pela inteligência austríaca). Como o passar dos anos, Skorzeny, Gehlen, e sua rede de colaboradores ganharam enorme influência na Europa e América Latina. Skorzeny viajou entre a Espanha franquista e Argentina, onde atuou como assessor do presidente Juan Perón e guarda-costas de Eva Perón, enquanto promovia uma ambição para o "Quarto Reich" centrado na América Latina.

== Referências ==

Força especial

São denominadas forças especiais, ou forças de operações especiais, as unidades militares treinadas para operações especiais. Militares formados em cursos de forças especiais são geralmente chamados operantes ou operadores.

Galeazzo Ciano

Gian Galeazzo Ciano (Livorno, 18 de março de 1903 — Verona, 11 de janeiro de 1944) foi um político italiano, 2.º Conde de Cortellazzo e Buccari, genro do ditador Benito Mussolini, ministro de Assuntos Exteriores da Itália, de 1936 a 1943.

Gran Sasso

O Gran Sasso (italiano para pedra grande) é um maciço localizado na região dos Abruzos, na Itália central. Também é a peça central do parque nacional chamado Parco Nazionale del Gran Sasso e Monti della Laga (estabelecido em 1991). As cidades mais próximas são Téramo e L'Aquila. O pico mais alto de Gran Sasso é Corno Grande, com 2 912 metros de altitude.

Na base dos picos está a extensa planície Campo Imperatore, conectada com as vilas de esqui de Prati di Tivo e Fonte Cerreto via teleféricos e estradas que ficam fechadas no inverno. Um hotel em Campo Imperatore é um famoso local onde o ditador italiano Benito Mussolini foi aprisionado no verão de 1943 até seu resgate por Otto Skorzeny e comandos alemães que aterrissaram com planadores em 12 de setembro. A planície também é o local da estação do Campo Imperatore do Observatório de Roma, de onde a Busca de Objetos Próximos à Terra de Campo Imperatore e outros estudos astronômicos são conduzidos.

No começo dos anos 1980 dois grandes túneis de 10 km em extensão foram construídos abaixo do Gran Sasso para que fosse construída uma estrada conectando L'Aquila com Téramo. Apesar dos escavadores do túnel terem atingido um aquífero natural, liberando uma inundação que matou sete trabalhadores, os túneis foram inaugurados em 1984. Um outro projeto foi a construção de um laboratório de física subterrâneo, o Laboratori Nazionali del Gran Sasso, ligado ao Istituto Nazionale di fisica nucleare, ao longo da pista sentido oeste do túnel. Muitos experimentos baseados lá estudam neutrinos ou pesquisam a matéria escura, projetos possíveis graças à proteção que a montanha dá em relação aos raios cósmicos. Tanto o túnel quanto o laboratório enfrentam forte oposição dos grupos ambientalistas locais devido a sua interferência no aqüífero, presença em um parque nacional e um vazamento químico de pequena escala no laboratório em 2002.

Em Março de 2005, foi anunciado que um pico de 2424 m no maciço do Gran Sasso será nomeado em homenagem ao Papa João Paulo II. O pico está localizado em uma região que ele frequentemente visitava. Uma cerimônia de renomeação aconteceu no aniversário de 85 anos do Papa (18 de maio de 2005)..

== Referências ==

ODESSA

ODESSA (sigla alemã de Organisation der ehemaligen SS-Angehörigen, que significa "Organização de antigos membros da SS") foi uma suposta organização nazista internacional secreta criada no final da Segunda Guerra Mundial por um grupo de oficiais da SS, com o objetivo de facilitar rotas de fuga secretas - mais tarde conhecidas como ratlines - para permitir que nazistas evitassem a captura e julgamentos por crimes de guerra e escapassem para a Argentina, o Brasil ou o Oriente Médio sob nomes falsos.A palavra-chave "Odessa" - como é conhecida pelos Aliados - apareceu pela primeira vez em um memorando datado de 3 de julho de 1946, pela American Contra-Corps (CIC), cujo papel principal era deslocar possíveis suspeitos. A CIC descobriu a ODESSA no campo de internamento KZ Bensheim-Auerbach para os antigos membros da SS que usaram essa palavra de ordem em suas tentativas secretas de obter privilégios especiais da Cruz Vermelha, escreveu o historiador Guy Walters, mas nem os estadunidenses nem os britânicos foram capazes de verificar tais reivindicações.A existência da organização é uma questão em disputa. Guy Walters, no seu livro Hunting Evil, alegou que era incapaz de encontrar qualquer evidência da existência da ODESSA, embora várias outras organizações, como Konsul, Scharnhorst, Sechsgestirn, Leibwache e Lustige Brüder tenham sido nomeadas, incluindo a Spinne Die ("The Spider"), tenha sido executado em parte pelo chefe commando de Hitler, Otto Skorzeny. O historiador Daniel Stahl em seu ensaio de 2011 afirmou que o consenso entre os historiadores é que a ODESSA na verdade nunca existiu.

Operação Carvalho

Operação Carvalho (em alemão Unternehmen Eiche, em italiano Operazione Quercia) foi o nome de código da operação militar para resgate do ditador italiano Benito Mussolini por paraquedistas alemães em 12 de setembro de 1943, durante a Segunda Guerra Mundial. A ação foi ordenada pessoalmente por Adolf Hitler, planejada pelo major Mors Harald, aprovada pelo general Kurt Student e comandada pelo SS-Obersturmbannführer (tenente-coronel) Otto Skorzeny.

Operação Greif

Operação Greif foi uma operação false flag feita por um grupo de comandos liderados por Otto Skorzeny da Waffen-SS nazista durante a Batalha das Ardenas na Segunda Guerra Mundial. A operação foi arquitetada pelo próprio Adolf Hitler e teve por objetivo capturar algumas pontes ao longo do rio Mosa. Alguns soldados alemães usando uniformes e veículos do exército americano deveria causar confusão atrás das linhas Aliadas. A operação acabou sendo um fracasso.

== Referências ==

Operação Panzerfaust

Operação Panzerfaust (Unternehmen Panzerfaust), foi uma operação militar para manter o Reino da Hungria no lado da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, conduzido em outubro de 1944 pela Wehrmacht alemã. Quando o ditador alemão Adolf Hitler recebeu a palavra de que o Regente da Hungria, o almirante Miklós Horthy, estava negociando secretamente a entrega do país ao Exército Vermelho avançado, ele enviou o líder do comando Otto Skorzeny da Waffen-SS e o ex-comandante das forças especiais, Adrian von Fölkersam, para a Hungria. Hitler temia que a rendição da Hungria expusesse seu flanco sul, onde o Reino da Romênia acabara de se juntar aos soviéticos e cortou um milhão de tropas alemãs ainda lutando contra o avanço soviético na península dos Balcãs. A operação foi precedida pela Operação Margarethe em março de 1944, que era a ocupação da Hungria pelas forças alemãs, visto que Hitler esperava garantir o lugar da Hungria nas Potências do Eixo.

Operação Weitsprung

Operação Weitsprung foi o nome de código de um complô nazista fracassado ocorrido durante a Segunda Guerra Mundial, uma tentativa abortada de captura ou assassinato dos 'Três Grandes' Franklin Roosevelt, Winston Churchill e Josef Stalin, durante a Conferência de Teerã, em novembro de 1943.

O assassinato conjunto foi autorizado por Adolf Hitler e dirigido e planejado por Ernst Kaltenbrunner, o chefe da RSHA, órgão que comandava as polícias nazistas, a Gestapo, o SD e a SS.

O plano foi aprovado depois que a espionagem alemã quebrou o código secreto de comunicação da Marinha dos Estados Unidos durante o mês de outubro de 1943 e descobriu que os três líderes planejavam um encontro entre eles na capital do Irã, em novembro, para fazer o planejamento final da guerra.O Obersturmbannführer-SS Otto Skorzeny – famoso mundialmente um mês antes por resgatar Benito Mussolini da fortaleza-prisão onde havia sido colocado pelos italianos após sua deposição e levá-lo à Alemanha – foi escolhido por Kaltenbrunner para comandar a ação, que também teve a participação do espião alemão Elyesa Bazna (conhecido pelo codinome Cícero), que transmitiu de Ancara, na Turquia, onde atuava, a Berlim, o local e a data do encontro dos três líderes Aliados.

Entrementes, a espionagem soviética logo tomou conhecimento do plano alemão, através de agentes infiltrados. As primeiras pistas vieram do agente e integrante da resistência ucraniana Nikolai Kuznetsov, que passando-se por um oficial da Wehrmacht na Ucrânia ocupada pelos nazistas, fez amizade com um oficial da SS, descrito como falador e bebedor, que lhe deu alguns detalhes sobre o plano quando encontrava-se bêbado.

Em Teerã, um espião soviético de 19 anos, Gevork Vartanian, que desde os 16 trabalhava para a inteligência soviética, havia recrutado uma pequena equipe de agentes no Irã (então Pérsia), onde seu pai, também espião, tinha a fachada de ser um rico mercador. O grupo de Vatanian localizou o comando avançado de radio-operadores infiltrados por Skorzeny, que havia sido lançado de paraquedas sobre a cidade de Qom, a 60 km da capital, e os seguiu até Teerã, onde o comandos nazistas instalaram-se numa villa providenciada pela rede de espionagem alemã local.

O grupo interceptou e gravou as comunicações feitas entre os radio-operadores e Berlim e após a decodificação das mensagens, ficaram sabendo que uma segunda equipe deveria ser lançada de paraquedas, desta vez comandada pelo próprio Skorzeny, para levar à cabo o atentado. Skorzeny inclusive já havia visitado Teerã incógnito, numa missão de reconhecimento, mas havia sido identificado e seguido pela equipe de Vartanian. Com isso, todas as comunicações alemãs foram interceptadas pelos serviços de inteligência britânico e soviético.

Neste meio tempo entretanto, um dos agentes alemães enviou uma mensagem cifrada a Berlim, avisando que acreditava estar o grupo sob a vigilância dos serviços secretos inimigos e a missão acabou sendo abortada. Skorzeny considerou que a primeira parte da operação que estava sendo feita em Teerã não era adequada e que a surpresa havia sido perdida, não acreditando mais que o complexo plano pudesse funcionar.Por seu trabalho em impedir a realização da Operação Long Jump e posteriormente por serviços prestados durante a Guerra Fria, Gevork Vartanian foi condecorado com a Estrela Dourada e o título de Herói da União Soviética.

== Referências ==

Ratlines

As ratlines (em português, literalmente, linhas de ratos) eram sistemas de fuga para nazistas e outros fascistas que deixavam a Europa no final da Segunda Guerra Mundial após a derrota das Potências do Eixo. Estas rotas de fuga terminavam geralmente em locais seguros na América do Sul, particularmente na Argentina, Paraguai, Brasil e Chile. Outros destinos incluíam Estados Unidos, Canadá e o Oriente Médio.

Uma destas, que foi feita famosa pelo filme de Frederick Forsyth "The Odessa File", era administrada pela ODESSA (Organisation der ehemaligen SS-Angehörigen, Organização de ex membros da SS), rede organizada por Otto Skorzeny. Talvez os governos nacionais, clérigos e diversas instituições internacionais tiveram um papel importante na criação das ratlines.

Wilhelm Miklas

Wilhelm Miklas (Krems an der Donau, 15 de outubro de 1872 – Viena, 20 de março de 1956) foi o terceiro presidente da Áustria, de 1928 até a sua anexação pela Alemanha nazista em 1938.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.