Maariv

O Maariv ou Ma'ariv (em Hebraico מעריב: da noite) é um jornal diário israelense.

A família Nimrodi detém o controle das acções e Yaakov Nimrodi é o presidente. O redactor-chefe é Amnon Dankner.

Ver também

Ariel Sharon

Ariel Sharon (em hebraico: ? אריאל שרון, em árabe: أرئيل شارون, Ariʼēl Sharōn, também conhecido pelo seu diminutivo Arik, em hebraico: אַריק, nascido Ariel Scheinermann, em hebraico: אריאל שיינרמן‎ Kfar Malal, Sarom, 26 de fevereiro de 1928 — Ramat Gan, 11 de janeiro de 2014), foi um político e militar israelita que serviu como 11º primeiro-ministro de Israel de 2001 até 2006, quando ficou incapacitado por um acidente vascular cerebral.Sharon era um comandante do Exército de Israel desde a sua criação em 1948. Como paraquedista e, em seguida, como oficial, ele participou com destaque na Guerra de Independência de 1948, tornando-se comandante de pelotão na brigada Alexandroni e participando de muitas batalhas, incluindo a Operação Ben Nun Alef. Ele foi uma figura fundamental para a criação da Unidade 101, e as operações de represália, assim como na Crise do Suez em 1956, a Guerra dos Seis Dias de 1967, a Guerra de Desgaste, e a Guerra do Yom Kipur, de 1973. Como ministro da defesa, liderou a Guerra do Líbano de 1982.

Durante sua carreira militar, ele foi considerado o maior comandante de campo da história de Israel, e um dos maiores estrategistas militares de seu país. Depois de seu ataque do Sinai na Guerra dos Seis Dias e seu Cerco do Terceiro Exército Egípcio na Guerra do Yom Kippur, o povo israelense lhe o apelidou de "O Rei de Israel" e "O Leão de Deus".Depois de se aposentar do exército, Sharon se juntou ao partido Likud, e serviu em vários cargos ministeriais nos governos liderados pelo Likud em 1977-1992 e 1996-1999. Ele se tornou o líder do partido, em 2000, e serviu como primeiro-ministro de Israel de 2001 a 2006.

Em 1983, Sharon foi responsabilizado pessoalmente pelo massacre de civis palestinos, perpetrado por falangistas libaneses com apoio das forças de ocupação israelenses, nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, durante a Guerra do Líbano de 1982 (junho a setembro de 1982). A pedido dos falangistas, as forças israelenses cercaram Sabra e Shatila e bloquearam as saídas dos campos para impedir a saída dos moradores e facilitar o massacre.

Na ocasião, Sharon era ministro da defesa e, segundo a comissão Kahan, instituída pelo governo de Israel, ele não tomou as medidas de segurança necessárias a impedir o previsível massacre dos refugiados pelos falangistas. A Comissão Kahan recomendou a remoção de Sharon como ministro da defesa, ele renunciou depois de inicialmente recusar-se a fazê-lo. Em 2003, maior corte de apelações da Bélgica decidiu que Ariel Sharon, já então primeiro-ministro Israel, poderia ser julgado por crimes de guerra, quando deixasse o cargo. O processo contra Sharon foi aberto graças à lei de jurisdição universal, criada na Bélgica em 1993, que permite que pessoas acusadas de cometer crimes de guerra sejam julgadas, independentemente do local onde os crimes tenham sido cometidos. Sharon nunca foi julgado pelos massacres.Na década de 1970, 1980 e 1990, Sharon defendeu a construção de colônias israelenses na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. No entanto, como primeiro-ministro, entre 2004-2005 orquestrou a retirada unilateral de Israel da Faixa de Gaza, alegando razões de segurança. Algum tempo depois, em 2008, as Forças de Defesa de Israel realizariam um devastador ataque à Faixa — a Operação Chumbo Fundido.

Enfrentando uma forte oposição a esta política dentro do Likud, em novembro de 2005 ele deixou o partido para formar um novo, o Kadima. Era esperado que Sharon vencesse a próxima eleição e que ele também planejasse a desocupação da maior parte da Cisjordânia, mediante uma série de retiradas decididas unilateralmente. No entanto, Sharon sofreu um derrame em 4 de janeiro de 2006 e foi deixado em um estado vegetativo permanente até sua morte, oito anos depois.

Benjamin Netanyahu

Benjamin "Bibi" Netanyahu (em hebraico: בִּנְיָמִין "בִּיבִּי" נְתַנְיָהוּ; nascido em 21 de outubro de 1949) é um político israelense, que agora atua como Primeiro-ministro de Israel desde 2009, tendo também servido na posição de 1996 a 1999. Netanyahu é membro do Knesset (Parlamento Israelense) e líder do partido Likud. É o primeiro chefe de governo do país nascido em Israel após a declaração de independência.

Brasão de armas de Israel

O brasão de armas de Israel mostra uma menorá rodeada por um ramo de oliveira em cada lado, e a inscrição "ישראל" (hebraico para Israel) abaixo dele.

O Estado de Israel adotou seu brasão de armas após um concurso de desenho que aconteceu em 1948. O desenho é baseado na proposta vencedora inscrita por Gabriel e Maxim Shamir, com elementos inspirados em outras propostas, como a de Oteh Walisch e a de W. Struski e Itamar David e a de Yerachmiel Schechter.

Um brasão inscrevendo três figuras, duas iguais com detalhes que indicam os valores de interesse astro-numerológico pré-pactuados, inclui ao centro um menorá com sete lampadas guarnecido em ambos os lados com dois ramos de oliveira cada um com uma folha cercada por ambos os lados com outras seis folhas que somam um total de treze folhas por ramo.

Cultura de Israel

Israel possui uma cultura muito diversa devido a diversidade de sua população; os judeus de todo o mundo trouxeram suas tradições culturais e religiosas com eles, criando um caldeirão de crenças e costumes judaicos. Israel é o único país no mundo onde a vida gira em torno do calendário hebraico, o dia oficial do descanso é o sábado, o shabat. A substancial minoria árabe, também deixou a sua impressão sobre a cultura israelense em áreas como arquitetura, música e culinária.

Gamal Abdel Nasser

Gamal Abdel Nasser (em árabe: جمال عبد الناصر;Alexandria, 15 de janeiro de 1918 — Cairo, 28 de setembro de 1970) foi um militar e político egípcio, presidente de seu país de 1954 até sua morte.Depois de ter frequentado o ensino liceal entrou na Real Academia Militar, na qual se formou em 1938, onde terá reunido os membros do Movimento dos Oficiais Livres. A sua sociedade revolucionária planejava mudar o rumo dos acontecimentos. Para tal pretendia afastar o rei Faruque I, aproveitando o insucesso da campanha egípcia contra Israel em 1948 e conduziu a uma radical alteração das políticas governamentais. No ano seguinte 1953 a monarquia foi abolida, implantada uma republica onde ele passou a presidente, e os partidos banidos.

Notabilizou-se, ao lado de Jawaharlal Nehru e outros, como um dos líderes carismáticos do movimento terceiro-mundista, o que lhe rendeu grande fama em todos os países do dito "Terceiro Mundo". Nasser promoveu, durante seus quase vinte anos no poder, forte política nacionalista, fomentando o movimento pan-arabista, e acabou por levar o Egito a uma efêmera associação com a Síria (a República Árabe Unida). Um marco importante de sua liderança foi a nacionalização do Canal de Suez, que resultou na Guerra de Suez (1956), em função da resposta militar de França e Inglaterra. As duas potências coloniais do século XIX, contudo, viriam a descobrir que o mundo do pós-Segunda Guerra Mundial já não mais lhes pertencia. Sem o apoio norte-americano ou soviético, os exércitos francês e britânico foram obrigados a retirar-se do Egito.

Sua maior derrota política e militar foi na guerra dos seis dias em 1967 onde perdeu boa parte do seu poderio militar (aeronáutico), atacado pelos israelenses, quando estava preparado para retomar as colinas de Golan na Síria, invadidas por Israel. Perdeu igualmente parte do Sinai também para Israel.

Gideon Levy

Gideon Levy (em hebraico: גדעון לוי, Tel-Aviv, 1953) é um controverso jornalista judeu israelense, membro da direção do jornal Ha'aretz.

Entre 1978 e 1982, Gideon Levy foi conselheiro de Shimon Peres.

Como jornalista, foi correspondente de guerra do Ha'aretz em Sarajevo, durante a Guerra dos Bálcãs.

Muito crítico em relação à política do governo de Israel em relação aos territórios ocupados, Levy publica semanalmente, na sua coluna Twilight Zone, uma crônica sobre violações de direitos civis dos palestinos. Seu tema preferencial é a denúncia do recurso sistemático à violência, por parte do governo de Israel, e do que considera manipulação da opinião pública do seu país - o que, segundo sua opinião, desumaniza tanto o povo israelense como os seus adversários.

Levy já recebeu prêmios por sua atuação na defesa de direitos humanos, mas, por outro lado, já foi também acusado pelo governo israelense de ser um possível risco de segurança para seu país. Foi chamado de "propagandista do Hamas", por uns, e de "heróico jornalista", por outros.Entre outros prêmios, Levy recebeu o prêmio Anna Lindh de jornalismo em 2008, por promover o diálogo entre culturas. A Associação pelos Direitos Civis em Israel concedeu-lhe o prêmio Emil Grunzweig em 1996, por promover os direitos humanos.Suas colunas são frequentemente citadas pelo New York Times e outros jornais do mundo. O Le Monde o qualificou como um espinho no flanco de Israel Der Spiegel qualificou-do de o mais radical comentarista de Israel.Seus oponentes, porém, consideram Levy como um anti-israelense que apoia o radicalismo palestino. Ben Dror Yemini, editor do Maariv, acusa Levy de fazer propaganda para o Hamas. Itamar Marcus, diretor do Palestinian Media Watch, escreve, no website da Arutz Sheva, publicação que apoia os assentamentos israelenses na Cisjordânia: "[One of] the current Israeli heroes [of the Hamas], from whom the Palestinians garner support for their ways, [is] Gideon Levy ..."Gideon Ezra, membro do parlamento ligado ao partido Kadima chegou a sugerir que os serviços de segurança monitorizassem Levy, considerando-o um risco à segurança de Israel.A escritora Irit Linur promoveu uma campanha pelo cancelamento de assinaturas do Ha'aretz em 2002. "It is a person's right to be a radical leftist, and publish a newspaper in accordance with his world view... However Haaretz has reached the point where its anti-Zionism has become stupid and evil," she wrote.".

Haaretz

Haaretz (הארץ, "A Terra", "O País") é um jornal diário israelense, fundado em 1919. É publicado em hebraico, com uma versão condensada publicada em inglês como anexo à edição do International Herald Tribune distribuida em Israel. Tem também uma página de Internet em hebreu e em inglês.

A linha editorial foi definida por Gershom Schocken, que foi editor-chefe entre 1939 e 1990. O Haaretz pertence à família Schocken. Os actuais editores chefe são David Landau e Tami Litani, que susbtituiram Hanoch Marmari e Yoel Esteron em Abril de 2004.

Em comparação com outros jornais diários em hebraico, como o Maariv e o Yediot Aharonot, o Haaretz é de gama alta, com artigos mais longos, letra mais pequena, menos imagens e secções diárias sobre ciência e literatura. As suas visões sobre o conflito israelo-palestiniano tendem a ser esquerdistas e seculares.

Hallelujah (canção de Gali Atari)

"Hallelujah" (em Alfabeto hebraico: הללויה) (Haleluyah) foi a canção que representou Israel no Festival Eurovisão da Canção 1979, interpretada em hebraico por Gali Atari e Milk and Honey. O referido tema tinha letra de Shimrit Orr e música e orquestração de Kobi Oshrat.

O grupo foi criado especialmente para o evento depois de a banda Hakol Over Habibi ter declinado o convite para a cantar devido a desavenças entre os membros da banda..

A canção é uma balada, com o grupo elogiando Deus por todo o Mundo e todas as coisas boas existentes no Mundo. Foi a canção com maior pendor religioso a vencer o Festival da Eurovisão da Canção. Os membros da banda foram entrando no palco um a um e não todos ao mesmo tempo. Esta canção foi interpretada no final do Festival Eurovisão da Canção 1999 por todos os concorrentes a esse festival como homenagem às vítimas das guerras dos Balcãs.

Foi a décima canção a desfilar no evento, a seguir à canção alemã e antes da canção francesa interpretada por Anne-Marie David. No final da votação, terminou em primeiro lugar, recebendo 125 pontos.

Henrique Cymerman

Henrique Cymerman Benarroch (Porto, 23 de março de 1959) é um jornalista, escritor, diretor, conferencista e professor universitário israelita de origens portuguesa e espanhola que trabalha como correspondente do Médio Oriente para a La Vanguardia , Mediaset Espanã, Antena 3, SIC e GloboNews. Além disso também escreveu o livro Vozes no Centro do Mundo. É fluente em cinco idiomas: inglês, espanhol, português, francês e hebraico.

Israel Hayom

Israel Hayom (em hebraico: ישראל היום, literalmente Israel Hoje) é um jornal diário gratuito hebraico nacional israelense, publicado pela primeira vez em 2007. Ele tem a maior circulação diária no país.

Kobi Marimi

Kobi Marimi (em hebraico: קובי מרימי; Ramat Gan, 8 de outubro de 1991) é um cantor e ator israelense que venceu a sexta temporada de HaKokhav HaBa. Isso lhe valeu o direito de representar seu país no Eurovision Song Contest 2019. Marimi é um graduado em atuação profissional e ganhou o prêmio de ator mais promissor no Festival de Teatro Musical de Israel.

Lincoln (filme)

Lincoln é um filme de drama-épico e histórico, norte-americano de 2012 dirigido por Steven Spielberg, estrelado por Daniel Day-Lewis como o presidente dos Estados Unidos Abraham Lincoln e Sally Field como Mary Todd Lincoln. O roteiro de Tony Kushner foi baseado, em parte, na biografia de Doris Kearns Goodwin, Team of Rivals: The Political Genius of Abraham Lincoln, e abrange os quatro últimos meses de vida de Lincoln, focando os esforços do presidente em janeiro de 1866 para ter a Décima Terceira Emenda à Constituição dos Estados Unidos na Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

O filme foi produzido por Spielberg e sua colaboradora frequente Kathleen Kennedy. As filmagens começaram em 17 de outubro de 2011. e terminou em 19 de dezembro de 2011. Lincoln estreou em 8 de outubro de 2012, no Festival de Cinema de Nova Iorque. O filme foi co-produzido pela DreamWorks Pictures e Participant Media e lançado nos cinemas em 9 de novembro de 2012, em cidades selecionadas e amplamente divulgado em 16 de novembro de 2012, nos Estados Unidos, por meio do selo de distribuição Touchstone Pictures da Disney. O filme foi lançado em 25 de janeiro de 2013, no Reino Unido, com distribuição em territórios internacionais, incluindo o Reino Unido, pela 20th Century Fox.Lincoln recebeu aclamação da crítica generalizada com grande louvor dirigido ao desempenho de Day-Lewis. Em dezembro de 2012, o filme foi indicado para sete Globos de Ouro, incluindo Melhor Filme - Drama, Melhor Diretor para Spielberg e vencedor de Melhor Ator (Filme - Drama) para Day-Lewis. No Oscar 2013, o filme foi nomeado para doze prêmios da Academia, incluindo Melhor Filme, ganhou o prêmio de Melhor Direção de Arte e Melhor Ator para Day-Lewis. O filme também foi um sucesso comercial, tendo arrecadado mais de $275 milhões em bilheteria.

Lior Suchard

Lior Suchard (em hebraico: ליאור סושרד pronunciado; nascido a 6 de dezembro de 1981) é um mentalista israelita e auto-descrito "mistificador" que realiza "entretenimento sobrenatural".

Minchá

Minchá (em hebraico: מנחה) é a oração da tarde no judaísmo.

Shacharit

Shacharit (em hebraico: שַחֲרִת) é a Tefilá (oração) diária da manhã do povo judeu, um dos três momentos de oração de cada dia. É o maior serviço diário, incluindo várias orações, mais do que os outros serviços do dia (Minchá e Maariv).

Atribui-se o estabelecimento do Shacharit ao patriarca Abraão quando orava pela manhã. A oração é feita no lugar de sacrifício de animais, conforme estabelecido pelo profeta Oseias em Oseias 14, "e ofereceremos como novilhos os sacrifícios dos nossos lábios", para ainda cumprir o mandamento bíblico (mitzvá) de servir a Deus.

Há cinco componentes principais do Shacharit: Pesukei dezimra, o Shema e suas bênçãos, a Amidá, Tachanun e as bênçãos finais. Em certos dias, há orações e serviços adicionais acrescentados ao Shacharit, incluindo o Mussaf e um serviço da Torá.

Televisão em Israel

A televisão em Israel refere-se aos serviços de radiodifusão televisiva no Estado de Israel, inaugurados em 24 de março de 1966. Inicialmente, havia um canal estatal, operado em conjunto pela Autoridade de Radiodifusão de Israel e pela Televisão Educacional de Israel. Em 1986, um segundo canal regulado pelo estado foi lançado. Este canal tornou-se um canal comercial regulado pelo Estado em 1993. Um canal comercial adicional foi introduzido em 2002, seguido pela introdução de três canais de nicho comerciais: um canal israelense de língua russa (em 2002), um canal da música popular israelense (em 2003) e um canal de língua árabe (em 2012). As transmissões de cor foram introduzidas gradualmente por volta de 1980. O serviço de televisão por cabo multicanal tornou-se disponível aos assinantes gradualmente desde 1989, embora estações de TV a cabo ilegais estivessem presentes nas grandes cidades durante os anos 80. O serviço multicanal por satélite está disponível desde 2000.

Quase 75% da população está inscrita em sistemas de TV paga que são fornecidos por um serviço a cabo chamado "HOT", ou por um serviço via satélite chamado "yes". A Israel Broadcasting Authority foi fechada em maio de 2017 e substituída pela Israeli Broadcasting Corporation como operadora dos canais de TV estatais. O Canal 2 se dividiu em dois canais diferentes em novembro de 2017, dando a cada uma das duas empresas comerciais em operação um canal próprio: o Keshet 12 e o Reshet 13.

Tom Segev

Tom Segev (em hebraico : תום שגב ; Jerusalém, 1º de março de 1945) é um historiador, escritor e jornalista israelense. É associado aos Novos Historiadores, um grupo de acadêmicos israelenses que faz a revisão crítica das narrativas tradicionais constitutivas da chamada "história oficial" da criação do Estado de Israel.

Yair Lapid

Yair Lapid (em hebraico:יאיר לפיד; nasceu em 5 de novembro de 1963, Tel Aviv) é um político, jornalista, ator e escritor israelense. Ele é o filho do político Tommy Lapid e da sua mãe a escritora Shulamit Lapid.Ele é o fundador e líder do partido político Yesh Atid que apareceu pela primeira vez nas Eleições israelenses de 2013 onde ficou em segundo lugar atrás apenas do partido Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Yedioth Ahronoth

O Yedioth Ahronoth (em hebraico: ידיעות אחרונות, significando "últimas notícias") é um jornal diário israelense de grande circulação, editado em hebraico. Desde a década de 1970, é o jornal de maior tiragem em Israel. Este jornal, um dos primeiros jornais israelenses a ser privatizados, foi fundado em 1939 por Nachum Komarov e pouco depois foi comprado por Yehuda Mozes. Foi o primeiro vespertino da Palestina Mandatária e tentava emular o formato do tabloide Evening Standard de Londres. Mas logo o jornal entrou em dificuldades financeiras, e Kumarov teve que vendê-lo a Yehuda Mozes, um rico negociante de terras que via o jornal como hobby mas também como investimento a longo prazo. O seu primeiro chefe de redação foi Noah Mozes, o filho de Yehuda Mozes.Em 1948, um grande grupo de jornalistas e membros do staff liderados por Azriel Carlebach, que era o editor na altura, deixou o jornal, para formar um jornal concorrente, o Maariv. Foi o início de uma batalha pelo mercado, que ainda prossegue, entre estes dois jornais de prestígio. Carlebach foi posteriormente substituído por Herzl Rosenblum.

Hoje, o jornal é dirigido pelo filho de Noah Mozes, Arnon Mozes. Por muitos anos, foi editado pelo filho de Herzl Rosenblum, Moshe Vardi, que foi substituído em 2005, por Rafi Ginat.

Yedioth Ahronoth adota uma linha editorial mais popular e é aberto a uma ampla variedade de pontos de vista políticos. Em termos de conteúdo, contrasta com o Haaretz, que é voltado a um público mais sofisticado.Atualmente é controlado pelo Yedioth Ahronoth Group, que também tem interesse em diversas empresas israelenses, tais como "Channel 2", um canal de televisão comercial; "Hot", a companhia de televisão a cabo; "Yedioth Tikshoret", um grupo de jornais regionais; "Vesti", um jornal em língua Russa; revistas e outras empresas não ligadas a meios de comunicação.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.