Língua siríaca

O siríaco (ܠܫܢܐ ܣܘܪܝܝܐ, leššānā Suryāyā) é um dialeto do aramaico médio falado historicamente em boa parte do Crescente Fértil. Surgido por volta do século I d.C.,[3] o siríaco clássico se tornou um dos principais idiomas literários em todo o Oriente Médio do século IV ao VIII,[4] e foi a língua clássica de Edessa, conservada num grande corpus de literatura siríaca.

Tornou-se o principal veículo da cultura e do cristianismo ortodoxo oriental, espalhando-se por toda a Ásia, chegando até Malabar e a China oriental, e foi um importante meio de comunicação e disseminação cultural entre os árabes e, em menor escala, os persas. Primordialmente um meio de expressão cristão, o siríaco teve uma influência cultural e literária fundamental no desenvolvimento do árabe, que o substituiu na região no fim do século VIII. O siríaco continua a ser a língua litúrgica do cristianismo siríaco.

Escrito no alfabeto siríaco, derivado do alfabeto aramaico, o siríaco pertence ao ramo ocidental da família linguística semita.

Língua siríaca (ܠܫܢܐ ܣܘܪܝܝܐLeššānā Suryāyā)
Pronúncia:lɛʃʃɑːnɑː surjɑːjɑː
Falado em:
Total de falantes:
Família: Afro-Asiática
 Semítica
  Semítica central
   Semítica norte-ocidental
    Aramaico
     Aramaico oriental
      Língua siríaca
Escrita: Alfabeto siríaco
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: syc
ISO 639-3: syc

Alfabeto

O siríaco era um sistema de escrita (alfabeto) que os jacobitas utilizavam na região da Síria. Existem variedades como o siríaco moderno e o oriental. Enquanto o primeiro possui documentos escritos apenas a partir da metade do século XIX, o segundo, além de marcações de pontos nas vogais, é utilizado em manuscritos desde o século XV.[5]

História

Teve um aspecto bem particular devido à influência dos escribas que desenhavam os caracteres de alto a baixo, de forma que o leitor deveria manusear a folha endireitando-a para lê-la da direita para esquerda.

Importante ressaltar que neste idioma foram feitas várias traduções da Bíblia, tanto do Novo Testamento quanto do Antigo Testamento, bem como de outros livros religiosos que servem de fontes para o judaísmo e para o cristianismo.

Referências

  1. Holes, Clive (2001). «Dialect, Culture, and Society in Eastern Arabia: Glossary». pp. XXIV–XXVI
  2. Cameron, Averil (1993). «The Mediterranean World in Late Antiquity». p. 185
  3. «Ancient Scripts: Syriac». Consultado em 23 de agosto de 2010. Arquivado do original em 12 de agosto de 2012
  4. Beyer, Klaus; John F. Healey (trad. para o inglês) (1986). The Aramaic Language: its distribution and subdivisions. Göttingen: Vandenhoeck und Ruprecht. 44 páginas. ISBN 3-525-53573-2
  5. Antiga Bíblia em siríaco é encontrada no Chipre

Ligações externas

Aabam

Aabam termo mitológico que designa um génio considerado malévolo mas protector do chumbo. Este termo veio a ser o nome pelo qual os alquimistas da Idade Média designavam este metal.

Trata-se de uma palavra cujas origens são algo incertas, que no entanto terá as suas origens na Língua árabe, designadamente no termo Abân ou na antiga Língua siríaca, no termo Aban.

Alfabeto siríaco

O alfabeto siríaco é um sistema de escrita usado principalmente para escrever a língua siríaca desde o século 1 d.C. É um dos abjads derivados diretamente do alfabeto aramaico e tem semelhanças com os alfabetos fenício, hebraico, árabe e mongol.

O siríaco é escrito da direita para a esquerda. É uma escrita cursiva em que algumas letras, mas não todas, se unem dentro de uma palavra. O alfabeto tem 22 letras, todas consoantes. Os sons das vogais são determinados pela memória do leitor ou por pontos (um sistema de marcas diacríticas para indicar a leitura correta)

Alem de representarem os sons da língua, as letras do alfabeto siríaco também podem ser usadas para representar números, num sistema similar às numerações hebraica e grega.

Quando a língua árabe começou a ser a mais falada no Crescente Fértil, os textos eram frequentemente escritos em árabe mas no alfabeto siríaco. O malaiala era também escrito em siríaco e era chamado Suriyani Malayalam. Esses escritos (representando outra língua pelo alfabeto siríaco) são usualmente chamados Karshuni or Garshuni (ܓܪܫܘܢܝ).

Apocalipse de Pseudo-Metódio

O Apocalipse de Pseudo-Metódio é um texto apocalíptico que moldou a imaginação escatológica do Cristianismo durante a Idade Média. A obra foi escrita em língua siríaca no final do século VII dC, em resposta à conquista islâmica do Oriente Próximo e é falsamente atribuída ao grande bispo da Igreja Metódio.

Aramaico

Aramaico é uma língua semítica pertencente à família linguística afro-asiática. O nome da língua é baseado no nome de Aram, uma antiga região do centro da Síria. Dentro dessa família, o aramaico pertence ao subgrupo semítico, e mais especificamente, faz parte das línguas semíticas do noroeste, que também inclui as línguas canaanitas assim como o hebraico e o fenício. A escrita aramaica foi amplamente adotada por outras línguas, sendo assim, ancestral do alfabeto árabe e hebraico moderno.

Foi a língua administrativa e religiosa de diversos impérios da Antiguidade, além de ser o idioma original de muitas partes dos livros bíblicos de Esdras e Daniel, assim como do Talmude.

O aramaico foi a língua falada por Jesus e ainda hoje é a língua materna de algumas pequenas comunidades no Oriente Médio, especialmente no interior da Síria; e sua longevidade se deve ao fato de ser escrito e falado pelos aldeões cristãos que durante milênios habitavam as cidades ao norte de Damasco, capital da Síria, entre elas reconhecidamente os vilarejos de Maalula e Yabrud, além dessas outras aldeias da Mesopotâmia, como Tur'Abdin ao sul da Turquia, fizeram com que o aramaico continuasse a ser falado até os dias de hoje.

Assírios

Os Assírios (em turco: süryaniler; em curdo: asûrî), também conhecidos como caldeus, siríacos ou ainda cristãos assírios, cristãos siríacos e cristãos caldeus, são um grupo étnico com origem no Crescente Fértil. Hoje, seu território faz parte de vários países, no entanto, ao contrário do que muitos acreditam, o povo assírio não sumiu depois da queda do Império Assírio, mas passou a constituir minorias étnicas sob o domínio de outros grupos desde o início da Idade Média.

Berquicho

Berquicho (em armênio/arménio: Բրքիշո; transl.: Brkisho), dito o Sírio, foi um prelado persa de língua siríaca que tornou-se católico de todos os armênios (ou anti-católico) da Igreja Apostólica Armênia de 429 a 432.

Culinária assíria

A culinária Assíria é a culinária dos povos nativos de etnia Assíria, Aramaica Oriental de língua Siríaca Cristã do norte do Iraque, do nordeste da Síria, do noroeste do Irã e do sudeste da Turquia. A culinária Assírio é muito semelhante a outras do Oriente Médio e das culinárias Caucásia, tais como a culinária Grega, culinária Libanesa, Turca, Israelita, e Arménia, com a maioria dos pratos sendo semelhante à culinária da área em que os Assírios vivem/se originaram. É um culinária rica em legumes e cereais, como a cevada, carne, tomate, ervas, especiarias, queijo, de batata, assim como ervas, produtos lácteos fermentados, e pepinos em conserva. O álcool, em particular, cerveja de trigo, de vinho orgânico e arak também é consumido.

Epístola de Tiago

A Epístola de Tiago é uma das cartas do Novo Testamento, assim conhecidas porque foram escritas como cartas circulares, isto é, para serem lidas em várias igrejas, ao contrário das "Epístolas de Paulo" que eram enviadas a igrejas específicas ou a determinados indivíduos. Entretanto fica evidenciado pelo conteúdo da carta que o autor direciona seus conselhos aos cristãos judeus recém convertidos.

Igreja Maronita

A Igreja Siríaca Maronita de Antioquia (em siríaco: ܥܕܬܐ ܣܘܪܝܝܬܐ ܡܪܘܢܝܬܐ ܕܐܢܛܝܘܟܝܐ‎ ʿīṯo suryaiṯo māronaiṯo d'anṭiokia; em árabe: الكنيسة الأنطاكية السريانية المارونية al-Kanīsa al-Anṭākiyya al-Suryāniyya al-Māruniyya; em latim: Ecclesia Maronitarum) é uma Igreja particular sui iuris católica, de rito siríaco ocidental, em plena comunhão com a Santa Sé, cujo Patriarca é Béchara Boutros Raï. Sua origem remonta à comunidade fundada por São Maron, um monge siríaco-arameu do século IV venerado como santo. O primeiro patriarca maronita, São Maron, foi eleito no final do século VII.

Embora com número relativamente reduzido hoje em dia, os Maronitas ainda são um dos principais grupos etnorreligiosos no Líbano. A Igreja Maronita afirma que, desde o começo, sempre teve comunhão com as Igrejas Católicas. Entretanto, esta comunhão foi realizada de fato em 1182, quando passou a haver comunicação entre as Igrejas Maronita e Romana. Em novembro de 2012, o Papa Bento XVI nomeou o Patriarca Maronita Bechara Boutros al-Rai como Cardeal.

Levante (Mediterrâneo)

Levante é um termo geográfico impreciso que se refere, historicamente, a uma grande área do Oriente Médio ao sul dos Montes Tauro, limitada a oeste pelo Mediterrâneo e a leste pelo Deserto da Arábia setentrional e pela Mesopotâmia. O Levante não inclui a Península Arábica, o Cáucaso ou a Anatólia (embora às vezes a Cilícia seja incluida). De uma forma geral, a região se resume à Síria, à Jordânia, a Israel, à Palestina, ao Líbano e a Chipre.

Outras fontes definem o Levante de uma maneira mais ampla, incluindo porções da Turquia, do Iraque, da Arábia Saudita e do Egito.

Os habitantes do Levante são chamados levantinos.

Livro da Abelha

O Livro da Abelha é uma compilação de teologia histórica que contém numerosas lendas bíblicas. Foi escrito por Salomão de Akhlat, um bispo nestoriano sírio de Baçorá por volta do ano 1222. Ele está escrito em língua siríaca.

Língua assíria

Língua assíria ou assírio pode referir-se a:

Línguas históricasLíngua acádia — língua semítica extinta falada na antiga Mesopotâmia

Aramaico — língua semítica falada anteriormente em grande parte do Crescente Fértil e idioma oficial do Império Assírio

Língua siríaca — idioma clássico da literatura e liturgia de várias igrejas orientaisLínguas modernasLíngua neoaramaica assíria

Língua neoaramaica caldeia

Língua turoyo — ou assírio ocidental

Língua neoaramaica assíria

O neoaramaico assírio, neossiríaco, aššuri, assuri, ashuri, aturi, assyriano, aisorski, assyrianci, assyriski, lishana aturaya, sooreth, suret, sureth ou suryaya swadaya é um dialeto da língua neoaramaica falado por cerca de 220 000 pessoas (1994 conf. estimativa SIL, antigamente numa área próxima ao lago de Urmia no noroeste do Irão, norte do Iraque, nordeste da Síria e Siirt (sudoeste da Turquia), porém, hoje mais dispersa na diáspora assíria-caldeia-siríaca pelo mundo.

Língua neoaramaica caldeia

A língua neoaramaica caldeia, neoaramaico caldeu ou simplesmente caldeu é um dialeto da língua aramaica do nordeste, falado na planície de Mossul no norte do Iraque, bem como por várias comunidades caldeias espalhadas pelo mundo. A maioria dos falantes pertence à Igreja Católica Caldeia.

Língua turoyo

O turoyo, assírio ocidental, surayt ou suryoyo é uma variação da língua aramaica tradicional falada no leste da Turquia e no nordeste da Síria pelos assírios. O idioma ou dialeto não é mutuamente inteligível com a língua neoaramaica ocidental, tendo as duas se separado há cerca de mil anos. A inteligibilidade mútua com as línguas neoaramaico assíria e neoaramaica caldeia é maior.

Ruha d-Qudsha

Ruha d-Qudsha (do latim: Rûḥâ ḏ-Qûḏšâ; em árabe: الروح القدس, ar-Rūḥu 'l-Qudusi; no alfabeto quadrático: רוחא דקודשא, Rûăḥ ha-Qôdēš; em siríaco ܪ ܘ ܚ ܐ ܕ ܩ ܘ ܕ ܫ ܐ, significa "espírito santo"; em aramaico significa "o espírito de santidade") em religiões de língua siríaca (judeus, muçulmanos e cristãos) refere-se ao Espírito Santo de Deus, mencionado no Alcorão e na Bíblia. No Mandeísmo, este refere-se a um espírito maligno feminino aliado do Deus judaico. Estes acreditam que Ruha d-Qudsha fundou Jerusalém e, juntamente com seus filhos, os sete planetas.

Samuel, o Sírio

Samuel (Շմուել; m. 437), dito o Sírio, foi um prelado persa de língua siríaca que tornou-se católico de todos os armênios (ou anti-católico) da Igreja Apostólica Armênia de 432 a 437.

Uncial 064

Uncial 064 (numeração de Gregory-Aland), ε 10 (von Soden), é um manuscrito uncial grego do Novo Testamento. A paleografia data o codex para o século 6.

Semíticas
ocidentais
Semíticas orientais

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.