Harry Potter

Harry Potter é uma série de sete romances de fantasia escrita pela autora britânica J. K. Rowling. A série narra as aventuras de um jovem chamado Harry James Potter, que descobre aos 11 anos de idade que é um bruxo ao ser convidado para estudar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. O arco de história principal diz respeito às amizades de Harry com outros bruxos de sua idade, como Ronald Weasley e Hermione Granger, e também com o diretor de Hogwarts Alvo Dumbledore, considerado o maior dos magos, e seus conflitos com o bruxo das trevas Lord Voldemort, que pretende se tornar imortal, conquistar o mundo dos bruxos, subjugar as pessoas não-mágicas e destruir todos aqueles que estão em seu caminho, especialmente Harry Potter, a quem ele considera seu maior rival.

Desde o lançamento do primeiro romance, Harry Potter e a Pedra Filosofal, em 26 de junho de 1997, os livros ganharam uma imensa popularidade, aclamação da crítica e foram um sucesso comercial em todo o mundo.[1] A série também recebeu algumas críticas, incluindo a preocupação com o tom cada vez mais sombrio conforme a história progredia. Até maio de 2015, já haviam sido vendidas 450 milhões de cópias em todo o mundo, tornando a série a best-seller da história, sendo traduzida para 73 idiomas.[2][3] Os últimos quatro livros consecutivamente foram considerados os mais vendidos da história, sendo que o último livro vendeu cerca de 11 milhões de cópias nos Estados Unidos nas primeiras 24 horas após o seu lançamento.

A série abrange vários gêneros, como fantasia, vida escolar e passagem entre a infância e a juventude (com elementos de mistério, suspense, aventura e romance), sendo que a história tem muitos significados e referências culturais.[4] De acordo com Rowling, o tema principal é a morte.[5] Há também muitas outras temáticas na série, como preconceito e corrupção.[6]

Os livros foram originalmente impressos em inglês por duas grandes editoras, a Bloomsbury do Reino Unido e a Scholastic Press nos Estados Unidos. A série já foi publicada por muitas editoras em todo o mundo. A adaptação para uma série composta por oito filmes feita pela Warner Bros. Pictures se tornou a série cinematográfica mais assistida da história. Tamanho sucesso fez com que a marca Harry Potter chegasse ao valor de 15 bilhões de dólares.[7] Além disso, o parque temático The Wizarding World of Harry Potter foi introduzido em diversas unidades da Universal Parks & Resorts.

Harry Potter
Logo usado na publicação original britânica
Livros
Harry Potter e a Pedra Filosofal
Harry Potter e a Câmara Secreta
Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban
Harry Potter e o Cálice de Fogo
Harry Potter e a Ordem da Fênix
Harry Potter e o Enigma do Príncipe
Harry Potter e as Relíquias da Morte
Informações
Autor J. K. Rowling
Tradutor Brasil Lia Wyler
Portugal Isabel Fraga, Isabel Nunes, Manuela Madureira, Alice Rocha, Maria do Carmo Figueira e Maria Georgina Segurado
Idioma original Inglês
Publicado entre 1998-2007 (no original) 26 de junho de 199721 de julho de 2007
Editora Reino Unido Bloomsbury Publishing
Brasil Rocco
Portugal Presença
País  Reino Unido
Gênero Aventura
Fantasia

Enredo

GWR 'Hall' 5972 'Olton Hall' at Doncaster Works
O Expresso de Hogwarts.

Os romances giram em torno de Harry James Potter, um órfão que descobre com 11 anos que é um bruxo, que vive no mundo comum de pessoas não-mágicas, conhecidas como "trouxas".[8] O mundo bruxo é mantido em segredo, presumivelmente para evitar a perseguição de bruxas e bruxos. Tal habilidade é inata e essas crianças são convidadas a participar de uma escola de magia exclusiva, que ensina as habilidades necessárias para ter sucesso no mundo bruxo.[9] Harry torna-se um estudante da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts e é ali onde a maioria dos eventos da série acontecem. Enquanto Harry se desenvolve através da adolescência, ele aprende a superar os problemas que ele enfrenta: mágicos, sociais e emocionais, incluindo desafios adolescentes comuns, como amizades, paixões e provas, e o grande teste de preparar a si mesmo para o confronto no mundo real que temos pela frente.[10]

Cada livro narra um ano na vida de Harry,[11] sendo que a narrativa principal se passa entre os anos de 1991 e 1998. Os livros também contêm muitos flashbacks, que são frequentemente vividos por Harry ao ver as lembranças de outros personagens em um dispositivo chamado penseira. O ambiente criado por Rowling é completamente separado da realidade mas também intimamente ligado a ela. Enquanto a terra da fantasia de Nárnia é um universo alternativo e a Terra Média de O Senhor dos Anéis é um passado mítico, o mundo mágico de Harry Potter existe em paralelo dentro do mundo real e contém versões mágicas de elementos comuns da vida cotidiana. Muitas de suas instituições e locais são reconhecíveis, tais como Londres.[12] O mundo bruxo é composto por uma coleção fragmentada de ruas escondidas, bares antigos, mansões e castelos solitários e isolados, que permanecem invisíveis para a população trouxa.[9]

Temática e conteúdo

Por ser uma série na qual cada livro equivale a cerca de um ano de vida do protagonista, seu conteúdo amadurece conforme Harry cresce. Os leitores que começaram a ler a saga ainda muito jovens também vão amadurecendo enquanto lêem. A estrutura da história, inclusive, torna-se mais complexa e sofisticada a cada volume. Os livros de Rowling se passam nos anos 1990, na Inglaterra "trouxa" moderna, com carros, telefones e videogames. Os problemas no mundo mágico são sólidos e reais como os do nosso mundo - preconceito, depressão, ódio, sacrifício, pobreza, morte.[13] "Harry vai para seu mundo mágico, e este é melhor que o mundo que ele deixou? "Só porque ele encontra pessoas melhores", explica Rowling.[14]

Um dos temas mais recorrentes ao longo da série é o amor, retratado como uma poderosa forma de magia. Dumbledore acredita que a capacidade de amar permitiu que Harry resistisse às tentações de poder de Voldemort em seu segundo encontro, não permitiu que o vilão se apossasse do corpo de Harry em seu quinto ano, e será responsável pela derrota final de Voldemort.[15][16]

Em contraste, outro tema importante é a morte. "Os meus livros abordam bastante a morte. Começam com a morte dos pais de Harry. Há a obsessão de Voldemort em derrotar a morte e conquistar a imortalidade a qualquer preço [...]. Eu percebo porque é que Voldemort quer conquistar a morte. Todos nós temos medo dela", disse Rowling. De fato, o nome de Voldemort significa "voo da morte" em Latim e Francês, e "roubar a morte" em Francês e Catalão. Os livros colocam o bem contra o mal e o amor contra a morte. A perseguição de Voldemort para evitar a morte, que inclui episódios como beber sangue de unicórnio e separar a sua alma através do uso de horcruxes, contrasta com o sacrifício de Lilian Potter, seu amor por Harry e a magia extraordinária que o seu gesto deixou nele, um sacrifício que Voldemort nunca poderá entender ou apreciar.[17]

Hall of Christ Church, Oxford
Hall da Christ Church em Oxford, Reino Unido, o local usado para representar o Grande Salão de Hogwarts.

O preconceito e a discriminação são também amplamente abordados ao longo dos livros. Harry aprende que existem feiticeiros sangue-puro (descendentes de famílias inteiramente bruxas) que abominam os sangue-ruim (bruxos que vieram de uma família inteiramente trouxa) e os consideram inferiores. O meio termo são os bruxos Mestiços, ou seja, que tem um dos pais trouxa (ou de família trouxa), e o outro pertencente à comunidade bruxa. Os mais preconceituosos dentro da comunidade mágica levam estas designações mais longe, utilizando-as como um sistema de graduação para ilustrar o valor de um feiticeiro, considerando os de Sangue-Puro como sendo superiores. Fora os preconceitos em relação aos humanos, existe um afastamento dos não-humanos e até parcialmente-humanos. Outro importante tema decorre são sobre as escolhas. Em Harry Potter e a Câmara Secreta, Dumbledore faz, talvez, sua mais importante declaração sobre o assunto: - "São as nossas escolhas, Harry, que revelam o que realmente somos, muito mais do que as nossas qualidades".[18] Dumbledore aborda esse tema novamente em Harry Potter e o Cálice de Fogo, quando diz a Cornelius Fudge que mais importante do que como se nasce, é o que a pessoa se torna ao crescer.[19]

Assim como para muitas personagens ao longo dos livros, o que Dumbledore considera "uma escolha entre o que está certo e o que é fácil", tem sido um marco na carreira de Harry Potter em Hogwarts e as suas escolhas estão entre as características que melhor o diferenciam de Voldemort. Tanto Harry como Voldemort foram órfãos criados em ambientes difíceis, fora o fato de partilharem características que incluem, como Dumbledore afirmou, "um raríssimo dom ofidioglota — sabedoria, determinação" e "um certo desapreço por regras".[18] Contudo, Harry, ao contrário de Voldemort, decidiu conscientemente adotar a amizade, a bondade e o amor, enquanto que Voldemort escolheu propositalmente rejeitá-los. Porém um fato, até então desconhecido, é abordado no sexto livro da história. Uma possível explicação para o fato de Voldemort ser tão violento e desumano. Somos apresentados a história da família Gaunt: Servolo, Morfino e Mérope Gaunt (esta última que mais tarde descobrimos ser mãe de Voldemort). Mérope é a caçula da família Gaunt e também a única mulher da família. Maltratada pelo pai e irmão, ela aparentemente não possui magia. Ela é secretamente apaixonada pelo trouxa Tomás Riddle. Depois de algum tempo ela resolve dar-lhe uma poção do amor fazendo com ele se "apaixonasse" por ela. Com o tempo o efeito da poção do amor acabou e Tomás se viu com uma mulher que não amava e então a abandonou, já grávida. A explicação que temos então é que por ser fruto de uma poção do amor, e não de uma relação que envolvia amor verdadeiro, Voldemort jamais sentiria amor, compaixão ou empatia.[20]

Enquanto que tais ideias sobre amor, preconceito e escolha estão, como afirma J.K. Rowling, "profundamente cravadas em todo o enredo", a autora prefere deixar que os temas "cresçam organicamente", em vez de conscientemente tentar transmitir essas ideias ao leitor. A amizade e a lealdade são talvez os temas mais "orgânicos" de todos, aparecendo principalmente na relação entre Harry, Ron e Hermione, relação essa que permite que estes assuntos se desenvolvam naturalmente à medida que os três personagens crescem, que a sua relação amadurece e que as suas experiências acumuladas em Hogwarts testem a fidelidade dos três amigos. Essas provas tornam-se progressivamente mais difíceis, acompanhando o tom cada vez mais escuro e misterioso dos livros e a natureza geral da adolescência.[21] Daniel Carvalho

Estrutura

A série Harry Potter é traçada sob uma longa tradição na literatura infantil inglesa - o ambiente dos internatos, um gênero da era Victoriana, no qual se destaca Tom Brown's Schooldays, de Thomas Hughes.[22] Mais adiante, trabalhos similarmente influentes da era Victoriana incluem os livros de Edith Nesbit, da qual Rowling tem frequentemente dito ser fã, glorificando Nesbit pelos seus personagens muito realistas e inovadores.[23]

Há uma clara influência de elementos menos específicos a um autor, como a mitologia e as lendas. Muitas dessas influências são mais notadas nas criaturas que habitam o universo de Rowling, como por exemplo, os dragões, fênix e hipogrifos. Além disso também nota-se a influência da astronomia, história, geografia, e idiomas (principalmente Latim), freqüentemente vistos nos cuidadosos nomes de personagens, lugares e feitiços no mundo bruxo. Do complexo '"Voldemort" ao onomatopéico "Grawp" (ou "Grope", o meio irmão gigante de Hagrid), Rowling cria nomes que geralmente contém muitos significados.[24]

Os livros também são, nas palavras de Stephen King, uma "perspicaz história de mistério". Cada livro é construído em um estilo de aventura misteriosa como as de Sherlock Holmes; os livros deixam um número de pistas escondidas na narrativa, enquanto os personagens perseguem suspeitos por locais exóticos, conduzindo a uma mudança repentina que muitas vezes reverte o que os personagens acreditavam. As histórias são contadas por um narrador em terceira pessoa com consciência limitada, com pouquíssimas exceções (o capítulo inicial de Harry Potter e a Pedra Filosofal e Harry Potter e o Cálice de Fogo, os dois primeiros de Harry Potter e o Enigma do Príncipe e o primeiro de Harry Potter e as Relíquias da Morte); o leitor descobre os segredos da história quando Harry o faz. Os pensamentos e planos de outros personagens, mesmo os centrais como Ron e Hermione, são mantidos escondidos até serem revelados à Harry.[25]

Histórico

Origem

Em 1990, J.K. Rowling estava em um trem indo de Manchester para Londres quando a ideia para Harry simplesmente "apareceu" em sua cabeça. Rowling conta sobre a experiência em seu website:

"Tenho escrito continuamente desde os seis anos de idade mas nunca estive tão excitada com uma ideia antes. [...] Eu simplesmente sentei e pensei, por quatro horas (trem atrasado), e todos os detalhes borbulharam em meu cérebro e este garoto de óculos e cabelos pretos que não sabia que era um bruxo tornou-se mais e mais real para mim.

Naquela noite, a autora começou a escrever seu primeiro romance, Harry Potter e a Pedra Filosofal, e um plano que incluía os enredos de cada uma dos sete livros, além de muita informação biográfica e histórica sobre seus personagens e universo. [27]

Nos seis anos seguintes, que incluíram o nascimento de sua primeira filha, o divórcio de seu primeiro marido e uma mudança para Portugal, Rowling continuou a escrever Pedra Filosofal. [28]

Publicação

Harry Potter wordmark
Logo usado pelas edições americana e brasileira até 2010

Quando finalmente terminou o volume, em 1996, ela enviou-o a um agente literário e, depois de oito editoras terem rejeitado o manuscrito, a Bloomsbury ofereceu a Rowling £ 3 mil adiantadas, e Pedra Filosofal foi publicado no ano seguinte.[29]

Apesar de Rowling declarar que não tinha nenhuma faixa etária em particular quando começou a escrever os livros de Harry Potter, suas editoras inicialmente direcionaram-nos a crianças com idade entre nove e onze anos. Às vésperas da publicação, as editoras pediram a Joanne Rowling que adotasse uma pseudônimo mais neutro em relação ao gênero, temendo que os meninos não se interessassem por um livro escrito por uma mulher. Ela escolheu usar J. K. Rowling (Joanne Kathleen Rowling), omitindo seu primeiro nome e usando o de sua avó com segundo nome. [30]

Após quase uma década da publicação do primeiro livro, Harry Potter alcançou muito sucesso em parte por causa de críticas positivas, estratégias de marketing de suas editoras, mas também pela propaganda boca-a-boca entre muitos leitores. As editoras de Rowling estiveram aptas a aumentar este fervor pelo lançamento rápido e sucessivo dos três primeiros livros, o que fez com que nem a excitação nem o interesse da audiência de Rowling caíssem.[31] A série também conquistou fãs adultos, fazendo com que, em muitos países, cada livro tivesse duas edições, assim como os audio-books,[32] com texto ou áudio idênticos, mas com capas diferentes, uma delas direcionada a crianças e a outra, a adultos.

Tradução

RIAN archive 168852 The seventh book about Harry Potter goes on sale
Edição russa de Harry Potter e as Relíquias da Morte à venda em Moscou em 2007

A série foi traduzida em 67 línguas,[2][33] colocando Rowling entre os autores mais traduzidos na história.[34] Os livros têm traduções para os mais diversos idiomas, como ucraniano, árabe, urdu, hindi, bengali, escocês, africâner, albanês, letão e vietnamita. O primeiro volume foi traduzido para o latim e o grego antigo,[35] tornando-o o mais longo trabalho publicado em grego antigo desde os romances de Heliodoro de Emesa no século III dC.[36]

Alguns dos tradutores contratados para trabalhar nos livros eram autores bem conhecidos antes de seu trabalho em Harry Potter, como Viktor Golyshev, que supervisionou a tradução russa do quinto livro da série. Por razões de sigilo, a tradução de um determinado livro da série só pode começar depois de ele ter sido lançado em inglês, o que levava a um atraso de vários meses antes das traduções estarem disponíveis. Isto levou que mais e mais cópias de edições em inglês fossem vendidas para fãs impacientes em países que não falam inglês; por exemplo, tal era o clamor para ler o quinto livro que a edição em Inglês tornou-se o primeiro livro anglófono no topo da lista de best-sellers na França.[37]

As traduções de Portugal e do Brasil são distintas. Aqui deixa-se uma tabela de correspondência entre os principais nomes nas duas versões, para desfazer eventuais confusões. Na primeira coluna está o nome original em inglês, seguido da versão brasileira e, por fim, da portuguesa. De fato, a tradutora brasileira, Lia Wyler, criou vários termos para a tradução, como Quadribol, por exemplo, usado apenas no Brasil. Por conta disso foi muito elogiada pela própria Rowling, que inclusive auxiliou na escolha do título do sexto livro para o Brasil, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, embora, traduções de nome próprios sejam desaconselhadas e até mesmo condenadas por muitos escritores, tradutores, linguistas e leitores. Um destaque que mostra bem como as traduções podem mudar radicalmente o nome do personagem, apesar de ter lógica, fica para o personagem Gui Weasley, cujo nome original é "Bill Weasley", aparentemente completamente diferente, mas como "Bill" é apelido para "William", e William em português é "Guilherme", o nome final "Gui Weasley" tem sentido.[38]

Conclusão

Em dezembro de 2005, Rowling afirmou em seu web site, "2006 será o ano em que eu vou escrever o livro final da série Harry Potter."[39] O livro foi concluído em 11 de janeiro de 2007, no Balmoral Hotel, Edimburgo, Escócia, onde ela rabiscou uma mensagem na parte traseira de um busto de Hermes, dizendo: "JK Rowling terminou de escrever Harry Potter e as Relíquias da Morte neste quarto (552) em 11 de janeiro de 2007."[40] A própria Rowling afirmou que o último capítulo do último livro (na verdade, o epílogo) foi concluído "em torno de 1990".[41][42]

Recepção

Críticas literárias

Cedo em sua história, Harry Potter recebeu muitas críticas positivas, que ajudaram a aumentar rapidamente o número de leitores da série. Seguindo o lançamento de Ordem da Fênix em 2003, entretanto, os livros receberam fortes críticas de autores e acadêmicos reconhecidos. A crítica A. S. Byatt escreveu um editorial no jornal The New York Times onde dizia que a série era "Uma colcha de retalhos inteligente de ideias recolhidas de todo o tipos de literatura infantil [...], escrita para pessoas cuja imaginação está confinada aos desenhos animados da TV, e aos exagerados [...] mundos-espelho das novelas, reality shows e fofoca de celebridades". Byatt afirma que a aceitação pelos leitores desta "manipulação derivativa de ideias anteriores" nos adultos provem do desejo de regressar aos seus "próprios desejos e esperanças infantis" e nos jovens, "o poderoso apelo da fantasia de escape e engrandecimento, combinados com o facto das histórias serem agradáveis, engraçadas, e assustadoras o bastante". O resultado final seriam "estudos culturais, que se interessam tanto com o êxito e popularidade como com o mérito literário."[43]

O crítico literário Harold Bloom também atacou o valor literário de Potter, dizendo que a "Mente de Rowling é tão governada por clichês e metáforas mortas que ela não tem estilo de escrita" Além disso, Bloom discorda com a noção comum de que Harry Potter foi algo bom para a literatura por encorajar as crianças a ler.[44]

Harry Potter Türkiye Kitaplar
Todas as edições anglófonas de Harry Potter

Charles Taylor, da revista eletrônica Salon.com, rebate críticas como a de Byatt. Mesmo admitindo que Byatt pode ter "Uma opinião cultural válida — uma pequena opinião — sobre os impulsos que nos levam a reafirmar o lixo pop e nos afastam das incômodas complexidades da arte", ele rejeita sua afirmação que a série não apresenta méritos literários sérios, alcançando seu sucesso devido somente ao retorno à segurança da infância que ela oferece. Taylor enfatizou o progressivo tom negro dos livros, mostrado pelo assassinato de um colega e amigo próximo e resultando em feridas psicológicas e isolação social. Taylor também apontou que Harry Potter e a Pedra Filosofal, que muitos dizem ser o livro mais leve dos seis publicados, perturba a segurança da infância que, segundo Byatt, impulsiona o sucesso da série: o livro começa com um duplo assassinato, por exemplo. Taylor cita a "Cena devastadora na qual Harry encontra um espelho que revela o mais verdadeiro desejo do coração e, olhando para ele, vê a si próprio feliz e sorrindo com os pais que ele nunca conheceu, uma visão que dura somente enquanto ele olha para o espelho, e uma metáfora de o quão passageiros são os nossos momentos de verdadeira felicidade", então pergunta se "essa é a ideia de segurança de Byatt?". Taylor conclui que o sucesso de Rowling entre crianças e adultos é "porque J.K. Rowling é uma mestra da narrativa."[45]

Stephen King concordou com Taylor chamando a série de "Um feito do qual somente uma imaginação superior é capaz", e declarando que o humor de Rowling é "memorável". Porém, ele escreveu que, apesar de a história ser boa, ele está "Um pouco cansado em descobrir que Harry vive na casa com seus horríveis tios", a introdução de cada um dos seis livros publicados até então.[25] Ele prediz, ainda, que Harry Potter "Passará pelo teste de tempo e irá para uma prateleira onde somente os melhores são mantidos [...]. Essa é uma série não só para uma década, mas para eras".

Impacto cultural

Harry Potter Platform Kings Cross
"Plataforma 9¾" na Estação King's Cross, em Londres

Desde a publicação de Harry Potter e a Pedra Filosofal, algumas tendências sociais vêm sendo atribuídas à série. Em 2005, médicos do Hospital John Radcliffe, em Oxford, relataram que uma pesquisa realizada nos finais de semana de 21 de Junho de 2003 e de 16 de Julho de 2005, as datas de lançamento dos dois livros mais recentes, descobriu que apenas 36 crianças necessitaram de assistência médica por acidentes, ao contrário de outros finais de semana pesquisados.[46]

Evidências anedóticas como essa sugerem um aumento do hábito de ler entre crianças por causa de Harry Potter, que foram confirmadas em 2006 quando uma pesquisa do Kids and Family Reading Report (Relatório da leitura infantil e familiar) e da editora americana da série, Scholastic, revelou que 51% dos leitores de Harry Potter com idade entre 5 e 17 anos disseram que não liam livros por diversão antes de começarem a ler Harry Potter, e que agora o fazem. O estudo relatou ainda que, de acordo com 65% dos filhos e 76% dos pais, o desempenho escolar das as crianças melhorou desde que começaram a ler a série.[47]

Os livros se tornaram importante ferramenta no estímulo à leitura, sendo usados em escolas e, inclusive, no ambiente familiar, para se discutir assuntos da atualidade ou da história mundial. Preconceito, censura e corrupção são alguns exemplos de temáticas que podem ser abordadas com as crianças a partir da série.[48] O poder de aprendizagem por Harry Potter é tamanho que, em 2008, os livros passaram a fazer parte das salas de leitura de 4.200 escolas de 5ª a 8ª do Ensino Fundamental e de Ensino Médio do estado de São Paulo, a fim de despertar o interesse pela leitura dos jovens estudantes.[49]

Potter queue
Uma multidão em uma livraria da Califórnia esperando pelo lançamento oficial de "Harry Potter e as Relíquias da Morte".

Também notável é o desenvolvimento de uma grande massa de seguidores. A ansiedade desse fãs pelo último lançamento da série fez com que livrarias em todo o mundo fizessem festas para coincidir com o lançamento à meia-noite dos livros, começando em 2000 com a publicação de Harry Potter e o Cálice de Fogo. Esses eventos, geralmente incluindo jogos, pintura facial, concurso de fantasias, etc., alcançaram grande popularidade entre os fãs de Potter e foram muito bem sucedidos ao atrair fãs e vender quase 9 milhões dos 10,8 milhões de livros da tiragem inicial de Harry Potter e o Enigma do Príncipe nas primeiras 24 horas após o lançamento.[50][51]

Outro impacto mais penetrante é a introdução da palavra "muggle" (trouxa) na língua inglesa. A palavra expandiu seu significado fora do contexto original, e foi aceita no Dicionário de Inglês Oxford como "uma pessoa que carece de um conhecimento ou conhecimentos em particular, ou que é considerada inferior de alguma forma".[52]

Prêmios e honrarias

A série Harry Potter tem recebido vários prêmios desde a publicação inicial de A Pedra Filosofal incluindo quatro Whitaker Platinum Book Awards (todos os quais foram concedidos em 2001),[53] três Nestlé Smarties Book Prizes (1997-1999),[54] dois Scottish Arts Council Book Awards (1999 e 2001),[55] entre outros. Em 2000, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban foi indicado para o Prêmio Hugo de Melhor Romance e, em 2001, Harry Potter e o Cálice de Fogo venceu.[56] Honrarias incluem um elogio para a Medalha Carnegie (1997),[57] o Children's Fiction Prize do The Guardian (1998), e inúmeras listas de melhores livros da American Library Association, The New York Times, Chicago Public Library e Publishers Weekly.[58]

Um estudo de 2004 descobriu que livros da série eram comumente lidos em voz alta em escolas de ensino fundamental do Condado de São Diego na Califórnia, Estados Unidos.[59] Com base em uma pesquisa on-line de 2007, a Associação Nacional de Educação dos Estados Unidos listou a série em sua lista de "100 Melhores Livros para Crianças".[60] Três dos livros (Pedra Filosofal, Prisioneiro de Azkaban e Cálice de Fogo) estavam entre os melhores livros de todos os tempos em uma pesquisa 2012 do School Library Journal.[61]

Controvérsias

Os livros têm sido alvo de uma série de processos judiciais, decorrentes de reivindicações de grupos cristãos estadunidenses que alegavam que a magia nos livros promove a Wicca e a bruxaria entre as crianças, ou por conta de vários conflitos sobre violações de direitos autorais e marcas registradas. O valor de mercado e a elevada popularidade da série levaram Rowling, seus editores e distribuidora de filmes Warner Bros a tomar medidas legais para proteger seus direitos autorais, que incluíram a proibição da venda de imitações de Harry Potter, tendo como alvo os proprietários de sites com o domínio "Harry Potter" e processou o autor Nancy Stouffer por suas acusações de que Rowling teria plagiado seu trabalho.[62][63][64] Vários religiosos conservadores afirmaram que os livros promovem bruxaria e religiões como o Wicca e são, portanto, inadequado para crianças,[65][66] enquanto críticos têm apontado que para a série promove diversas agendas políticas.[67][68]

Os livros também despertaram controvérsias no mundo literários. Em 1997 a 1998, Harry Potter e a Pedra Filosofal ganhou quase todos os prêmios do Reino Unido julgados por crianças, mas nenhum dos prêmios livro infantil julgado por adultos,[69] e Sandra Beckett sugeriu o motivo disto era o esnobismo intelectual para livros que eram populares entre crianças.[70] Em 1999, o Costa Book Awards introduziu o livro pela primeira vez na sua lista para o prêmio principal e um juiz ameaçou pedir demissão se Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban fosse declarada o vencedor; ele terminou em segundo lugar, muito perto do vencedor do prêmio de poesia, tradução de Seamus Heaney do épico anglo-saxão Beowulf.[70]

Em 2000, pouco antes da publicação de Harry Potter e o Cálice de Fogo, os três livros anteriores da série superaram a lista de best-sellers de ficção do The New York Times e um terço das obras listadas eram de livros infantis. O jornal criou uma nova seção infantil cobrindo livros infantis, incluindo ficção e não-ficção, e, inicialmente, considerou apenas as vendas de capa dura. O movimento foi apoiado por editores e livreiros.[71] Em 2004, o New York Times dividiu ainda mais a lista infantil, que ainda era dominada por livros de Harry Potter em seções para séries e livros individuais, e removeu os livros da série da seção para livros individuais.[72] A divisão em 2000 atraiu condenação, louvor e alguns comentários que apresentaram ambos os benefícios e desvantagens de movimento.[73] O Times sugeriu que, no mesmo princípio, a Billboard deveria então ter criado uma lista separada de "mop-tops" em 1964, quando os Beatles estavam nos cinco primeiros lugares da sua lista, e a Nielsen deveria ter criado uma lista de game-shows separada quando Quem Quer Ser um Milionário? dominou as avaliações.[74]

Adaptações

A enorme popularidade da série Harry Potter traduziu-se em um substancial sucesso financeiro para Rowling, suas editoras e outros proprietários de licenças relacionadas a Harry Potter. Os livros venderam mais de 450 milhões de cópias no mundo todo e também deram origem a adaptações cinematográficas muito populares, produzidas pela Warner Bros, sendo a primeira, Harry Potter e a Pedra Filosofal, na décima-quarta posição no ranking de filmes de maior bilheteria de todos os tempos, e Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2 em quarto neste mesmo ranking, com os outros seis filmes entre os 40 primeiros lugares.[75]

Os livros foram transformados em cinco vídeo games e, incluindo os jogos e filmes, deram origem a mais de 400 produtos adicionais de Harry Potter (incluindo um iPod), que fizeram, em Julho de 2005, a marca Harry Potter ser estimada em 4 bilhões de dólares e J. K. Rowling uma bilionária em termos de dólares americanos, tornando-a, segundo alguns, mais rica que a Rainha Elizabeth II.[76][77]

Cinema

Daniel Radcliffe, Emma Watson & Rupert Grint colour
Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint na premiere de Harry Potter and the Deathly Hallows: Part 2

Em 1999, Rowling vendeu os direitos de filmagem do primeiro livro de Harry Potter para a Warner Bros. por cerca de 1 milhão de libras esterlinas.[78] A maior exigência de Rowling foi que o elenco principal permanecesse estritamente britânico.[79] Embora Steven Spielberg estivesse inicialmente nas negociações para dirigir o primeiro filme, ele se recusou. Ele queria o filme como uma animação, com Haley Joel Osment para a voz de Harry Potter. Por algum tempo, especulou-se que isto foi devido a um difícil relacionamento com Rowling e ao desgosto de Spielberg em relação a um elenco totalmente britânico. Contudo, Spielberg afirmou que, em sua opinião, seria "simples como retirar um bilhão de dólares e colocá-lo em um banco pessoal de contas. Não existe desafio." [80]

Na seção Rubbish Bin (lata de lixo) de seu website, Rowling mantém que ela não tinha papel na escolha de Spielberg dizendo: "Alguém que ache que eu poderia (ou deveria) tê-lo vetado, precisa de uma revisão na sua Pena de Repetição Rápida".[81] No fim, Chris Columbus dirigiu os primeiros dois filmes, Harry Potter e a Pedra Filosofal e Harry Potter e a Câmara Secreta, Alfonso Cuarón, o terceiro (Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban), e Mike Newell, o quarto (Harry Potter e o Cálice de fogo). O quinto, Harry Potter e a Ordem da Fênix, foi filmado e finalizado pelo diretor David Yates.[82]

The Great Hall, Hogwarts
Set de filmagem do Grande Salão de Hogwarts, nos estúdios da Warner Bros em Londres
Diagon Alley-geograph.org.uk-3264063
Beco Diagonal nos estúdios da Warner Bros

A primeira escolha de Rowling para diretor foi Terry Gilliam, mas o envolvimento de Columbus como roteirista no filme de 1985 Young Sherlock Holmes (Jovem Sherlock Holmes) encorajou a Warner Bros. a selecioná-lo. Reminiscente da série Harry Potter, Young Sherlock Holmes inclui três protagonistas que têm a uma forte semelhança com Harry, Rony e Hermione da descrição de Rowling. Eles investigaram um mistério sobrenatural nos limites de um colégio interno gótico. Cenas do filme foram usadas na seleção do elenco do primeiro filme de Harry Potter.[83]

Em 2000, os atores virtualmente desconhecidos Daniel Radcliffe, Emma Watson, e Rupert Grint foram selecionados em milhares de audições para interpretar os papéis de Harry Potter, Hermione Granger, e Ron Weasley, respectivamente.[84] Eles retornaram aos seus papéis no quinto filme.[85]

Outros notáveis personagens retratados no mundo de Harry Potter incluem Robbie Coltrane como Hagrid, Alan Rickman como Severus Snape, Tom Felton como Draco Malfoy, Maggie Smith como Minerva McGonagall, Richard Harris e Michael Gambon como Alvo Dumbledore (Gambon assumiu o papel a partir do terceiro filme depois da morte de Harris em 2002). Cada um interpretou seu personagem para "Ordem da Fênix" em companhia de Jason Isaacs como Lucius Malfoy, Gary Oldman como Sirius Black, e Ralph Fiennes como Lord Voldemort.[86]

Os quatro primeiros filmes foram roteirizados por Steve Kloves, com a assistência direta de Rowling, apesar de ela ter dado muitas liberdades ao roteirista.[87] No quinto filme o enredo foi escrito por Michael Goldenberg,[88] mas Steve Kloves voltou para o sexto filme.[89]

Assim, o enredo e o tom de cada filme e seu livro correspondente são virtualmente os mesmos com algumas mudanças e omissões pelo propósito do estilo cinematográfico e tempo restrito. Apesar dessas mudanças, Rowling afirma que as adaptações de Kloves são "fiéis aos livros".[21]

O quinto filme Harry Potter, A Ordem da Fênix foi lançado no dia 11 de Julho de 2007, o sexto, O Enigma do Príncipe, estreou 15 de julho de 2009,[90] e o sétimo, "As Relíquias da Morte - Parte I" foi lançado no dia 19 de novembro de 2010,[91] que arrecadou 125,1 milhões de dólares apenas em seu primeiro fim de semana nos Estados Unidos e 330,1 milhões de dólares ao redor do mundo.[92]

Conclusão

HPatDH - Panache - Lynch reading
Evanna Lynch lendo durante as filmagens de Harry Potter and the Deathly Hallows em Pembrokeshire, maio de 2009.

As versões para cinema de Harry Potter encerraram-se com o livro Harry Potter e as Relíquias da Morte, que foi dividido em dois filmes de mais de 2 horas de duração cada um. O segundo, Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II, foi lançado no dia 15 de julho de 2011, tornando-se a maior bilheteria da série e a 3ª maior bilheteria da história do cinema.[93]

Em Junho de 2006, Rowling, anunciou no talk show britânico Richard & Judy que o capítulo fora modificado, e que um personagem "teve uma segunda chance" e dois outros que anteriormente sobreviveriam foram, afinal, mortos. Ela também disse que podia ver a lógica em "matar" Harry para evitar que outros escritores escrevessem sobre a vida dele após Hogwarts.[94]

Quanto a existência de outros livros de Harry Potter além do sétimo, Rowling disse que iria escrever mais um livro, mas que ela não continuará a vida de Harry e seus amigos. O próximo livro seria uma espécie de enciclopédia sobre o mundo dos bruxos, contendo ideias e fragmentos de informação que não foram relevantes o suficiente para entrar na trama dos livros um epílogo,[95] ou um livro com outro protagonista no papel central, pois a autora acredita que já contou a história de Harry Potter.[96] Ela também disse que não irá escrever qualquer tipo de prequela para seus livros, já que, com o sétimo livro, toda a história anterior necessária já foi revelada.[97] Apesar disso, em uma entrevista concedida ao programa Oprah, a autora revela que, apesar de não ter intenção de continuar com novas histórias de Harry, não dirá que "nunca" escreverá uma nova sequência.[98]

Os filmes de Harry Potter se tornaram a maior franquia cinematográfica da história. Arrecadando em bilheterias aproximadamente 7,7 bilhões de dólares; deixando em segundo lugar, os 22 filmes do agente James Bond que arrecadaram cerca 5 bilhões de dólares. Em terceiro lugar, ficou a famosa série Star Wars, com arrecadação de cerca de 4,5 bilhões de dólares.[99]

Jogos

Há onze jogos eletrônicos de Harry Potter, oito dos quais correspondem aos filmes e livros e outros três spin-offs. Os jogos baseado nos filmes/livros são produzidos pela Electronic Arts, como era Harry Potter: Quidditch World Cup, com a versão do jogo da primeira entrada na série, Harry Potter and the Philosopher's Stone, lançado em novembro de 2001 e que se tornou um dos melhores jogos de PlayStation de todos os tempos.[100] Os jogos eram liberados para coincidir com os filmes, contendo paisagens e detalhes dos filmes, bem como o tom e o espírito dos livros. Os objetivos geralmente ocorrem em torno Hogwarts, juntamente com várias outras áreas mágicas. A história e o design dos jogos segue a caracterização da série de filmes; a EA trabalhou em estreita colaboração com a Warner Bros para incluir as cenas dos filmes. O último jogo da série, Deathly Hallows, foi dividido entre a Parte 1, lançada em novembro de 2010, e a Parte 2, que estreou em consoles em julho de 2011. Os outros jogos spin-offs, Lego Harry Potter: Years 1-4 e Lego Harry Potter: Years 5-7 são desenvolvidos pela Traveller's Tales e publicados pela Warner Bros Interactive Entertainment.[101][102]

Audiolivros

Todos os sete livros de Harry Potter foram lançados em versões de audiolivros integrais, com Stephen Fry lendo para os ouvintes no Reino Unido e Jim Dale expressando a série para as edições dos Estados Unidos.[103][104]

Teatro

Em 20 de dezembro de 2013, J. K. Rowling anunciou que estava trabalhando em uma peça de teatro baseada em Harry Potter para a qual ela seria uma das produtoras. Em seu depoimento, a autora disse que a peça vai "explorar a história anterior dos primeiros anos de Harry como um órfão". Os produtores teatrais britânicos Sonia Friedman e Colin Callender seriam os co-produtores.[105][106]

Em 26 de junho de 2015, no aniversário da estreia do primeiro livro, Rowling revelou via Twitter que a peça de teatro de Harry Potter seria chamada Harry Potter and the Cursed Child.[107] A produção abriu no verão de 2016 no Palace Theatre, em Londres.[108]

Ver também

Referências

  1. Allsobrook, Dr. Marian (18 de junho de 2003). «Potter's place in the literary canon». BBC News. Consultado em 15 de outubro de 2007
  2. a b «Rowling 'makes £5 every second'». British Broadcasting Corporation. 3 de outubro de 2008. Consultado em 17 de outubro de 2008
  3. TIME staff (31 de julho de 2013). «Because It's His Birthday: Harry Potter, By the Numbers». Time. Cópia arquivada em 1 de agosto de 2013
  4. Sources that refer to the many genres, cultural meanings and references of the series include:
  5. Greig, Geordie (11 de janeiro de 2006). «'There would be so much to tell her...'». The Daily Telegraph. Londres. Consultado em 4 de abril de 2007
  6. Lizo Mzimba (28 de julho de 2008). «Interview with Steve Kloves and J.K. Rowling». Quick Quotes Quill. Cópia arquivada em 13 de maio de 2010
  7. Thompson, Susan (2 de abril de 2008). «Business big shot: Harry Potter author JK Rowling». The Times. London. Consultado em 14 de julho de 2009
  8. Lemmerman, Kristin (14 de julho de 2000). «Review: Gladly drinking from Rowling's 'Goblet of Fire'». CNN. Consultado em 28 de setembro de 2008
  9. a b «A Muggle's guide to Harry Potter». BBC News. 28 de maio de 2004. Consultado em 22 de agosto de 2008
  10. Hajela, Deepti (14 de julho de 2005). «Plot summaries for the first five Potter books». SouthFlorida.com. Consultado em 29 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 15 de maio de 2010
  11. Foster, Julie (outubro de 2001). «Potter books: Wicked witchcraft?». Koinonia House. Consultado em 15 de maio de 2010
  12. Farndale, Nigel (15 de julho de 2007). «Harry Potter and the parallel universe». The Daily Telegraph. London. Consultado em 28 de setembro de 2008
  13. «Harry Potter Works His Magic Again in a Far Darker Tale»
  14. «J.K. Rowling Hogwarts And All»
  15. Rowling, J.K. (2003). Harry Potter e a Ordem da Fênix (edição Portuguesa). [S.l.: s.n.] 681 páginas
  16. Rowling, J.K. (2005). Harry Potter e o Principe Misterioso (edição Portuguesa). [S.l.: s.n.] 399 páginas
  17. "There would be so much to tell her ..." (Haveria tanto para contá-la ...) The Daily Telegraph. Acessado em 29 de Junho de 2006.
  18. a b Rowling, J.K. (2000). Harry Potter e a Câmara Secreta (edição brasileira). [S.l.: s.n.] 280 páginas
  19. Rowling, J.K. (2000). Harry Potter e o Cálice de Fogo (edição Portuguesa). [S.l.: s.n.] 562 páginas
  20. J.K Roling (2005). «Harry Potter e O Enigma Do Príncipe». Rocco
  21. a b «Mzimba, Lizo, moderator. Interview with Steve Kloves and J.K. Rowling (Mzimba, Lizo, moderador. Entrevista com Steve Kloves e J.K. Rowling)». Quick Quotes Quill. Fevereiro de 2003
  22. "J. K. Rowling", por Leslie Ellen Jones, NoveList/EBSCO Publishing, 2003, acessado em 9 de Setembro de 2005
  23. «J K Rowling at the Edinburgh Book Festival»
  24. «Origem dos Nomes em Harry Potter»
  25. a b «"Wild About Harry (Louco por Harry)"». New York Times. 23 de julho de 2000
  26. Rowling, J.K. «Biography (Biografia)». JKRowling.com. Consultado em 21 de maio de 2006
  27. «J.K. Rowling interview transcript, The Connection (Transcrição de entrevista com J.K. Rowling)». Quick Quote Quill. 12 de Outubro de 1999
  28. «Barnes & Noble.com». Arquivado do original em 11 de março de 2007
  29. Lawless, John. «Nigel Newton». BusinessWeek Online. Consultado em 9 de setembro de 2006
  30. Savill, Richard. «Harry Potter and the mystery of J K's lost initial (Harry Potter e o mistério da inicial perdida de J K)». The Daily Telegraph. Consultado em 9 de setembro de 2006. Arquivado do original em 7 de setembro de 2006
  31. «Books' Hero Wins Young Minds (Herói de livros ganha jovens mentes)». The New York Times. 12 de Julho de 1999
  32. «Capa dos Áudio-books»
  33. Dammann, Guy (18 de junho de 2008). «Harry Potter breaks 400m in sales». Londres: Guardian News and Media Limited. Consultado em 17 de outubro de 2008
  34. KMaul (2005). «Guinness World Records: L. Ron Hubbard Is the Most Translated Author». The Book Standard. Consultado em 19 de julho de 2007. Arquivado do original em 8 de março de 2008
  35. Wilson, Andrew (2006). «Harry Potter in Greek». Andrew Wilson. Consultado em 28 de julho de 2008
  36. Castle, Tim (2 de dezembro de 2004). «Harry Potter? It's All Greek to Me». Reuters. Consultado em 28 de julho de 2008. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2008
  37. Staff Writer (1 de julho de 2003). «OOTP is best seller in France – in English!». BBC News. Consultado em 28 de julho de 2008
  38. «Potterish: Entrevista - Lia Wyler - Omelete 6 de dezembro de 2005»
  39. «J.K.Rowling Official Site. Section: Welcome!». 25 de dezembro de 2005. Consultado em 18 de julho de 2011. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2005
  40. «Potter author signs off in style». BBC News. 2 de fevereiro de 2007. Consultado em 5 de janeiro de 2010
  41. «Rowling to kill two in final book». BBC News. 27 de junho de 2006. Consultado em 25 de julho de 2007
  42. «Harry Potter and Me». BBC News. 28 de dezembro de 2001. Consultado em 12 de setembro de 2007
  43. «Harry Potter and the Childish Adult (Harry Potter e o adulto infantilizado)». New York Times. 7 de Julho de 2003
  44. Bloom, Harold. «Dumbing down American readers (Calando os leitores americanos)». Boston.com. Consultado em 20 de junho de 2006
  45. «A. S. Byatt and the goblet of bile (A.S. Byatt e o cálice de bile)». Salon.com. 8 de Julho de 2003 [ligação inativa]
  46. «Reading 'cuts childhood injuries' (Leitura corta acidentes infantis)». BBC News. 23 de dezembro de 2005
  47. «New Study Finds That the Harry Potter Series Has a Positive Impact on Kids' Reading and Their School Work (Novo estudo descobre que a série Harry Potter tem um impacto positivo ma leitura e no desempenho escolar da crianças)». Yahoo! News. 25 de Julho de 2006
  48. 7 ideias para aproveitar Harry Potter: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/7-ideias-aproveitar-harry-potter-633708.shtml Arquivado em 5 de novembro de 2011, no Wayback Machine.
  49. Harry Potter na escola: http://educarparacrescer.abril.com.br/leitura/harry-potter-escola-485213.shtml Arquivado em 28 de março de 2013, no Wayback Machine.
  50. «Harry Potter casts spell at checkouts (Harry Potter lança feitiço nos caixas)». Times Online. 18 de julho de 2005
  51. «Potter book smashes sales records (Livro de Potter quebra recordes de vendas)». BBC. 18 de julho de 2005
  52. «'Muggle' Goes into Oxford English Dictionary ('Muggle' vai para o Dicionário de Inglês Oxford)». CBBC Newsround. 24 de Março de 2003
  53. «Book honour for Harry Potter author». BBC News. 21 de setembro de 2001. Consultado em 28 de setembro de 2008
  54. «JK Rowling: From rags to riches». BBC News. 20 de setembro de 2008. Consultado em 28 de setembro de 2008
  55. «Book 'Oscar' for Potter author». BBC News. 30 de maio de 2001. Consultado em 28 de setembro de 2008
  56. «Moviegoers get wound up over 'Watchmen'». MSNBC. 22 de julho de 2008. Consultado em 28 de setembro de 2008
  57. «Harry Potter beaten to top award». BBC News. 7 de julho de 2000. Consultado em 28 de setembro de 2008
  58. Levine, Arthur (2001–2005). «Awards». Arthur A. Levine Books. Consultado em 21 de maio de 2006. Arquivado do original em 29 de abril de 2006
  59. Fisher, Douglas; et al. (2004). «Interactive Read-Alouds: Is There a Common Set of Implementation Practices?» (PDF). The Reading Teacher. 58 (1): 8–17. doi:10.1598/RT.58.1.1. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original (PDF) em 7 de dezembro de 2013
  60. National Education Association (2007). «Teachers' Top 100 Books for Children». Consultado em 19 de agosto de 2012
  61. Bird, Elizabeth (7 de julho de 2012). «Top 100 Chapter Book Poll Results». School Library Journal "A Fuse No. 8 Production" blog. Consultado em 19 de agosto de 2012. Arquivado do original em 13 de julho de 2012
  62. «SScholastic Inc, J.K. Rowling and Time Warner Entertainment Company, L.P, Plaintiffs/Counterclaim Defendants, -against- Nancy Stouffer: United States District Court for the Southern District of New York». ICQ. 17 de setembro de 2002. Consultado em 12 de junho de 2007
  63. McCarthy, Kieren (2000). «Warner Brothers bullying ruins Field family Xmas». The Register. Consultado em 3 de maio de 2007
  64. «Fake Harry Potter novel hits China». BBC News. 4 de julho de 2002. Consultado em 11 de março de 2007
  65. Reading Harry Potter: critical essays – Page 54, Giselle Liza Anatol – 2003
  66. Olsen, Ted. «Opinion Roundup: Positive About Potter». Cesnur.org. Consultado em 6 de julho de 2007
  67. Bonta, Steve (28 de janeiro de 2002). «Tolkien's Timeless Tale». The New American. 18 (2)
  68. Liddle, Rod (21 de julho de 2007). «Hogwarts is a winner because boys will be sexist neocon boys». The Times. Londres. Consultado em 17 de agosto de 2008
  69. Eccleshare, J. (2002). «The Publishing of a Phenomenon». A guide to the Harry Potter novels. [S.l.]: Continuum International. pp. 7–14. ISBN 0-8264-5317-1. Consultado em 15 de maio de 2009
  70. a b Beckett, S.L. (2008). «Child-to-Adult Crossover Fiction». Crossover Fiction. [S.l.]: Taylor & Francis. pp. 112–115. ISBN 0-415-98033-X. Consultado em 16 de maio de 2009
  71. Smith, Dinitia (24 de junho de 2000). «The Times Plans a Children's Best-Seller List». The New York Times. Consultado em 30 de setembro de 2008
  72. Garner, D. (1 de maio de 2008). «Ten Years Later, Harry Potter Vanishes From the Best-Seller List». The New York Times. Consultado em 16 de maio de 2009
  73. Bolonik, K. (16 de agosto de 2000). «A list of their own». Salon.com. Consultado em 16 de maio de 2009. Arquivado do original em 4 de maio de 2009
  74. Corliss, R. (21 de julho de 2000). «Why 'Harry Potter' Did a Harry Houdini». Time. Consultado em 16 de maio de 2009
  75. «Potter book sales top 300 million (Vendas dos livros de Potter ultrapassam 300 milhões)». BBC. 4 de Outubro de 2005
  76. «J.K. Rowling Richer than the Queen J.K. Rowling mais rica que a rainha». BBC. 27 de Abril de 2003
  77. «Harry Potter Brand Wizard (Harry Potter especialista em marcas)». Business Week. 21 de julho de 2005
  78. «WiGBPd About Harry». Australian Financial Review. 19 de julho de 2000
  79. «Harry Potter and the Philosopher's Stone (Harry Potter e a Pedra Filosofal)». Guardian Unlimited. 16 de Novembro de 2001
  80. «For Spielberg, making a Harry Potter movie would have been no challenge (Para Spielberg, fazer um filme de Harry Potter não teria sido um desafio)». Hollywood.com. 5 de Setembro de 2001. Cópia arquivada em 29 de junho de 2012
  81. Rowling, J.K. «Rubbish Bin: J K Rowling 'veto-ed Steven Spielberg (Lata de lixo: J K Rowling vetou Steven Spielberg)». J.K. Rowling.com. Consultado em 20 de junho de 2006. Arquivado do original em 8 de fevereiro de 2012
  82. «David Yates to Direct Harry Potter and the Order of the Phoenix for Warner Bros. Pictures (David Yates dirigirá Harry Potter e a Ordem da Fênix para a Warner Bros. Pictures)». Time Warner. 19 de janeiro de 2005
  83. «IGN: Trouble Brewing with Potter Casting? (Problemas com a seleção do elenco de Potter?)». ign.com. Consultado em 7 de Janeiro de 2006
  84. «Press Release: Radcliffe, Grint, and Watson Selected (Boletim à imprensa: Radcliffe, Grint e Watson selecionados)». Warner Brothers. 21 de Agosto de 2000
  85. «Harry Potter and the Order of the Phoenix commences production (Início da produção de Harry Potter e a Ordem da Fênix)». Warner Brothers: Daily Prophet. 2 de Fevereiro de 2006
  86. «Harry Potter and the Order of the Phoenix (Harry Potter e as Ordem da Fênix)». IMDB.com
  87. «Mzimba, Lizo, moderator. Interview with Steve Kloves and J.K. Rowling (Mzimba, Lizo, moderador. Entrevista com Steve Kloves e J.K. Rowling)». Quick Quotes Quill. 3 de Fevereiro de 2003
  88. «Página de Michael Goldenberg no Potterish»
  89. «Potterish - Steve Kloves fala sobre a adptação de EdP»
  90. «Confirmed: HBP movie release date (Confirmada: data de lançamento do filme Enigma do Prícipe)». MuggleNet. 4 de agosto de 2006
  91. Potterish (19 de novembro de 2010). «Em cartaz: Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1!»
  92. Potterish. «Relíquias da Morte 1 arrecada $61.2 milhões em seu primeiro dia»
  93. Último Segundo (9 de agosto de 2011). «Último "Harry Potter" é a terceira maior bilheteria da história». Consultado em 9 de agosto de 2011. Arquivado do original em 4 de abril de 2012
  94. «JKR On Richard & Judy – Transcript (JKR em Richard & Judy – Transcrição)». Mugglenet.com. Consultado em 29 de junho de 2006. Arquivado do original em 1 de dezembro de 2007
  95. «"The Leaky Cauldron and MuggleNet interview Joanne Kathleen Rowling: Part One(The Leaky Cauldron e MuggleNet entrevistam Joanne Kathleen Rowling: parte um)"». Quick Quotes Quill. 16 de Julho de 2005
  96. «"Autora diz que pode dar continuidade à série "Harry Potter"». BBC. 30 de dezembro de 2007
  97. «Edinburgh Book Festival (Festival do Livro de Edimburgo)». JK Rowling.com. 15 de Agosto de 2004
  98. Potterish. «J.K. Rowling no Oprah Winfrey Show»
  99. The Number (ed.). «Movies Franchises». Consultado em 1 de agosto de 2015
  100. «All Time Top 20 Best Selling Games». 21 de maio de 2003. Consultado em 1 de dezembro de 2006. Cópia arquivada em 21 de fevereiro de 2006
  101. EA Harry Potter Arquivado março 23, 2012 no WebCite Acessado em 19 de junho de 2010.
  102. EA Harry Potter gameplay Acessado em 19 de junho de 2010.
  103. Valentine, James (13 de julho de 2012). «It's time for the compleat, omnipresent me». The Australian. Consultado em 9 de agosto de 2012
  104. «Creator Bryan Fuller Hints at PUSHING DAISIES Broadway-Bound 'Revival'». broadwayworld.com. 16 de julho de 2012. Consultado em 9 de agosto de 2012
  105. «J.K. Rowling to Work on Harry Potter Stage Play». 20 de dezembro de 2013. Consultado em 22 de dezembro de 2013
  106. «J.K. Rowling to produce Harry Potter stage play». USA Today. 20 de dezembro de 2013. Consultado em 22 de dezembro de 2013
  107. «Harry Potter and the Cursed Child to open in 2016». BBC. 26 de junho de 2015. Consultado em 26 de junho de 2015
  108. Bamigboye, Baz (26 de junho de 2015). «Harry Potter and the biggest West End show EVER: Spellbinding drama about the fate of young wizard's parents is coming to London's theatreland». The Daily Mail. Consultado em 26 de junho de 2015

Bibliografia

  • Der Zauber des Harry Potter: Analyse eines literarischen Welterfolgs, Paul Bürvenich, Frankfurt 2001, ISBN 978-363-138-743-6 (alemão), Tóquio 2004, ISBN 978-488-059-307-4 (japonês).
  • J. K. Rowling: uma biografia do gênio por trás de Harry Potter, Sean Smith, 2006, ISBN 85-7542-088-7.
  • "O mundo mágico de Harry Potter: mitos, lendas e histórias facinantes, David Colbert, 2001, ISBN 85-86796-98-0.
  • O guia completo da saga Harry Potter, Gabriel Pillar Grossi, Karina Yamamoto e Fabiana Cavalheri, 2005, ISBN 85-364-0216-4.
  • O destino de Harry Potter: os segredos do sétimo e último volume da série, Ivan Finotti e Juliana Cacuette (org.), Editora Conrad, 2006, ISBN 8576161753.

Ligações externas

Criaturas em Harry Potter

A autora J. K. Rowling escreveu o livro Animais Fantásticos e Onde Habitam, um guia onde são listadas algumas dessas criaturas e seres mágicos que apareceram no decorrer dos livros, algumas derivam de folclores diversos que incluem mitologias como a grega e a egípcia. Aqui são listados somente aqueles que tiveram uma aparição importante na série, ou que são interessantes em demasia e o livro ou filme em que primeiro aparecem.

== Referências ==

Harry Potter (série de filmes)

Harry Potter é uma série de filmes britânico-americana baseada na série de livros homônima da escritora J.K. Rowling. A série é distribuída pela Warner Bros. e consiste em oito filmes, iniciando com Harry Potter e a Pedra Filosofal (2001) e finalizando com Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2 (2011). Além dos oito filmes, a partir de 2016 mais cinco filmes serão lançados passados no mesmo universo, sob a chancela Mundo Bruxo de J.K. Rowling ("J.K. Rowling's Wizarding World"), começando por Animais Fantásticos e Onde Habitam. Atualmente é a terceira série cinematográfica de maior bilheteria de todos os tempos, com US $9.1 bilhões em receitas em todo o mundo, perdendo o posto de primeiro e segundo lugar apenas para o Universo Cinematográfico Marvel e para Star Wars.

Todos os filmes se encontram na lista dos 100 filmes de maior bilheteria da história (em dólares e sem ajuste de inflação), sendo Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2 o filme da franquia que mais arrecadou nas bilheterias, ocupando o oitavo lugar no ranking mundial. As gravações iniciaram na Califórnia, nos estúdios de Hollywood. Apesar da escritora ser britânica, a saga cinematográfica de Harry Potter foi completamente produzida por Hollywood, com edições feitas na Califórnia e efeitos visuais produzidos pela indústria hollywoodiana.

A série foi produzida por David Heyman e tem Daniel Radcliffe, Rupert Grint e Emma Watson como os três personagens principais, Harry Potter, Rony Weasley e Hermione Granger, respectivamente, além de Eddie Redmayne que é o protagonista de Animais Fantásticos e Onde Habitam como Newt Scammander. Quatro diretores trabalharam na série: Chris Columbus, Alfonso Cuarón, Mike Newell e David Yates. A produção levou mais de dez anos para ser concluída, com o Arco de história principal seguindo a busca de Harry Potter para superar seu conflito com Lord Voldemort.

Harry Potter e as Relíquias da Morte, o sétimo e último livro da série, foi adaptado em dois filmes: a Parte 1 foi lançada em novembro de 2010 e a Parte 2 em julho de 2011. Daniel Radcliffe (Harry Potter), Rupert Grint (Rony Weasley), Emma Watson (Hermione Granger), Bonnie Wright (Gina Weasley), Robbie Coltrane (Rúbeo Hagrid), Alan Rickman (Severo Snape), Tom Felton (Draco Malfoy), Matthew Lewis (Neville Longbottom), Devon Murray (Simas Finnigan), Alfie Enoch (Dino Thomas), James Phelps (Fred Weasley), Oliver Phelps (Jorge Weasley), Geraldine Somerville (Lílian Potter) e Joshua Herdman (Gregório Goyle) atuaram em todos os filmes da série.

Harry Potter and the Chamber of Secrets

Harry Potter and the Chamber of Secrets (Harry Potter e a Câmara Secreta BRA ou Harry Potter e a Câmara dos Segredos PRT) é um romance de fantasia escrito pela britânica J. K. Rowling. É segundo livro da série Harry Potter. O livro se envolve em torno da lenda de uma câmara secreta localizada na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, na qual abriga um monstro que matará a todos os bruxos que não provém de famílias mágicas. Diversos alunos aparecem petrificados e Harry Potter, além de ser apontado como o maior suspeito, tenta desvendar e resolver o mistério junto de seus melhores amigos, Rony Weasley e Hermione Granger.

Após o grande sucesso do primeiro livro da série, a escritora aponta que apresentou grandes dificuldades em desenvolver Câmara Secreta por medo de desapontar o público, entretanto, também o considera como um de seus preferidos. Metade do livro já havia sido escrita quando o livro antecessor fora publicado. Rowling afirma que a trama da obra é mais direta em comparação à Harry Potter e a Pedra Filosofal. O livro passou por diversas mudanças e revisões até chegar no resultado final.

Assim como seu predecessor, Harry Potter e a Câmara Secreta foi aclamado por críticos literários e escritores, com elogios direcionados a trama, personagens e clímax da história, embora alguns comentários digam que o livro conta com uma trama igual a de Pedra Filosofal e que a escritora utilizou deus ex machina. O romance desencadeou alguns debates religiosos: autoridades condenaram o uso de temas mágicos, enquanto outros elogiaram sua ênfase em auto sacrifício e na maneira que o caráter de uma pessoa resulta em suas escolhas. Rowling foi comparada ao autor Stephen King. Vários comentaristas notaram que a identidade pessoal é um tema forte no livro, e que este aborda questões de racismo através do tratamento com trouxas (não-bruxos). A obra foi incluída em algumas listas reunindo os melhores de 1998, como a lista de melhores livros infantis e melhores pra jovens adultos da American Library Association.

A adaptação cinematográfica do livro foi lançada em 2002 e dirigida por Chris Columbus. O longa arrecadou pouco mais de 879 milhões de dólares, assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria, embora seja um dos que menos arrecadou de toda a saga. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e a Câmara Secreta também foram lançados para diversas plataformas, os quais obtiveram avaliações relativamente altas. Stephen Fry e Jim Dale narraram as versões de audiolivro britânica e americana, respectivamente.

Harry Potter and the Deathly Hallows

Harry Potter and the Deathly Hallows (Harry Potter e as Relíquias da Morte BRA ou Harry Potter e os Talismãs da Morte PRT) é um romance de fantasia escrito pela britânica J. K. Rowling. É o sétimo e último livro da série Harry Potter. Após se encarregarem da tarefa do falecido diretor da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, Alvo Dumbledore em encontrar e destruir todas as Horcruxes criadas pelo maior bruxo das trevas Voldemort, o livro narra a jornada do personagem principal, o jovem Harry, e seus melhores amigos Rony e Hermione, que abandonaram seu último ano letivo na escola de feitiçaria para cumprirem tal dever. Ao passo que o confronto final entre Harry e Voldemort se aproxima, a batalha entre os Comensais da Morte (seguidores de Voldemort) e o resto do mundo bruxo acontece. Foi lançado em 21 de julho de 2007 no Reino Unido e em outros países anglófonos e somente em 8 de novembro do mesmo ano no Brasil e 16 de novembro Portugal.

O primeiro contato que a escritora teve com o processo de escrita do livro foi no ano de 1990, quando escreveu um rascunho do último capítulo do livro, o qual foi reescrito diversas vezes. Por conta de sua filha, Rowling encontrou dificuldades em escrever e dedicou a maior parte do ano de 2005 na a criação da bebê, retomando determinadamente a compor por longos períodos no final do mesmo ano. Relíquias da Morte foi o romance da série que mais proporcionou diversão e sentimentos como tristeza e euforia à autora. Diversos rumores sobre o título do livro surgiram, porém foram descartados por Rowling, que mais tarde se declarou dividida entre três novos títulos. Ao terminar o livro num hotel em Edimburgo, a mesma registrou dizeres num busto de Hermes em seu quarto contendo informações como o dia e o local da finalização da obra.

Um dos livros mais aguardados de 2007, Relíquias da Morte foi aclamado por críticos literários e escritores, com elogios direcionados a prosa, imaginação, humor e a evolução literária pessoal da escritora e da própria história da série, embora alguns comentários digam que certos capítulos são muito longos, deixando personagens e situações cansativas. Rowling foi comparada a autores como Charles Dickens, Ian Fleming, Mark Twain e Lewis Carroll. Consequentemente, foi incluído em algumas listas reunindo os melhores de 2007, sendo listado entre os cem melhores pela The New York Times e entre os melhores livros infantis e melhores para jovens adultos pela American Library Association. O livro quebrou recordes de vendas e pré-vendas mundiais, registrando 8,3 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos e 2,65 milhões no Reino Unidos nas primeiras vinte e quatro horas, tornando-se o livro mais vendido em um dia. Após o lançamento do último livro, as ações da editora Bloomsbury despencaram, visto que o futuro econômico da mesma era incerto após o término da série.

A adaptação cinematográfica do livro foi dividida em duas partes. A primeira, lançada em 2010 e dirigida por David Yates, arrecadou pouco mais de 960 milhões de dólares, enquanto a segunda parte, lançada em 2011, conta com a mesma direção e arrecadou mais de 1,3 bilhão de dólares. Ambos os longas se encontram na lista de filmes de maior bilheteria, assim como todos os outros longas da série, embora a parte dois seja o mais bem sucedido entre eles, assegurando a posição de décimo filme de maior bilheteria mundial. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e as Relíquias da Morte também foram lançados para diversas plataformas, os quais obtiveram avaliações relativamente baixas. Stephen Fry e Jim Dale narraram as versões de audiolivro britânica e americana, respectivamente.

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 1

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 1 (no Brasil, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1; em Portugal, Harry Potter e os Talismãs da Morte – Parte 1) é um filme britânico-americano de aventura, fantasia e ação de 2010, dirigido por David Yates e baseado no capítulo um até o vinte e quatro do livro de mesmo nome escrito por J. K. Rowling. O filme é o sétimo e penúltimo da sequência de adaptações para o cinema vindos da série de livros Harry Potter, e o terceiro a ser dirigido por Yates. David Heyman e David Barron foram os produtores e Steve Kloves, o roteirista. O filme traz no elenco principal Daniel Radcliffe como Harry Potter, e Rupert Grint e Emma Watson como os melhores amigos de Harry, Rony Weasley e Hermione Granger, respectivamente. A história mostra o trio na busca para encontrar e destruir as "fontes" da imortalidade de Lord Voldemort, as Horcruxes. As filmagens de ambas as partes foram encerradas no dia 12 de junho de 2010.

A primeira parte foi lançada no dia 19 de novembro de 2010, e a segunda em 15 de julho de 2011. Deathly Hallows – Part 1 seria lançado em 3D, mas pelo pouco espaço restante de junho a novembro, não houve tempo para realizar a edicao, já que são necessários cerca de quatro meses somente para se completar o processo de conversão para 3D. Alguns cinemas do mundo o exibiram em 4D durante as cenas de batalhas, onde os espectadores puderam sentir efeitos sutis de movimento em suas poltronas, que ocorreram em perfeita sintonia com a ação em curso, tornando a experiência cinematográfica realista e imersiva. Porém vale ressaltar "Tecnologia 4D" é apenas um nome de marketing.

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 1 foi distribuído em todo o mundo pela Warner Bros., sendo a terceira maior arrecadação de toda a série, com mais de US$ 960 milhões. Foi a quinta maior arrecadação doméstica, Estados Unidos e Canadá, em 2010. Acumulou pouco mais de US$ 295 milhões, ficando atrás de Toy Story 3, Alice in Wonderland, Iron Man 2 e The Twilight Saga: Eclipse. Mundialmente, foi a terceira maior bilheteria no ano.No dia 21 de agosto de 2010, o diretor e os produtores assistiram a exibição teste da primeira parte em Chicago. Alan F. Horn, presidente da Warner Bros. na época, também esteve presente.

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2 (no Brasil, Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2; em Portugal, Harry Potter e os Talismãs da Morte – Parte 2) é um filme britânico-americano épico de aventura e fantasia de 2011, dirigido por David Yates, baseado a partir do capítulo vinte e cinco do livro homônimo escrito por J. K. Rowling, sendo uma complementação e finalização da Parte 1, uma vez que este livro fora adaptado em duas partes para o cinema. O título é o oitavo e último da sequência de adaptações para o cinema originados da série de livros Harry Potter, e o quarto a ser dirigido por David Yates. David Heyman, David Barron e J. K. Rowling são os produtores e Steve Kloves, o roteirista. Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson como Harry Potter, Rony Weasley e Hermione Granger, respectivamente, protagonizam a produção.

A história mostra a continuação do trio terminando a tarefa que Dumbledore lhes deixou (procurar e destruir as Horcruxes criadas pelo vilão Lorde Voldemort). As filmagens foram encerradas no dia 12 de junho de 2010, sabendo-se que ocorreram refilmagens em dezembro de 2010, pouco antes do Natal.

Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2 foi lançado no dia 15 de julho de 2011 no Brasil, e nos Estados Unidos e Portugal em 14 de julho de 2011.. Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2 foi o primeiro título da saga a ser inteiramente convertido para a tecnologia 3D. Sendo que também foi lançado em IMAX 3D.Foi o único filme da saga a ultrapassar a marca de US$ 1 bilhão, atingindo a maior arrecadação de 2011, tornando-se a terceira maior bilheteria da história na época, atualmente a décima primeira, sendo também a adaptação de um livro de maior receita, além de ser o título de maior de sucesso da Warner Bros. Pictures.

Harry Potter and the Half-Blood Prince

Harry Potter and the Half-Blood Prince (Harry Potter e o Enigma do Príncipe BRA ou Harry Potter e o Príncipe Misterioso PRT) é um romance de fantasia escrito pela britânica J. K. Rowling, sendo o sexto dos sete volumes da série Harry Potter. Retomando os passos de Harry no mundo bruxo, o jovem, agora em seu sexto ano na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, prepara-se para a batalha final contra Voldemort, cujo poder aumenta ininterruptamente. Em sessões privadas com o diretor Alvo Dumbledore, Harry vasculha o passado de Voldemort para obter respostas em como destruí-lo.

O livro foi publicado no Reino Unido pela editora Bloomsbury e em outro países anglófonos a 16 de julho de 2005, contando com uma impressão inicial de 10,8 milhões de cópias. Em contrapartida, a Editorial Presença publicou-o em Portugal, a 15 de outubro, e a editora Rocco no Brasil, em 26 de novembro do mesmo ano, em ambos os casos adotando títulos que não seguiram a tradução literal do original: Harry Potter e o Príncipe Misterioso, em Portugal, Harry Potter e o Enigma do Príncipe, no Brasil.

Com críticas predominantemente positivas, a obra alcançou o sucesso comercial e quebrou recordes de vendas, vencendo diversos prêmios literários, o que resultou em uma grande aceitação por parte da indústria literária. Numerosas análises constituídas ao romance giraram em torno da evolução do estilo literário de Rowling, que se distanciou do tom infantil ao qual havia construído seus livros anteriores e enfatizou o cenário sombrio que rege a história. O considerável crescimento de Harry e de outros personagens adolescentes também atraiu muita atenção. No entanto, o fato de alguns aspectos finais parecerem previsíveis foi objeto de diversos cometários negativos. Alguns consideram o amor, a morte, a confiança e a redenção como os temas principais. A obra vendeu nove milhões de cópias nas primeiras 24 horas após a publicação, um recorde quebrado somente por sua sequência, Harry Potter e as Relíquias da Morte.A adaptação cinematográfica do livro dirigida por David Yates foi lançada em 2009 e arrecadou mais de 934 milhões de dólares ao redor do mundo, assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e o Enigma do Príncipe também foram lançados para diversas plataformas.

Harry Potter and the Half-Blood Prince (filme)

Harry Potter and the Half-Blood Prince (no Brasil, Harry Potter e o Enigma do Príncipe; em Portugal, Harry Potter e o Príncipe Misterioso) é um filme britânico-americano de fantasia de 2009, dirigido por David Yates, baseado no livro homônimo de J. K. Rowling. É o sexto filme da franquia, escrito por Steve Kloves, produzido por David Heyman e David Barron, sendo distribuído pela Warner Bros. Pictures. O filme segue o sexto ano de Harry Potter em Hogwarts e em como ele descobre um antigo livro escolar pertencido alguém que se intitula "O Príncipe Mestiço", ao mesmo tempo em que tenta recuperar uma lembrança que é a chave para derrotar Lorde Voldemort. O elenco principal é formado por Daniel Radcliffe, como Harry Potter, e Rupert Grint e Emma Watson, como os melhores amigos de Harry, Rony Weasley e Hermione Granger. O filme é uma sequência de Harry Potter e a Ordem da Fênix e é seguido por Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1.

As filmagens começaram em 24 de setembro de 2007, terminado com o lançamento mundial do filme, em 15 de julho de 2009, um dia antes do aniversário de quatro anos do livro no qual é baseado. Ao redor do mundo, com exceção da América Anglo-Saxônica, o sexto filme foi lançado simultaneamente em 2D e em IMAX 3D. Nos Estados Unidos e Canadá, o lançamento em 3D só ocorreu em 29 de julho, duas semanas após a sua estreia.

Harry Potter and the Half-Blood Prince foi bem recebido pela crítica especializada. Tornou-se um sucesso de bilheteria, obtendo o recorde de maior faturamento em um único dia, quebrando o recorde de maior estreia de todos os tempos ao acumular US$ 394 milhões em apenas cinco dias. Com uma receita total de IS$ 934 milhões, conquistou a segunda maior bilheteria de 2009, ficando atrás apenas de Avatar, sendo o oitavo filme de maior arrecadação na época. Atualmente, permanece entre as 42 maiores bilheterias do cinema. Recebeu diversas indicações, vencendo em muitas premiações, incluindo uma nomeação ao Oscar de Melhor Fotografia e outras duas nomeações no BAFTA de Melhor direção de Arte e Efeitos Especiais. Half-Blood Prince permanece como uma das mais altas aprovações críticas dentro da série, com uma pontuação de 83% no Rotten Tomatoes e de 78% no Metacritic. Muitos críticos elogiaram a história, direção, fotografia, efeitos especiais e trilha sonora.

Harry Potter and the Order of the Phoenix

Harry Potter and the Order of the Phoenix (Harry Potter e a Ordem da Fênix BRA ou Harry Potter e a Ordem da Fénix PRT) é o quinto livro dos sete volumes da série de fantasia Harry Potter, tanto em termos cronológicos como em ordem de publicação, da autora inglesa J. K. Rowling. O livro narra as lutas de Harry e seus colegas durante o quinto ano na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, que incluem a aparição sub-reptícia do antagonista Lorde Voldemort e a preparação para os NOMs (acrônimo para Níveis Ordinários em Magia, são testes realizados por alunos do quinto ano). Após Harry presenciar o ressurgimento de Voldemort e lutar com ele no ano anterior, o Ministério da Magia e o Profeta Diário iniciam durante as férias de verão uma campanha para desacreditar Harry e Dumbledore perante a comunidade mágica sobre o retorno do bruxo das trevas.

O livro foi primeiramente publicado no Reino Unido e nos Estados Unidos em junho de 2003, pelas editoras Bloomsbury e Scholastic, respectivamente. Em Portugal, a editora Presença foi responsável pelo lançamento do livro em outubro de 2003. No Brasil, o livro foi lançado pela editora Rocco em novembro do mesmo ano. Segundo a autora, o livro é "muito mais obscuro" do que os anteriores. O romance, que é o maior livro da série, se tornou na época o livro mais vendido da história com mais de cinco milhões de cópias vendidas nas primeiras 24 horas do lançamento e desde então já vendeu mais de 55 milhões de cópias. O volume ganhou diversos prêmios, dentre eles o British Book Awards.

A adaptação cinematográfica do livro, dirigida por David Yates, foi lançada em 2007 e arrecadou mais de 939 milhões de dólares, assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria. Também foi lançado um jogo eletrônico baseado no filme para diversas plataformas, que recebeu críticas positivas.

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Harry Potter e a Pedra Filosofal (no original, em inglês: Harry Potter and the Philosopher's Stone) é o primeiro dos sete livros da série de fantasia Harry Potter, escrita por J. K. Rowling. O livro conta a história de Harry Potter, um órfão criado pelos tios que descobre, em seu décimo primeiro aniversário, que é um bruxo. No romance, são narrados seus primeiros passos na comunidade bruxa, sua entrada na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts e o início de sua amizade com Rony Weasley e Hermione Granger, os quais o ajudam a enfrentar Lord Voldemort — Lorde das Trevas e assassino dos pais de Harry, que agora procura um objeto lendário conhecido como a pedra filosofal.

Após ter sido rejeitado por diversas editoras, o livro foi publicado no Reino Unido pela editora londrina Bloomsbury em 26 de junho 1997. No Brasil, a editora Rocco comprou-lhe os direitos em 1999, tendo sido publicado em 1.º de janeiro do ano seguinte; em Portugal, entrou em circulação no dia 14 de outubro de 1999 por intermédio da editora Presença. A obra ganhou a maioria das premiações britânicas julgadas por crianças e outros prêmios nos Estados Unidos e alcançou o topo da lista de ficções mais vendidas do The New York Times em agosto de 1999, na qual permaneceu perto da posição durante grande parte de 1999 e 2000. O livro foi traduzido para mais de sessenta línguas diferentes.

Comentários sobre a imaginação, o humor e o estilo literário de Rowling marcaram as críticas favoráveis, embora alguns tenham se queixado que os capítulos finais estejam apressados. A escrita da autora foi comparada com a de Jane Austen, uma de suas escritoras favoritas, Roald Dahl, cujas obras prevaleciam sobre o mundo de histórias infantis até a chegada de Harry Potter, e ao poeta Homero da Grécia Antiga. Enquanto alguns comentaristas diziam que o livro se espelhava a internatos das épocas Vitoriana e Eduardiana, outros achavam que a trama estava firmemente aplicada no mundo moderno por conter problemas ético sociais contemporâneos. Junto com os outros títulos da série, o livro foi criticado por grupos religiosos, levando a sua proibição em alguns países devido a acusações de promoção à bruxaria. No entanto, determinados críticos cristãos defendem-no, alegando que ele exemplifica importantes conceitos valorizados pela doutrina cristã, como o autossacrifício.A adaptação cinematográfica do livro dirigida por Chris Columbus foi lançada em 2001 e arrecadou mais de 974 milhões de dólares, assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e a Pedra Filosofal também foram lançados para diversas plataformas, os quais obtiveram críticas favoráveis no geral.

Harry Potter e a Pedra Filosofal (filme)

Harry Potter and the Philosopher's Stone (nos Estados Unidos, Harry Potter and the Sorcerer's Stone; no Brasil e em Portugal, Harry Potter e a Pedra Filosofal) é um filme britânico-americano de aventura e fantasia baseado no livro homônimo de J. K. Rowling, dirigido pelo cineasta Chris Columbus e lançado em 2001. O filme é o primeiro longa-metragem da série cinematográfica de Harry Potter. A história segue o primeiro ano de Harry Potter na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts quando descobre que é um bruxo famoso.

O roteiro foi escrito por Steve Kloves, que concluiu que seu trabalho era árduo - Inicialmente Kloves ficou nervoso ao conhecer a escritora Rowling, pois não queria ser avaliado como uma possível "má adaptação" - O elenco é integrado por Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Richard Harris, Maggie Smith, Robbie Coltrane, Alan Rickman e Ian Hart. Os efeitos especiais ficaram a cargo principalmente da Sony Pictures Imageworks e Industrial Light & Magic, além de mais de 600 tomadas de imagens geradas por computador para as quais foram contratadas várias empresas especializadas.

A concepção de Harry Potter e a Pedra Filosofal começou em 1997, quando o produtor britânico David Heyman buscava em Hollywood um livro infantil para servir de inspiração para um filme. Em seguida, sua empresa, Heyday Films, sugeriu A Pedra Filosofal, projeto que Heyman submeteu a Warner Bros. Assim, em 1999, Rowling vendeu os direitos de filmagem dos primeiros quatro livros da série, por pouco menos de US$ 2 milhões. Como característica adicional, a autora alegou que o elenco principal teria de ser de nacionalidade britânica, permitindo algumas exceções como o ator irlandês Richard Harris (intérprete de Albus Dumbledore); a fim de manter uma ligação cultural entre o livro e a adaptação. Nos estágios iniciais da fase de produção, foi proposto ao diretor Steven Spielberg a direção do filme, mas acabaria por recusar a oferta. Finalmente, a produção começou em 2000, sob a direção de Chris Columbus, com as filmagens da maioria das cenas nos estúdios Leavesden.

Após a estreia, Harry Potter e a Pedra Filosofal recebeu críticas em sua maioria positivas pela imprensa especializada, arrecadando quase US$ 975 milhões em todo o mundo e ganhando três indicações para o Oscar em: Melhor Direção de Arte, Melhor Figurino e referências a John Williams dentro da categoria Melhor Trilha Sonora Original. Antes de seu sucesso crítico e comercial, os produtores já tinham fortes intenções de adaptar a série literária de Harry Potter composta finalmente de 7 livros — a adaptação do último livro consistia em duas partes, estreando em 2010 e 2011, respetivamente.

Harry Potter e o Cálice de Fogo

Harry Potter e o Cálice de Fogo (no original em inglês Harry Potter and the Goblet of Fire) é o quarto livro dos sete volumes da série de fantasia Harry Potter, tanto em termos cronológicos como em ordem de publicação, da autora inglesa J. K. Rowling. Foi primeiramente publicado no Reino Unido e nos Estados Unidos em 2000. O livro segue o quarto ano de Harry Potter na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Neste ano, a Copa Anual de Quadribol entre as casas é substituída pelo Torneio Tribuxo, uma competição amistosa entre as três maiores escolas europeias de bruxaria — Hogwarts, Beauxbatons e Durmstrang — que não se realizava havia um século. Somente alunos maiores de dezessete anos podem se inscrever no Torneio, porém, misteriosamente, Harry é escolhido pelo Cálice de Fogo e forçado a competir.

O livro foi primeiramente publicado no Reino Unido e nos Estados Unidos no dia 8 de julho de 2000 pela editora Bloomsbury e Scholastic, respectivamente. No Brasil, a editora Rocco lançou o livro em junho de 2001, e em Portugal um mês depois da estreia oficial pela editora Presença. Segundo Rowling, esse era o livro mais difícil que já havia escrito até o momento. O romance se tornou, na época, o livro mais vendido da história, com uma estimativa em 3 milhões de cópias vendidas em suas primeiras 48 horas, e desde então contém mais de 55 milhões de cópias vendidas. O livro venceu o Prêmio Hugo de Melhor Romance, Indian Paintbrush Book Award, entre muitos outros. Assim como os outros romances da série, Harry Potter e o Cálice de Fogo desencadeou alguns debates religiosos.

A adaptação cinematográfica do livro dirigida por Mike Newell foi lançada em 2005, arrecadando mais de 896 milhões de dólares e assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e o Cálice de Fogo também foram lançados para diversas plataformas, sendo que a maioria obteve críticas favoráveis.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (no original em inglês Harry Potter and the Prisoner of Azkaban) é o terceiro livro dos sete volumes da série de fantasia Harry Potter, tanto em termos cronológicos como em ordem de publicação, da autora inglesa J. K. Rowling. Foi primeiramente publicado no Reino Unido pela editora londrina Bloomsbury em 1999.

O livro conta sobre o terceiro ano de Harry Potter na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Sem a aparição de Voldemort, a trama apresenta um novo perigo para o personagem principal: Sirius Black, que teria assassinado treze pessoas com um único feitiço, fugiu da prisão de Azkaban e estaria agora o perseguindo para matá-lo. O garoto, junto com seus dois amigos, Rony e Hermione, começam a investigar o suposto assassino e acabam descobrindo muitos segredos que envolvem sua já falecida família.

O livro foi primeiramente publicado no Reino Unido no dia 8 de julho de 1999 pela editora Bloomsbury e nos Estados Unidos no dia 8 de setembro de 1999 pela editora Scholastic. No Brasil, a editora Rocco lançou o livro no primeiro dia de dezembro do ano de 2000 e em Portugal no dia 31 de março de 2000 pela editora Presença. Segundo Rowling, esse foi um dos livros mais fáceis de escrever, levando apenas um ano para ser finalizado. O romance vendeu mais de 68 mil cópias em seus primeiros três dias de lançamento no Reino Unido, e desde então contém mais de três milhões de cópias vendidas no país. O livro venceu o Whitbread de melhor livro infantil de 1999, o Bram Stoker Awards, o Locus de Melhor Romance de Fantasia, e foi indicado para muitos outros prêmios, incluindo o Hugo. Alguns consideraram o livro como "mais obscuro" do que os anteriores e notaram uma mudança na escrita de Rowling, dizendo que os personagens foram mais bem desenvolvidos e interessantes. Assim como os outros romances da série, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban desencadeou alguns debates religiosos.

A adaptação cinematográfica do livro dirigida por Alfonso Cuarón foi lançada em 2004, arrecadando mais de 796 milhões de dólares e assegurando sua entrada na lista de filmes de maior bilheteria. Jogos eletrônicos baseados em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban também foram lançados para diversas plataformas, sendo que a maioria obteve críticas favoráveis.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban (filme)

Harry Potter and the Prisoner of Azkaban (no Brasil e em Portugal, Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban) é um filme britânico-americano de 2004, dirigido por Alfonso Cuarón, baseado no livro de mesmo nome escrito por J. K. Rowling. É o terceiro filme da série Harry Potter, tendo roteiro de Steve Kloves e produção de Chris Columbus, David Heyman e Mark Radcliffe. O filme é estrelado por Daniel Radcliffe como Harry Potter, juntamente com Rupert Grint e Emma Watson como os melhores amigos de Harry, Ronald Weasley e Hermione Granger.

O filme, lançado em 31 de maio de 2004 no Reino Unido e em 4 de junho de 2004 na América do Norte, foi indicado a dois Oscars - Melhor Trilha Sonora Original e Efeitos Visuais na premiação da Academia, em 2005.

Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban arrecadou mais de US$ 796 milhões em todo o mundo, figurando como o filme da série com a menor bilheteria (sendo o único a arrecadar menos de 800 milhões de dólares). Está entre as 100 maiores bilheterias do cinema.

Hermione Granger

Hermione Jean Granger é uma personagem fictícia e uma dos protagonistas dos livros da série Harry Potter, escrita por J. K. Rowling. É a melhor amiga de Harry Potter e Rony Weasley. Caracteriza-se por ser muito inteligente e curiosa.

A personagem foi dublada por Luisa Palomanes (no Brasil) e Mafalda Luís de Castro (em Portugal).[carece de fontes?]

J. K. Rowling

Joanne "Jo" Rowling, OBE, FRSL, (IPA: [dʒoʊˈæn ə_ˈroʊlɪŋ]; Yate, 31 de julho de 1965), mais conhecida como J. K. Rowling, é uma escritora, roteirista e produtora cinematográfica britânica, notória por escrever a série de livros Harry Potter. Os livros ganharam uma popularidade mundial, recebendo múltiplos prêmios e vendendo mais de 500 milhões de cópias. Eles se tornaram a série literária mais vendida da história. A Warner Bros. adaptou os livros para o cinema, fazendo com que os filmes entrassem na lista de filmes de maior bilheteria.Nascida em Yate, na Inglaterra, Rowling teve a ideia de escrever a série enquanto estava num trem indo de Manchester para Londres, em 1990. Em um período de sete anos, Rowling vivenciou a morte de sua mãe, o nascimento de sua primeira filha, seu divórcio com seu primeiro marido e uma crise financeira pessoal até que, em 1997, finalizou o primeiro dos sete livros da série, Harry Potter e a Pedra Filosofal e o último, Harry Potter e as Relíquias da Morte, em 2007. Desde então, Rowling já escreveu quatro livros para o público adulto, Morte Súbita (2012) e, sob o pseudônimo de Robert Galbraith, O Chamado do Cuco (2013), precedido por O Bicho-da-Seda (2014) e Vocação Para o Mal (2015).Depois do sucesso de Harry Potter, Rowling se reergueu financeiramente e foi da pobreza a uma riqueza multimilionária em cinco anos. Ela é a autora britânica com o maior número de vendas, chegando a mais de 238 milhões de libras em livros vendidos. A Lista dos Ricos do Jornal Sunday Times de 2016 estimou a fortuna de Rowling em 500 milhões de libras, classificando-a como a 197ª pessoa mais rica do Reino Unido. Em 2007, a revista Time nomeou-a como Pessoa do Ano, ressaltando a inspiração social, moral e política que ela deu a seus fãs. Em outubro de 2010, Rowling foi nomeada a "Mulher Mais Influente da Grã-Bretanha" pelos principais editores de revista e, no mesmo ano, foi classificada como a 40ª pessoa mais poderosa pela revista Forbes. Ela apoia diversas instituições de caridade, tais como a Comic Relief, a One Parent Families, a Multiple Sclerosis Society of Great Britain e a Lumos (criada pela própria).

Lista de personagens da série Harry Potter

Esta é uma lista de personagens da série de livros e filmes Harry Potter.

Magia na série Harry Potter

A magia na série Harry Potter é retratada como uma força sobrenatural que pode ser usada para substituir as leis da física usuais. Muitas criaturas mágicas existem na série, enquanto as criaturas comuns às vezes exibem novas propriedades mágicas. Objetos também podem ser aprimorados ou imbuídos de propriedades mágicas. A pequena porcentagem de seres humanos que são capazes de realizar magia é referida como bruxas e feiticeiros, em contraste com os não-mágicos, ou trouxas.

Nos seres humanos, a magia ou a falta dela é um atributo inato. É herdada, realizada em "genes resilientes dominantes". A magia é a norma para os filhos de casais mágicos e menos comum nos trouxas. Existem exceções: aqueles que não conseguem fazer magia, filhos de pais mágicos, são conhecidos como squibs (ou abortos, em português), enquanto que uma bruxa ou mago nascido de pais trouxas é conhecido como muggle-born, ou pelo termo depreciativo "sangue-ruim". Enquanto os muggles são bastante comuns, os squibs são extremamente raros.

Livros
Série de filmes
Personagens
Universo
fictício
Obras
relacionadas
Jogos
Relacionado
Obras de J. K. Rowling
Série Harry Potter
Série Strike
Outras obras
Filmografia

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.