Estação Ferroviária de Guilharei

Estação Ferroviária de Guillarei é uma gare de caminhos de ferro da Linha Monforte de Lemos-Redondela, que funciona como entroncamento com o Ramal Internacional de Valença[1], e que serve a paróquia de Guilharei, pertencente ao município de Tui e à Província de Pontevedra, na Galiza.

Trenhotel entrando na estación de Guillarei 03-2016

Um "Trenhotel" da RENFE procedente da Barcelona com destinação a Vigo fazendo uma paragem na estação de Guilharei.

Media Distancia entrando na estación de Guillarei 03-2016

Um comboio de "Media Distancia" da RENFE entrando na estação de Guilharei procedente do Vigo, onde remata o seu percorrido para logo voltar a Vigo.

Trenhotel entrando en Guillarei

Um "Trenhotel" da RENFE procedente da Barcelona com destinação a Vigo fazendo uma paragem na estação de Guilharei.

Guillarei
Estação Ferroviária de Guilharei
Estação de Guilharei
Uso atual Estação ferroviária
Administração ADIF
Linhas Linha Monforte de Lemos-Redondela
Ramal Internacional de Valença
Informações históricas
Inauguração 17 de março de 1878 (141 anos)
Localização
Localização Tui (Pontevedra), Galiza

Referências

  1. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 29 de fevereiro de 2016. Arquivado do original (PDF) em 3 de março de 2016

Ligações externas

Aeroporto da Corunha

O Aeroporto da Corunha (em galego Aeroporto da Coruña; em espanhol Aeropuerto de La Coruña - IATA: LCG, ICAO: LECO) é um aeroporto internacional no município de Culleredo que serve principalmente a cidade da Corunha, na Galiza, Espanha.

Aeroporto de Santiago de Compostela

O Aeroporto de Santiago de Compostela(IATA:SCQ, OACI:LEST), também conhecido como Aeroporto de Lavacolla, é um aeroporto internacional que serve a cidade de Santiago de Compostela e toda a região da Galiza. Com 2,6 milhões de passageiros (2017), é o aeroporto mais movimentado da Galiza e o segundo do norte de Espanha. Localiza-se no lugar de Lavacolla, a 8,5 km a leste de Santiago de Compostela. Está conectado com a cidade através da autoestrada A-54 e da estrada N-547, que ligam Santiago a Lugo. Dispõe de uma ligação por autocarro ao centro da cidade e à sua estação de comboios, integrada no Eixo Atlântico de Alta Velocidade, que a liga às principais cidades galegas.

O Caminho Francês de Santiago passa nas imediações do aeroporto.

Foi inaugurado no ano de 1932, tendo um novo terminal de passageiros sido construído no ano de 2011. É utilizado pelas companhias Iberia, Air Europa, Lufthansa, Swiss International Air Lines, Aer Lingus, Vueling, Ryanair e EasyJet.

Aeroporto de Vigo

Aeroporto de Vigo (em espanhol: Aeropuerto de Vigo, em galego: Aeroporto de Vigo) (IATA: VGO, ICAO: LEVX), anteriormente denominado Aeroporto Peinador, está localizado a 15 km da baixa de Vigo, Espanha. É uma pista tem 2.400 metros de comprimento e 45m de largura, cabeçalhos 02/20, com acesso e de um trecho de pista rolante que liga a plataforma com o top 02. Possui um sistema de abordagem instrumental ILS CAT II / III no cabeçalho 20.

O aeroporto está localizado entre as cidades de Vigo, Redondela e Mos, pertencente à província de Pontevedra, a nove quilômetros do centro de Vigo e Pontevedra da baixa de 28.

Autoestrada do Atlântico

A Autoestrada do Atlântico (em castelhano: Autopista del Atlántico) é uma autoestrada situada na comunidade da Galiza (Espanha).

Autovía del Cantábrico

A Via rápida do Cantábrico (Autovía del Cantábrico) ou A-8 é uma via terrestre de duplo pavimento e no sentido que se estende o largo norte de Espanha paralela à costa do Mar Cantábrico que começa em Bilbao em união da AP-8 com a AP-68 e acaba em Baamonde (província de Lugo). T~em um comprimento de 486 km.

Atravessa as comunidades autonómicas do País Basco, Cantábrias, Asturias e Galiza. O seu comprimento total quando se encontra finalizada será de mais de 650 km e será a principal via de comunicação por terra nesta zona do país. O seu identificador em Espanha é A-8 na Rede de Estradas Europeias é a E-70.

Autovía del Noroeste

A Via rápida do Noroeste (Autovía del Noroeste) ou A-6, conhecida tradicionalmente como Estrada da Corunha, é uma das seis vias rápidas radiais de Espanha. Liga Madrid com a Galiza, passando por Castela e Leão. Trata-se de uma das vias mais importantes do Estado, já que, além de atravessar Castela e Leão, terá uma extensão muito útil se pretender ir às Astúrias como ao norte de Portugal.

Como via rápida radional, a sua finalização foi a mais tardia das seis, devido, principalmente, as dificuldades ortográficas que apresenta a comarca de El Bierzo e à estrada na Galiza. Os poderes políticos de momento obtiveram estas evidentes dificuldades, precedendo a finalização da via rápida seis anos antes da sua finalização real. Inclusivé a quando das violentas derrocadas de pedras na zona localizada entre Villafranca del Bierzo e Becerreá (entre os quilómetros 400 e 440) obrigam a repensar o projecto sériamente, o Ministerio do Fomento continuava a manter o seu traçado.

Na actualidade, esta via rápida supõe de um extraordinário avanço para entrar da Galiza. Entre os quilómetros 44 (Villalba, Madrid) e 111 (Adanero, Ávila) é portajada.

Só têm áreas de serviço nos últimos quilómetros, e apenas dispõe de áreas de descanso em quase os 600 quilómetros de percurso. O mesmo ocorre como as estações de serviço: são escaças e muito mal repartidas. Existe um troço que supera os 300 quilómetros sem alguma gasolineira.

Conta com três faixas em cada sentido entre Moncloa e Las Rozas (km 24). Também neste troço dispõe de um pavimento com faixas chamadas de "Bus-Vao", para autocarros e veiculos com 2 ou mais passageiros.

Dispõe de quatro faixas em cada sentido entre Las Rozas (km 24, liga com a M-50) e Guadarrama (km 48), este troço foi ampliado recentemente.

Em 29 de Março de 2007 se abiu ao tráfego a última fase da ampliação entre Guadarrama (km 48) e San Rafael (km 60), a dita ampliação consiste num novo pavimento das faixas e túnel reversivel segundo as necessidades do tráfego, existem três faixas no troço San Rafael-Guadarrama no sentido para Madrid.

Com esta ampliação, a A-6 já está iluminada desde Madrid até San Rafael (km 60).

No futuro se prevê ampliar a três faixas em cada sentido entre San Rafael (km 60) e Villacastin (km 80).

Eixo Atlântico de Alta Velocidade

O Eixo Atlântico de Alta Velocidade é o corredor ferroviário que decorre pela costa atlântica da Galiza, entre as cidades da Corunha, Santiago de Compostela, Vilagarcía de Arousa, Pontevedra e Vigo, com continuação prevista até à fronteira portuguesa em Valença, passando por quatro das sete grandes cidades galegas.Trata-se de uma infraestrutura com via dupla e traçado apto para 250 km/h, com carris de 60 kg/m. Actualmente é uma linha ferroviária de bitola ibérica, tendo sido, no entanto, instaladas travessas polivalentes que permitirão a sua passagem a bitola padrão a partir de 2018. Em 2016 está prevista a instalação do sistema de segurança ERTMS nível 1.

Em Dezembro de 2011 inaugurou-se o troço entre Santiago de Compostela e a Corunha, e em Março de 2015 foi inaugurado o restante troço até à Estação Ferroviária de Vigo-Urzáiz, o que marcou a conclusão da obra. O projecto consistiu na requalificação parcial da linha Redondela-Santiago de Compostela e do troço Santiago de Compostela-Corunha da Linha Corunha-Zamora, tendo sido efectuadas várias correcções de traçado, incluindo a construção de múltiplas variantes, 37 túneis e 32 viadutos.

De entre as obras de arte construídas destaca-se o Viaduto do Rio Ulha, com 1621,5 metros de comprimento, que ostenta o recorde mundial de comprimento de vão para viadutos mistos (betão/ferro), e o Viaduto do Rio Sar, com 2411 m. Mais de um terço do percurso é efectuado em túnel, destacando-se o Túnel da Madroa, entre Redondela e Vigo, com 8252m. Foram ainda construídas cinco novas estações, sendo que as restantes seis receberam profundas obras de requalificação.A construção do Eixo Atlântico permitiu uma redução muito significativa nos tempos de percurso entre as cidades do litoral galego. Com efeito, o percurso Vigo-Corunha passou a demorar apenas 1 hora e 23 minutos, sendo que antes das obras, em 2004, os comboios levavam 2 horas e 35 minutos a efectuar este trajecto. Com a entrada em funcionamento do sistema ERTMS nível 1, prevê-se que o tempo de viagem entre as duas cidades seja reduzido para apenas 1 hora.

Estação Ferroviária da Corunha

A Estação Ferroviária da Corunha, também conhecida como Corunha- San Cristovo é uma interface ferroviária que serve a cidade da Corunha, na Galiza.

É a estação terminal da Linha León-Corunha, do Eixo Atlântico de Alta Velocidade e da Linha de Alta Velocidade Olmedo-Zamora-Galiza, sendo portanto servida por comboios regionais, de longo curso e de Alta Velocidade.

Em 2011, mais de 70 anos após a sua construção, a estação corunhesa passou a poder receber não só comboios a diesel, mas também composições eléctricas, devido à inauguração da linha de Alta Velocidade entre a Corunha e Ourense.

== Referências ==

Estação Ferroviária de Ourense

A Estação Ferroviária de Ourense, também conhecida como Ourense-Empalme é a principal interface ferroviária da cidade de Ourense, na Galiza. É o ponto onde se cruzam duas linhas convencionais- a Linha Monforte de Lemos-Redondela e a Linha Zamora-Corunha, bem como a Linha de Alta Velocidade Olmedo-Zamora-Galiza, já construída entre até à estação de Santiago de Compostela, e em obras entre a estação ourensana e a de Zamora

Estação Ferroviária de Redondela

A Estação Ferroviária de Redondela, denominada oficialmente Redondela de Galicia até 2013, é uma gare de caminhos de ferro que serve a localidade de Redondela, pertencente à província de Pontevedra, na Galiza. Nela se encontram as linhas Monforte de Lemos-Redondela e Redondela-Santiago de Compostela.

Estação Ferroviária de Santiago de Compostela

A Estação Ferroviária de Santiago de Compostela é uma interface ferroviária mista (de linhas convencionais e de Alta Velocidade) que serve a cidade de Santiago de Compostela, capital da Galiza. Situada na Linha Zamora-Corunha, nela se produz o entroncamento desta com a Linha Redondela-Santiago de Compostela . Actualmente, é também servida por duas linhas de Alta Velocidade- a Linha de Alta Velocidade Olmedo-Zamora-Galiza, construída de raiz e que a liga ao interior da Galiza e ao centro de Espanha; e o Eixo Atlântico de Alta Velocidade, que liga a Corunha a Vigo.É a estação ferroviária com mais passageiros da Galiza.

== Referências ==

Estação Ferroviária de Vigo-Guixar

A Estação Ferroviária de Vigo-Guixar é uma das duas gares ferroviárias que serve a cidade de Vigo, pertencente à província de Pontevedra, na Galiza. Localizada na zona portuária de Vigo, é a estação terminal da linha convencional que serve a cidade viguesa.

Serve também de términus para o comboio internacional Celta, que efectua a ligação até à estação portuguesa de Porto-Campanhã.

Estação Ferroviária de Vigo-Urzáiz

A Estação Ferroviária de Vigo-Urzáiz é um interface do Eixo Atlântico de Alta Velocidade que serve a cidade galega de Vigo.

Serve actualmente de términus para os serviços rápidos com destino à Estação Ferroviária da Corunha, estando projectada para, no futuro, ser estação de passagem quando a linha de alta velocidade for prolongada até Portugal.

Foi construída no local da antiga estação ferroviária com o mesmo nome, que até à abertura da Estação Ferroviária Vigo-Guixar, em 2011, foi a única estação ferroviária da cidade de Vigo. A demolição do antigo edifício começou a 28 de Agosto de 2011, tendo a nova estação sido inaugurada a 18 de Abril de 2015.

Estação Ferroviária de Vilagarcía de Arousa

A Estação Ferroviária de Vilagarcía de Arousa é uma interface ferroviária da Linha Redondela-Santiago de Compostela e do Eixo Atlântico de Alta Velocidade, que serve a cidade de Vilagarcía de Arousa, na Galiza.

N-VI

A N-VI é uma estrada radial que une Madrid com Corunha, atravessando as populações de Tordesilhas, Benavente, Astorga, Ponferrada e Lugo. A N-VI foi desdobrada em quase todos os troços à excepção do troço entre Collado Villalba e Adanero que o seu itinerário é paralelo à AP-6. Tão pouco terá sido desdobrada no troço entre Benavente e Corunha, em que é paralela à A-6

Porto da Corunha

O Porto da Corunha (em galego: Porto da Coruña), é um porto galego situado na cidade de Corunha, banhada pelo Oceano Atlântico. É um dos motores económicos da cidade, com seis quilómetros de cais e cerca de um milhão de metros quadrados de área marítima e terrestre. Está integrado na província marítima da Corunha.

O porto da Corunha conta com um sector condicionado para desembarcar graneis sólidos (carvão mineral, coque) e contentores. No ano de 2007, foram movidas 13.842.964 toneladas de mercadorias no porto, o que representa um aumento total de 3,68 % em relação ao ano de 2006, o que torna o grande porto de mercadorias da Galiza e uma referência ao norte da Península Ibérica, seguido de perto por Ferrol-San Cibrao (10.228.000 toneladas).

Porto de Vigo

O Porto de Vigo está situado na margem meridional da Ria de Vigo. Conta com umas excelentes condições naturais para o tráfego marítimo e um Porto consideravelmente maior que o Porto do Porto sendo por isso mais frequente a sua frequência.

Ramal Internacional de Valença

O Ramal Internacional de Valença, denominado em Espanha Línea Guillarei-Valença do Minho, é uma ferrovia internacional, em bitola ibérica, que liga a Linha do Minho em Valença, no noroeste de Portugal, com o sistema ferroviário espanhol na estação de Guilharei, no sudoeste da Galiza. Foi concluída com a inauguração da Ponte Rodo-Ferroviária de Valença, em 25 de Março de 1886, estabelecendo assim a ligação entre a Linha do Minho, do lado português, e a Linha Monforte de Lemos-Redondela, do lado galego.

Adif Estações da Linha 810
Transportes da Galiza
Aeroportos
Portos
Ferrovias
Estradas

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.