Cuzistão

Cuzistão ou Cuzestão (em árabe: خوزستان; transl.: Khuzistan; em persa: استان خوزستان; transl.: Ostān-e Khūzestān , lit. "Terra do Cuzistão"), é uma das províncias do Irã. A sua capital é Avaz. Por ser uma área de maioria árabe (que fala o dialeto cuzistani, próximo do árabe falado no Iraque), a província foi alvo de disputa na guerra que o regime de Saddam Hussein travou contra o Irão nos anos 1980.

IranKhuzestan
Localização do Cuzistão no mapa do Irão
Khuzestan
Condados de Cuzistão
Abadã

Abadã (em persa: آبادان; transl.: Ābādān) é uma cidade do Irão localizada na província do Cuzistão. Encontra-se na ilha de Abadã, sendo delimitada a oeste pelo Rio Arvande e ao leste pelo Rio Karun, próxima da fronteira com o Iraque. A população civil da cidade caiu para perto de zero durante os oito anos da Guerra Irã-Iraque. Em 1992, apenas 84 774 haviam retornado à cidade. Em 2001, a população saltou para 206.073, e foi à 217.988 de acordo com o censo de 2006. A Refinaria de Abadã, construída em 1912, é uma das maiores do mundo.

Abadã (condado)

O condado de Abadã (em persa: شهرستان آبادان) se localiza na província de Cuzistão, no Irã, tendo como sua capital a cidade homônima.No censo de 2006, a população do condado era de 275 126 habitantes, em 58 870 famílias, e o condado está dividido em dois distritos: o distrito central e o distrito de Arvandkenar, e também possui duas cidades: Abadã e Arvandkenar.

Acordos de Argel (1975)

Os Acordos de Argel de 6 de março de 1975 são um tratado assinado entre a Pérsia e o Iraque para pôr termo às disputas territoriais entre os dois países, principalmente a propósito da soberania sobre o Xatalárabe e sobre o Cuzistão. O tratado nunca foi cumprido pelas duas partes, que entraram em guerra por causa disso (Guerra Irão-Iraque) em 1980. A guerra em nada mudou o traçado da fronteira, regressando-se ao status quo ante bellum.[carece de fontes?]

Ahvaz

Ahvaz ou Ahwaz é a capital e a maior cidade da província do Cuzistão, no Irão. Localiza-se no sudoeste do país, nas margens do rio Karun. Tem cerca de 683 mil habitantes. É uma cidade muito antiga, mas o seu desenvolvimento recente deve-se à descoberta de petróleo nas suas proximidades no século XX.

É uma das cidades mais quentes do mundo, pois no verão costumam verificar-se regularmente temperaturas superiores a 45 °C, chegando por vezes a 50 °C. No inverno a temperatura pode descer a 5 °C mas nunca neva. O clima é desértico e a chuva muito rara, com uma média de 230 mm/ano.

Amade Naavandi

Amade ibne Maomé al-Naavandi (Ahmad ibn Muhammad al-Nahavandi) foi um astrônomo persa dos séculos VIII e IX. Seu nome indica que era oriundo de Naavande, uma cidade no Irã. Viveu e trabalhou na Academia de Gundexapur, no Cuzistão, Irã, no tempo de Iáia ibne Calide, que morreu em 803, onde é relatado terem sido feitas observações astronômicas em torno do ano 800. Ele e Maxalá ibne Atari estiveram entre os astrônomos mais iniciais da era islâmica que floresceu durante o reino de Almançor, o segundo califa abássida. Também compilou tábuas chamadas de abrangentes (Mushtamil).

Cerco da embaixada do Irão em Londres

O cerco da embaixada do Irão em Londres, também conhecido por Operação Nimrod, teve lugar entre os dias 30 de Abril e 5 de Maio de 1980, depois de um grupo de seis homens armados terem invadido a embaixada iraniana em South Kensington, Londres. Os seis homens fizeram 26 pessoas como reféns — na sua maioria funcionários da embaixada — incluindo vários visitantes e um polícia que guardava a embaixada. Os invasores, membros de um grupo árabe iraniano que defendia a soberania nacional árabe na região sul do Cuzistão, exigiam a libertação de prisioneiros árabes das prisões do Cuzistão, e a sua própria saída em segurança do Reino Unido. O governo britânico informou que a sua saída em segurança não podia ser garantida, e deu início a um cerco. Nos dias que se seguiram à tomada dos reféns, as negociações da polícia resultaram na libertação de cinco deles em troca de pequenas concessões, tais como a transmissão das exigências dos terroristas na televisão britânica.

No sexto dia do cerco, os seis invasores foram ficando cada vez mais frustrados pela falta de progresso em dar resposta às suas exigências. Nessa noite, executaram um dos reféns e atiraram o seu corpo da embaixada. A reacção do governo britânico não se fez esperar, dando ordens ao Special Air Service (SAS), um regimento de forças especiais do Exército Britânico, para conduzir um assalto para o resgate dos restantes reféns. Pouco depois, os soldados desceram pelo telhado do edifício e entraram à força pelas janelas. Durante o ataque de 17 minutos, o SAS conseguiu salvar todos os reféns, à excepção de um, e mataram cinco dos seis terroristas. Posteriormente, os soldados foram acusados de terem morto, sem necessidade, dois dos terroristas, mas um inquérito às suas mortes veio ilibar qualquer acção errada por parte do SAS. O terrorista que sobreviveu foi condenado a 27 anos de prisão no Reino Unido.

Tanto os terroristas, quanto a sua causa, caíram no esquecimento após o início da Guerra Irão-Iraque em 1980, e da crise dos reféns em Teerão, mas a operação deu a conhecer o SAS, pela primeira vez, ao público em geral, e fez aumentar a reputação da Primeira-Ministra, Margaret Thatcher. O número de candidaturas para fazer parte do SAS aumentou exponencialmente, devido ao impacto que aquelas tiveram na opinião pública, e, ao mesmo tempo, os seus serviços passaram a ser requisitados por governos estrangeiros. A embaixada iraniana, situada no número 16 da Princes Gate, só reabriu em 1993, depois de ter sofrido graves danos de um incêndio provocado pelo assalto.

Conflito no Cuzistão

O conflito no Cuzistão ou separatismo árabe no Cuzistão refere-se à disputa étnica na província iraniana do Cuzistão entre árabes da parte ocidental do Cuzistão e o governo iraniano. O governo iraniano nega discriminação étnica e conflito no país.

Divisões administrativas do Irã

O primeiro nível de subdivisões dos condados do Irã são as províncias.

Cada província se subdivide em condados (em persa: شهرستان shahrestān) e cada condado, por sua vez, está subdivido em distritos (em persa: بخش bakhsh). Há geralmente algumas cidades (em persa: شهر shahr) e distritos rurais (em persa: دهستان dehestān) em cada condado. Os distritos rurais são um conjunto de várias aldeias. Uma das cidades do condado é designada como sua capital.

De acordo com o governo do Irã, desde junho de 2012 (calendário iraniano 1391), os números são os seguintes:

De acordo com o Centro de Estatística do Irã, os números são os seguintes, desde março de 2005 (fim do calendário iraniano 1383):

Para compreender melhor tais subdivisões, a tabela a seguir pode ser útil. Suponha que a província P se divide em dois condados: A e B. O condado A possui 3 distritos: Central X e Y. O distrito Central é o distrito que contém a Cidade M, a capital do condado. Cada distrito pode conter uma ou mais cidades, ou um ou mais DRs (distritos rurais). No nosso exemplo, o distrito Central contém Cidade M, Cidade N e DR T composta das aldeias V1, V2, V3 e V4, por sua vez; distrito X contém Cidade O e DR U; e distrito Y não possui cidades e nem DR V. O condado pequeníssimo consiste em apenas uma cidade como o único distrito, chamado Central, que é mais comum. O condado B na tabela seguinte é de tal tipo, contendo apenas uma cidade Q.

Guerra Irã-Iraque

A Guerra Irã-Iraque (português brasileiro) ou Guerra Irão-Iraque (português europeu) foi um conflito militar travado entre o Irã e o Iraque, resultado de disputas políticas e territoriais entre ambos os países. A guerra começou quando os iraquianos invadiram o território iraniano em 22 de setembro de 1980. Saddam Hussein, ditador do Iraque, esperava que o caótico Irã pós-revolução não tivesse condições de resistir ao avanço de suas tropas e invadiu sem declarar guerra formalmente, mas o progresso foi lento e o ataque acabou sendo repelido. Em 1982, os iranianos lançaram sua contra-ofensiva e tomaram a iniciativa. A guerra passou então a abranger aspectos religiosos, nacionalistas e sectários, com os curdos e xiitas demonstrando apoio ao Irã no esforço de guerra. O resultado foi um banho de sangue, com grandes perdas de vidas (especialmente entre a população civil).O Conselho de Segurança das Nações Unidas buscou várias resoluções para tentar acabar com as hostilidades, mas a guerra só foi formalmente encerrada em 20 de agosto de 1988 após a Resolução 598 da ONU firmar um cessar-fogo aceito por ambos os lados. Na conclusão do conflito, as fronteiras retornaram ao status pré-guerra dos Acordos de Argel de 1975. Os últimos prisioneiros de guerra, contudo, só foram soltos em 2003, após a destituição de Saddam do poder no Iraque.A guerra foi extremamente custosa em termos de vidas e dinheiro para ambos os lados: Números oficiais apontam que mais de meio milhão de combatentes morreram, com um número similar de civis também perdendo a vida; milhares de pessoas foram feridas e outras milhares foram deslocadas de suas casas, causando uma crise humanitária. Centenas de bilhões de dólares também foram gastos, mas no final nenhum ganho territorial foi visto por qualquer um dos beligerantes. Este conflito foi comparado a Primeira Guerra Mundial em termos de táticas usadas, com uso grande de trincheiras com arame farpado e armadilhas, ninhos de metralhadoras e ataques de baioneta em ondas humanas pela terra de ninguém. Outro ponto marcante da guerra foi o uso indiscriminado de armas químicas, como o gás mostarda, por parte dos iraquianos contra tropas e civis iranianos e curdos. Muitos países muçulmanos e ocidentais apoiaram o Iraque com dinheiro, equipamentos e informações de inteligência (como imagens de satélite). Algumas nações apoiaram o Irã, muitas de forma clandestina (como o caso Irã-Contras).O conflito deixou ambos os lados extremamente fatigados, mas trouxe também alguns desdobramentos. O Iraque, embora financeiramente quebrado, tinha agora um poderoso exército a sua disposição. Já o Irã, apesar das perdas sofridas, viu sua revolução islamita sedimentada. A ONU, embora declaradamente não tenha tomado partido, não buscou imediatamente condenar as atrocidades cometidas a olhos vistos pelo Iraque, como seus ataques químicos contra civis, e se recusaram a identificar os iraquianos como os agressores (apesar deles terem sido os primeiros a atacar) até 11 de dezembro de 1991, quando Saddam Hussein passou a ser o principal antagonista da região após a Guerra do Golfo.

Ilam (província)

Ilam é uma das 31 províncias do Irã. Localiza-se no sudoeste do país, limítrofe com o Iraque e as províncias iranianas do Cuzistão, Lorestão e Kermanshah. Sua capital é a cidade de Ilam.

Com uma população de aproximadamente 540.000 habitantes, em sua maioria composta por curdos e luros, a província apresenta uma área de 19.086 km².

Império Buída

Império Buída ou Emirado Buída foi um Estado iraniano medieval xiita que existiu de 934 a 1055. Foi governado pela dinastia Buída, também referida como dinastia Buyida, Buyidas (em persa: آل بویه - "Al-e Buye"), Buvaidas, Buwaidas, Buyahidas e Buyyidas, que se originou em Dailam, em Gilan. Eles fundaram uma confederação que controlou a maior parte do Irã e do Iraque nos séculos X e XI.

Iranian Basketball Super League

O Iranian Basketball Super League é a liga profissional de basquete do Irã, fundada em 1989. É considerada uma das melhores ligas na Ásia.

Jibal

Jibal (em persa: جبال) foi o nome atribuído pelos árabes a uma região e província localizada no Irã Ocidental sob os Califados Omíada e Abássida. Seu nome significava "As Montanhas", e é o plural de jabal, "montanha, colina", destacando a natureza montanhosa da região. Entre os séculos XII e XIV, o nome Jibal foi progressivamente abandonado e veio a ser erroneamente referido como ʿIrāq ʿAjamī ("Iraque Persa") para distingui-lo do "Iraque Árabe" na Mesopotâmia.A região nunca teve quaisquer fonteiras precisamente definidas, mas foi detida para ser delimitada pelo deserto de Maranjabe no Oriente, por Fars e Cuzistão no sul, pelo Iraque no sudoeste e oeste, pelo Azerbaijão no noroeste e pela Cordilheira Elbruz a norte, fazendo-a grosseiramente confinante com o antigo país da Média. Sob o Califado Abássida, Jibal formou uma província separada, com sua capital geralmente em Ragas, até os abássidas perderem o controle no começo do século X. Por grande parte do século IX, contudo, a área foi governada por uma dinastia local autônoma, os duláfidas. No final do século X e começo do XI, a maior parte de Jibal tornar-se-ia um dos emirados buídas, enquanto o sul passou para os cacuídas.

Luros

Luros (em persa: لر) são um ramo dos povos iranianos que vivem principalmente no sudoeste do Irã. A maioria dos luros fala o Luri, uma língua do ramo sudoeste iraniano, estreitamente relacionada com o persa.

Os luros habitam principalmente as províncias iranianas do Lorestão, Cuzistão, Hamadã, Chahar Mahaal e Bakhtiari, Isfahan e Ilam.

Províncias do Irão

O Irã ou Irão está subdividido em 31 províncias, que são:

As províncias são governadas a partir de um centro local, geralmente a maior cidade. A autoridade provincial está nas mãos de um governador (استاندار: ostāndār, em farsi ou persa), que é escolhido pelo Ministério do Interior do Irão, sujeito a aprovação do governo.

Até 2004 existiam 28 províncias. A partir daquele ano a província do Coração foi dividida em 3 novas províncias: Coração do Norte, Razavi Coração e Coração do Sul.

Revolta no Cuzistão em 1979

A revolta no Cuzistão em 1979 foi uma das insurreições de âmbito nacional no Irã que eclodiu na sequência da Revolução Iraniana. Os distúrbios foram alimentados pelas exigências árabes de autonomia. A revolta foi efetivamente reprimida pelas forças de segurança iranianas, resultando em mais de uma centena de pessoas de ambos os lados mortas.

Tchogha Zanbil

Tchogha Zanbil (também Chogha Zanbil ou Choqa Zanbil) foi a capital religiosa do reino elamita, centrado num grande zigurate e rodeada por três enormes muralhas concêntricas. Fundada no século XIII a.C., a cidade permaneceu inacabada quando foi invadida por Ashurbanipal em 640 a.C..

Wasit

Wasit (em árabe: واسط; transl.: Wasit) é o sítio arqueológico de uma cidade medieval localizado no Iraque. Fundada no final do século VII ou começo do VIII, logo tornar-se-ia um importante centro de produção agrícola e um dos mais relevantes centros de cunhagem de moeda do Califado Omíada e um dos mais prolíficos do mundo islâmico de tal modo que, segundo R. Darley-Doran, sua presença foi sentida por todo o mundo islâmico anos depois de sua queda. Ela continuou a ser mencionada até o começo do século XII ou virada do XVII ao XVIII. É um dos locais culturais que aguardam inscrição na Lista do Patrimônio da UNESCO.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.