Cusã-Risataim

Cusã-Risataim (em hebraico: כּוּשַׁן רִשְׁעָתַיִם; transl.: Kushan rish'atayim) é um personagem do Antigo Testamento, mencionado no livro dos Juízes como sendo um rei da Assíria (ou da Mesopotâmia). Cusã também teve domínio sob Israel por oito anos[1] (14131405 a.C., segundo Ussher[2]), como um castigo divino sofrido pelos hebreus devido a seu politeísmo, porém, foi derrotado por Otniel, primeiro juiz de Israel no período pós-morte de Josué.[1]

Em hebraico, "Kush" significa "negro",[3] e "Rish'atayim", "dupla maldade".[4] Esta expressão hebraica não foi encontrada nas tábuas cuneiformes.[5] Rawlinson o identifica como Assurresisi I, o pai de Tiglate-Pileser I.[3]

Referências

  1. a b Juízes 3:8-9
  2. James Ussher, The Annals of the World [em linha]
  3. a b Easton's Bible Dictionary, Cush [em linha]
  4. Easton's Bible Dictionary, Chushan-rishathaim [em linha]
  5. Albert Barnes, Notes on the Bible (1834), Judges Chapter 3 [em linha]
Aram Naharaim

Aram-Naharaim (Aramaico: ארם נהריים) é uma região que é mencionada cinco vezes na Bíblia hebraica, ou Antigo Testamento. É comumente identificada como Nahrima mencionada em três placas de correspondência de Amarna com uma descrição geográfica do reino de Mitani. No Gênesis, ela é usada tanto de forma intercambiável com os nomes Padã-Arã e Harã , para designar o lugar onde Abraão ficou brevemente com o seu pai Terá e família, depois de sair de Ur dos Caldeus, enquanto se dirigia para Canaã (Gn 11:31), e o lugar onde mais tarde os patriarcas obteriam esposas, em vez de se casarem com as filhas de Canaã. Paddan Arã refere-se à parte de Arã-Naharaim ao longo da parte superior do Eufrates, enquanto Harã é, principalmente, identificada com a antiga Assírio cidade de Harran, no Rio Balikh. De acordo com a tradição rabínica Judaica, o local de nascimento de Abraão (Ur) foi também situado no Arã-Naharaim.

Livro dos Juízes

O Livro dos Juízes (em hebraico: ספר שופטים, Sefer Shoftim) é o sétimo livro da Bíblia hebraica e do Antigo Testamento da Bíblia cristã. Ele narra a história dos juízes bíblicos, os líderes inspirados cujo conhecimento direto de Javé permitiu-lhes agir como campeões dos israelitas contra a opressão de monarcas estrangeiros e como modelos do comportamento sábio e fiel requerido deles por Javé depois do êxodo do Egito e da conquista de Canaã. As histórias seguem um padrão consistente por todo o livro: o povo se mostra infiel a Javé, que, por isso, os entrega na mãos de seus inimigos; o povo se arrepende e implora misericórdia a Javé, que lhes envia um líder ou campeão ("juiz"); o juiz liberta os israelitas da opressão e eles prosperam, mas logo caem novamente na falta de fé e o ciclo se repete. Estudiosos consideram que muitas das histórias em Juízes são as mais antigas da história deuteronômica com uma grande redação no século VIII a.C.; alguns trechos, como o "Cântico de Débora", são muito mais antigos e podem ser de uma época próxima à que o livro relata.

Otniel

Otniel ou Otoniel ( /ˈɔːθniəl/ ou /ˈɒθniəl/; em hebraico עָתְנִיאֵל בֶּן קְנַז Otniel Ben Knaz / ʻOṯnîʼēl Ben Qənáz, "Leão / poder de Deus") é o quarto dos juízes bíblicos.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.