Comércio

O comércio baseia-se na troca voluntária de produtos. As trocas podem ter lugar entre dois parceiros (comércio bilateral) ou entre mais do que dois parceiros (comércio multilateral). Na sua forma original, o comércio fazia-se por troca direta de produtos de valor reconhecido como diferente pelos dois parceiros, cada um valoriza mais o produto do outro. Os comerciantes modernos costumam negociar com o uso de um meio de troca indireta, o dinheiro. É raro fazer-se troca direta hoje em dia, principalmente nos países industrializados. Como consequência, hoje podemos separar a compra da venda. A invenção do dinheiro (e subsequentemente do crédito, papel-moeda e dinheiro não-físico) contribuiu grandemente para a simplificação e promoção do desenvolvimento do comércio. Na idade média, o comércio (Mercatura) era classificado como uma das Artes mecânicas.[1]

A maioria dos economistas aceita a teoria de que o comércio beneficia ambos os parceiros, porque se um não fosse beneficiado ele não participaria da troca, e rejeitam a noção de que toda a troca tem implícita a exploração de uma das partes. O comércio, entre locais, existe principalmente porque há diferenças no custo de produção de um determinado produto comerciável em locais diferentes. Como tal, uma troca aos preços de mercado entre dois locais beneficia a ambos.

Commerce-alimentation-generale-paris
Um estande de frutas em um mercado em Paris, França

Sinais empíricos do sucesso do comércio podem surgir quando se compara países como a Coreia do Sul - que adota um sistema de comércio livre quase sem restrições - e a Índia - que segue uma política mais proteccionista. Países como a Coreia do Sul tiveram um desempenho muito melhor (se medido por critérios económicos) do que países como a Índia, ao longo dos últimos cinquenta anos.

O comércio mundial é regulamentado pela Organização Mundial de Comércio.

O comércio pode estar relacionado à economia formal, legalmente estabelecido, com firma registrada, dentro da lei e pagando impostos, ou pode ainda estar relacionado à economia informal, que são as atividades à margem da formalidade, sem firma registrada, sem emitir notas fiscais, sem pagar imposto.

Wojciech Gerson - Gdańsk in the XVII century
Gdańsk
EstatuaComercioBolsaCafe
Estátua representando o Comércio na torre da Bolsa de Café em Santos, obra de Adrien Henri Vital van Emelen.

Ver também

Referências

  1. Maiorino, Giancarlo. At the Margins of the Renaissance: Lazarillo de Tormes and the Picaresque Art of Survival. (em inglês) Penn State Press, 2010, página 13. ISBN 9780271047577 (04/02/2016).
Amazon

Amazon.com, Inc. (nome fantasia: Amazon; NASDAQ: AMZN) é uma empresa transnacional de comércio electrónico dos Estados Unidos fundada por Jeff Bezos em julho de 1994 com sede em Seattle, estado de Washington.

Comércio atlântico de escravos

O comércio de escravos no Atlântico ou comércio transatlântico de escravos, também chamado de tráfico negreiro, ocorreu em todo o Oceano Atlântico entre os séculos XVI e XIX. A grande maioria dos escravos que foram levados para o Novo Mundo — a maior parte pela rota de Comércio Triangular —, eram membros de povos da África Ocidental, nas partes central e ocidental do continente, vendidos por outros africanos ocidentais para os comerciantes de escravos da Europa Ocidental ou capturados diretamente pelos europeus.

O número de pessoas trazidas foi tão grande que, antes do final do século XVIII, os africanos que vieram por meio do comércio de escravos tornaram-se os mais numerosos membros oriundos do Velho Mundo tanto no Norte quanto no Sul da América. Uma quantidade muito maior de escravos foi levada para a América do Sul em relação ao norte. O sistema econômico do Atlântico Sul era centrado na produção de culturas de commodities e produtos têxteis para vender na Europa. Aumentar o número de escravos africanos trazidos para o Novo Mundo foi crucial para os países da Europa Ocidental que, nos séculos XVII e XVIII disputavam entre si a criação de impérios ultramarinos.Estima-se que 15% dos africanos morreram no mar, com taxa de mortalidade consideravelmente maior na própria África no processo de captura e transporte de povos indígenas para os navios. O número total de mortes africanas diretamente atribuíveis à viagens do período chamado de "Passagem Média" é estimado em até dois milhões; um olhar mais amplo em africanos mortos diretamente atribuíveis à instituição da escravidão entre 1500 e 1900 sugere até quatro milhões de mortes de africanos. Por duzentos anos, 1440-1640, traficantes de escravos portugueses tiveram um quase monopólio sobre a exportação de escravos da África. Durante o século XVIII, quando o tráfico de escravos transportou cerca de 6 milhões de africanos, os traficantes britânicos carregaram quase 2,5 milhões. O comércio de escravos é às vezes chamado de Maafa por estudiosos afro-americanos, o que significa "grande desastre" em suaíli. Outros, como Marimba Ani e Maulana Karenga, usam os termos Holocausto Africano ou Holocausto da Escravidão para se referir ao período.O Império Português foi o primeiro a se engajar no comércio de escravos para o Novo Mundo no século XVI e outros logo o seguiram. Os donos dos navios negreiros consideravam os escravos como uma carga que deveria transportada para a América da maneira mais rápida e barata possível, para então serem vendidos para o trabalho escravo em lavouras de café, tabaco, cacau, açúcar e algodão, nas minas de ouro e prata, campos de arroz, de indústria de construção, corte de madeira e como empregados domésticos. Os primeiros africanos importados para as colônias inglesas eram classificados como "servos contratados" e também como "aprendizes para toda a vida". Em meados do século XVII, a escravidão tinha se consolidado como uma casta racial; os escravos negros e seus descendentes eram oficialmente uma propriedade de seus proprietários e as crianças nascidas de mães escravas também eram consideradas escravas. Enquanto uma propriedade, as pessoas eram consideradas um tipo de mercadoria ou unidades de trabalho e eram vendidas em mercados populares, ao lado de outros produtos e serviços. Os principais comerciantes de escravos do Atlântico, ordenados por volume de comércio, foram: os impérios Português, Britânico, Francês, Espanhol e Neerlandês, além dos Estados Unidos (especialmente a região sul). Eles estabeleceram postos avançados na costa africana onde adquiriram escravos de líderes africanos locais. As estimativas atuais são de que aproximadamente 12 milhões de africanos foram enviados através do Atlântico, embora o número de pessoas compradas pelos comerciantes de escravos seja consideravelmente maior.

Comércio eletrônico

Comércio eletrônico (português brasileiro) ou comércio eletrónico (português europeu), e-commerce, comércio virtual ou venda não-presencial (que se estende até venda por

telemarketing), é um tipo de transação comercial (com ou sem fins lucrativos) feita especialmente através de um equipamento eletrônico, como, por exemplo, computadores, tablets e smartphones. Com a crescente informatização das mais diversas atividades transforma a tecnologia da informação (TI) em uma área cada vez mais relevante economicamente. A expansão levou à especialização e, atualmente, é possível encontrar várias subáreas de TI dedicadas a tarefas específicas – e que demandam profissionais com conhecimentos igualmente aprofundados.

Seus fundamentos estão baseados em segurança, criptografia, moedas e pagamentos eletrônicos. Ele ainda envolve pesquisa, desenvolvimento, marketing, propaganda, negociação, vendas e suporte. É o segmento que cuida de todas as informações eletrônicas armazenadas por uma empresa. No caso de instituições financeiras, por exemplo, esses dados incluem nomes de clientes e até valores de transações monetárias efetuadas por grandes corporações.

O Comércio eletrônico compreende qualquer tipo de negócio/transação comercial que implica a transferência de informação através da internet. Existem diferentes tipos de negócio que se estabelecem por e-commerce, B2B (Business to Business) ou B2C (Business to Consumer) que se dirige diretamente ao consumidor, este último está em franco crescimento nas diversas áreas de negócio bens e serviços, com a proliferação também da oferta de criação de lojas on-line. A criação de uma loja on-line está a ser encarada pelas empresas não apenas como uma atualização, acompanhamento das novas tendências, mas também como uma área de negócio alternativa explorando as suas vantagens face aos métodos tradicionais.

Com o desenvolvimento da Internet, as empresas passaram a ver o ambiente digital como um terreno fértil com inúmeras oportunidades de exploração. Por ser um ambiente caracterizado pela agilidade, a Internet tem grande potencial de retorno sobre o investimento, devido a maior visibilidade do produto serviço. Porém, essa mesma visibilidade pode trazer maior número de críticas, aumentar o grau de insatisfação de clientes e até elevar os números de evasão. (TURCHI, 2012/REEDE E SCHULHO,2007)

Empresas que utilizam o comércio eletrônico como ferramenta precisam estar atentas às necessidades e expectativas dos clientes, com o tipo de comunicação que se faz, com as opiniões dos clientes, satisfeitos ou insatisfeitos, e mais ainda daqueles que nunca compraram da empresa, mas que a acompanham e falam dela. São eles os não-cliente. (KOTLER E KELLER, 2012)

Em marketing, o não-cliente, inativo como comprador, mas ativo como opinante, deve ser considerado pelas empresas que buscam atingir bons resultados, além da consolidação da imagem institucional. Ao desconsiderá-los, perde-se de vista que eles podem ter opiniões desfavoráveis sobre os produtos ou marca da empresa e podem disseminar estas opiniões nas redes sociais, ofertando diretamente a imagem da empresa perante os consumidores. (LIMEIRA,2007 / TORRES,2009)

Quem inicia uma loja on-line deverá ter em consideração aspectos básicos, mas determinantes para o sucesso do negócio, nomeadamente:[carece de fontes?]

a definição clara do produto e/ou serviço e a sua disponibilidade imediata ou num prazo definido on-line, normalmente dirigido a um nicho bem definido;

atenção os aspectos logísticos do negócio, muito importantes em determinado tipo de bens;

as formas de pagamento disponíveis e os eventuais problemas de segurança que se colocam;

uma estratégia de webmarketing clara que permita conduzir tráfego qualificado para a loja.

Comércio internacional

O comércio internacional é a troca de bens e serviços através de fronteiras internacionais ou territórios. Na maioria dos países, ele representa uma grande porcentagem do PIB. O comércio internacional está presente em grande parte da história da humanidade (ver rota da seda), mas a sua importância econômica, social e política se tornou crescente nos últimos séculos. O avanço industrial, dos transportes, a globalização, o surgimento das corporações multinacionais, o outsourcing tiveram grande impacto no incremento deste comércio. O aumento do comércio internacional pode ser relacionado com o fenômeno da globalização.

O comércio internacional é uma disciplina da teoria econômica, que, juntamente com o estudo do sistema financeiro internacional, forma a disciplina da economia internacional.

O volume do comércio mundial aumentou vinte vezes desde 1950 até hoje. Este aumento de bens manufaturados/manufacturados ultrapassa o aumento da taxa de produção dessas mercadorias em três vezes.

Departamento do Censo dos Estados Unidos

O Departamento do Censo dos Estados Unidos (DCEU), oficialmente Bureau of the Census, é a principal agência governamental do sistema estatístico federal do país e responsável por produzir dados sobre a população e economia. O deparamento faz parte do Departamento do Comércio e seu diretor é nomeado pelo presidente dos Estados Unidos.

A principal missão do departamento é conduzir o censo populacional dos Estados Unidos a cada dez anos, que aloca os assentos da Câmara dos Representantes aos estados com base em sua população. Os vários censos e pesquisas da repartição ajudam a alocar mais de 400 bilhões de dólares em verbas federais todos os anos, ajudando comunidades locais e empresas a tomarem decisões informadas. As informações fornecidas pelo censo informam as decisões sobre onde construir e manter escolas, hospitais, infraestrutura de transporte e departamentos de polícia e bombeiros.

Download digital

Uma descarga digital (também conhecida como download digital, single digital ou download digital pago) é um formato legal de single disponível apenas para compra online.

As descargas digitais são oferecidas com gerenciamento de direitos autorais digitais, que restringe a cópia das faixas e permite reproduzir músicas compradas apenas em dispositivos de música fabricados pela mesma empresa da loja. Por exemplo, músicas compradas pelo iTunes apenas serão tocadas num iPod.

As descargas legais de música existem desde 2000. As descargas digitais pagas devem sofrer com o desenvolvimento de novas técnicas que permitem a extração digital das faixas tocadas nas rádios que, apesar de oferecerem baixa qualidade de som, também é uma prática legal.

Em janeiro de 2017, os DVDs e Blu-rays deixaram de ser o meio mais lucrativo para distribuição de mídia no Reino Unido, sendo ultrapassados pelo download digital e streaming.As lojas online mais procuradas que vendem singles e álbuns digitalmente incluem o Google Play, iTunes Store, o Napster, a Windows Store (para Windows 8 ou superior) e o MusicGiants.

Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado

A Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP) é uma instituição brasileira de ensino superior, sem fins lucrativos, cujo campo de estudo é gestão de negócios. Fundada em 02 de junho de 1902, a FECAP detém a mais antiga certificação de utilidade pública do Brasil, desde 1915. A instituição também foi a primeira a abrir os cursos de Economia (1934) e Contabilidade (1939) no país.

Com mais de 100 anos de atuação na área de ensino, a FECAP, atualmente, oferece os cursos de graduação: Administração, Ciências Contábeis, Economia, Relações Internacionais, Publicidade, Relações Públicas e Secretariado Executivo Trilíngue. Além disso, a FECAP atua em outras esferas da educação, como colégio, especialização, mestrados em Ciências Contábeis e Administração e Centro de Educação Continuada.

No ano de 2008 a FECAP ficou na quinta posição entre as universidades brasileiras, segundo o Ranking das Universidades do Guia do Estudante da Editora Abril . Nos anos de 2008, 2009 e 2010, segundo o IGC (Índice Geral de Cursos) do Ministério da Educação do Brasil (MEC), a instituição ficou classificada na trigésima sexta posição entre as Universidades, Institutos e Faculdades de todo Brasil. Com isso, a FECAP coloca-se na primeira posição na categoria Centro Universitário no Brasil.

O IGC também considerou a FECAP o melhor Centro Universitário privado do Brasil em 2008/2009. Mais ainda, no último ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes) a FECAP atingiu a nota máxima, duplo 5, o que foi conquistado por apenas duas instituições na capital paulista.

Glasgow

Glasgow (Glásgua em português lusitano, Glaschu em gaélico escocês) é a maior cidade da Escócia, e a terceira mais populosa do Reino Unido, depois da capital Londres e de Birmingham, e a mais populosa cidade britânica fora da Inglaterra. Seu nome completo é City of Glasgow ("Cidade de Glasgow"), e forma a mais populosa das 32 Autoridades Unitárias da Escócia. A cidade se situa às margens do rio Clyde, nas Lowlands centro-ocidentais. O nativo da cidade é chamado, em inglês, de Glaswegian, nome que também designa o dialeto peculiar local.

Povoado formado originalmente no século VI, Glasgow evoluiu a partir do bispado de Glasgow, na Idade Média, e do estabelecimento posterior da Universidade de Glasgow, que contribuiu para o Iluminismo Escocês. Desde o século XVIII a cidade tornou-se um dos principais centros do comércio transatlântico com a América. Com a Revolução Industrial, a cidade e a região que a cerca cresceram e acabando por torná-la um dos principais centros de engenharia e construção naval, onde foram construídas diversas embarcações famosas e revolucionárias. Glasgow foi conhecida como a "Segunda cidade do Império Britânico", na era vitoriana. Hoje em dia faz parte dos dezesseis principais centros financeiros da Europa, e nela se localizam muitas das principais empresas escocesas. Glasgow também é o local de nascimento de Angus Young e Malcolm Young, fundadores do AC/DC, e de Mark Knopfler, fundador do Dire Straits.

No fim do século XIX e início do XX, a população de Glasgow ultrapassou a marca de um milhão, e passou a ser a quarta maior cidade do continente, após Londres, Paris e Berlim. Na década de 1960 diversos projetos que reassentaram parte da população em cidades novas e subúrbios periféricos, juntamente com mudanças nas fronteiras locais, reduziram a população atual da Área de Autoridade Unitária da Cidade de Glasgow para 580 690 habitantes. 1,750,500 pessoas vivem na área urbana da Grande Glasgow. A região imediatamente em torno da conurbação engloba aproximadamente 2,3 milhões de habitantes, 41% da população do país.

Lista de ministros das Obras Públicas de Portugal

Esta é uma lista de ministros detentores da pasta das Obras Públicas em Portugal, entre a criação do Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria a 30 de agosto de 1852 e a atualidade, enquanto Ministério do Planeamento e das Infraestruturas. A lista cobre a Monarquia Constitucional (1830–1910), a Primeira República (1910–1926), o período ditatorial da Ditadura Militar, Ditadura Nacional e Estado Novo (1926–1974) e o atual período democrático (1974–atualidade).

Lista de ministros do Comércio de Portugal

Esta é uma lista de ministros detentores da pasta do Comércio em Portugal, entre a criação do Ministério do Comércio a 25 de abril de 1917 e a extinção do Ministério do Comércio e Turismo a 25 de outubro de 1995, com a tomada de posse do XIII Governo Constitucional. Para os ministros das das Obras Públicas, Comércio e Indústria (1852–1910) e do Fomento (1910–1917), que efetivamente detiveram a pasta do Comércio integrada nos seus ministérios, veja-se a lista de ministros das Obras Públicas de Portugal.

A lista cobre a Primeira República (1910–1926), o período ditatorial da Ditadura Militar, Ditadura Nacional e Estado Novo (1926–1974) e o atual período democrático (1974–atualidade)

Mercado Comum do Sul

Mercado Comum do Sul (Mercosul; em castelhano: Mercado Común del Sur, Mercosur; em guarani: Ñemby Ñemuha) é uma organização intergovernamental fundada a partir do Tratado de Assunção de 1991. Estabelece uma integração, inicialmente econômica, configurada atualmente em uma união aduaneira, na qual há livre comércio intrazona e política comercial comum entre os países-membros. Situados todos na América do Sul, sendo atualmente quatro membros plenos. Em sua formação original, o bloco era composto por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai; mais tarde, a ele aderiu a Venezuela, que no momento se encontra suspensa. O bloco se encontra em fase de expansão, uma vez que a Bolívia aguarda a ratificação parlamentar de seu protocolo de adesão como membro pleno, documento que necessita ainda para sua vigência das aprovações legislativas no Brasil, os demais parlamentos já o aprovaram.As origens do Mercosul estão ligadas às discussões para a constituição de um mercado econômico regional para a América Latina, que remontam ao tratado que estabeleceu a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (ALALC) desde a década de 1960. Esse organismo foi sucedido pela Associação Latino-Americana de Integração (ALADI) na década de 1980. À época, a Argentina e o Brasil fizeram progressos na matéria, assinando a Declaração do Iguaçu (1985), que estabelecia uma comissão bilateral, à qual se seguiram uma série de acordos comerciais no ano seguinte. O Tratado de Integração, Cooperação e Desenvolvimento, assinado entre ambos os países em 1988, fixou como meta o estabelecimento de um mercado comum, ao qual outros países latino-americanos poderiam se unir. Aderiram o Paraguai e o Uruguai ao processo e os quatro países se tornaram signatários do Tratado de Assunção (1991), que estabeleceu o Mercado Comum do Sul, uma aliança comercial visando a dinamizar a economia regional, movimentando entre si mercadorias, pessoas, força de trabalho e capitais.

Inicialmente foi estabelecida uma zona de livre comércio, em que os países signatários não tributariam ou restringiriam as importações um do outro. A partir de 1° de janeiro de 1995, esta zona converteu-se em união aduaneira, na qual todos os signatários poderiam cobrar as mesmas quotas nas importações dos demais países (tarifa externa comum). No ano seguinte, a Bolívia e o Chile adquiriram o estatuto de associados. Outras nações latino-americanas manifestaram interesse em entrar para o grupo. Em 2004, entrou em vigor o Protocolo de Olivos (2002), que criou o Tribunal Arbitral Permanente de Revisão do Mercosul, com sede na cidade de Assunção (Paraguai), por conta da insegurança jurídica no bloco sem a existência de um tribunal permanente. Dentre acordos econômicos firmados entre o Mercosul e outros entes, estão os tratados de livre comércio (TLC) com Israel assinado no dia 17 de dezembro de 2007 e com o Egito assinado em 2 de agosto de 2010.Em 23 de maio de 2008 foi assinado o Tratado Constitutivo da União de Nações Sul-Americanas (UNASUL), composta pelos doze Estados da América do Sul e fundada dentro dos ideais de integração sul-americana multissetorial. A organização conjuga as duas uniões aduaneiras regionais: o Mercosul e a Comunidade Andina (CAN). O cargo de Secretário-geral da Unasul fornece à entidade uma liderança política definida no cenário internacional, sendo um primeiro passo para a criação de um órgão burocrático permanente para uma união supranacional, que eventualmente substituirá os órgãos políticos do Mercosul e da CAN.

Mercador

Mercador é uma pessoa ou "Homem de negócios" que tratava ou comercializava com géneros negociáveis, ou seja, bens ou mercadorias.

É um termo praticamente obsoleto que foi substituído pelos termos comerciante, distribuidor ou até mesmo vendedor.

Anteriormente, de acordo com a lei marítima e comercial, se denominava mercador o:

o proprietário das mercadorias que embarcavam

o transportador dos géneros e produtos

o fretador de um navio com a sua mercadoria

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) é um ministério do Poder Executivo do Brasil cuja competência é formular e implementar as políticas para o desenvolvimento do agronegócio, integrando os aspectos de mercado tecnológicos, organizacionais e ambientais, para o atendimento dos consumidores do país e do exterior, promovendo segurança alimentar, geração de renda e emprego, redução das desigualdades e inclusão social.

O MAPA exerce suas atividades nos estados brasileiros através das Superintendências Federais de Agricultura (SFAs).

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços

Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) foi criado pela lei nº 3.782 de 22 de julho de 1960 durante o governo do presidente Juscelino Kubitschek. Durante o governo do presidente Fernando Collor de Mello foi extinto e suas atribuições divididas em outros ministérios. Foi recriado no governo do presidente Itamar Franco.Em 30 de outubro de 2018 foi anunciado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para o Ministério da Economia, a ser criado com a fusão dos ministérios da Fazenda, do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

Ministério do Trabalho (Brasil)

Ministério do Trabalho foi um ministério do governo do Brasil, reestruturado pelo presidente Michel Temer por meio da medida provisória nº 726, de 2016, convertida na lei nº 13.341, de 29 de setembro de 2016 e extinto durante o governo Jair Bolsonaro, tendo suas atribuições divididas entre o Ministério da Economia, o Ministério da Cidadania e o Ministério da Justiça e Segurança Pública.Sua competência abrangia os seguintes assuntos: política e diretrizes para a geração de emprego e renda e de apoio ao trabalhador; política e diretrizes para a modernização das relações do trabalho; fiscalização em segurança e saúde no trabalho; fiscalização do trabalho, inclusive do trabalho portuário, bem como aplicação das sanções previstas em normas legais ou coletivas; política salarial; formação e desenvolvimento profissional; política de imigração; e cooperativismo e associativismo urbanos. Publicava, anualmente, a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) informada obrigatoriamente pelas empresas brasileiras.

Em 3 de dezembro de 2018, o ministro extraordinário da transição do governo Michel Temer, Onyx Lorenzoni, confirmou que após 88 anos de atividade, o Ministério do Trabalho seria extinto durante o governo de Jair Bolsonaro.

Em 01 de Janeiro de 2019 foi extinto oficialmente, tornando uma secretaria especial do Ministério da Economia (Brasil).

Mármore

Mármore é uma rocha metamórfica originada de calcário exposto a altas temperaturas e pressão de baixa a moderada. Por este motivo as maiores jazidas de mármore são encontradas em regiões de rocha matriz calcária e onde houve atividade vulcânica. O mármore é uma rocha explorada para uso em construção civil.

Organização Mundial do Comércio

Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização criada com o objetivo de supervisionar e liberalizar o comércio internacional. A OMC surgiu oficialmente em 1 de janeiro de 1995, com o Acordo de Marraquexe, em substituição ao Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT), que começara em 1947. A organização lida com a regulamentação do comércio entre os seus países-membros; fornece uma estrutura para negociação e formalização de acordos comerciais e um processo de resolução de conflitos que visa reforçar a adesão dos participantes aos acordos da OMC, que são assinados pelos representantes dos governos dos Estados-membros e ratificados pelos parlamentos nacionais. A maior parte das questões em que a OMC se concentra são provenientes de negociações comerciais anteriores, especialmente a partir da Rodada Uruguai (1986-1994). A rodada de negociações atualmente em curso - a primeira da OMC (as anteriores eram rodadas do GATT) - é a Rodada Doha.

Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) é uma instituição brasileira de educação profissional aberta a toda a sociedade. Foi criado em 10 de janeiro de 1946 através do decreto-lei 8.621. É uma entidade privada com fins públicos que recebe contribuição compulsória das empresas do comércio e de atividades assemelhadas. A nível nacional é administrado pela Confederação Nacional do Comércio.

Sua missão é desenvolver pessoas e organizações para o mundo do trabalho com ações educacionais e disseminação de conhecimentos em Comércio de Bens, Serviços e Turismo.

Ao longo de 70 anos de atividades, com presença em todos os estados do Brasil, o Senac preparou mais de 40 milhões de pessoas para o setor de Comércio e Serviços, contribuindo para a valorização do trabalhador por meio de sua capacitação profissional em doze áreas de formação incluindo cursos de idiomas.

Através de diferentes modalidades de ensino, dentre as quais destaca-se o programa Senac Móvel, a instituição se faz presente em mais de 1.850 municípios, capacitando para o mercado do trabalho cerca de 1,7 milhões de brasileiros a cada ano.

A instituição atua também no ensino superior desde 1989. O Senac mantém o Centro Universitário Senac, que oferece cursos de graduação (bacharelados e de tecnologia) e de pós-graduação (aperfeiçoamento, especialização e mestrado profissional e acadêmico). No interior de São Paulo, os dois campi do Senac ficam junto aos hotéis-escola Grande Hotel São Pedro e Grande Hotel Campos do Jordão — nestes casos atendendo à área de turismo, hotelaria e gastronomia. Na capital paulista, o Senac abriga cursos superiores de todos os segmentos com a mais moderna infraestrutura educacional, incluindo biblioteca com noventa mil itens, centro de gastronomia, centenas de salas de aula, dezenas de laboratórios, centro poliesportivo, centro de convenções e outros ambientes.

Setor terciário

Em economia, o setor terciário corresponde às atividades de comércio de bens e à prestação de serviços. Abrange uma vasta gama de atividades que vão desde o comércio de mercadorias à administração pública, passando por transportes, atividades financeiras e imobiliárias, serviços a empresas ou pessoais, educação, saúde e promoção social. De fato, o terciário é constituído por atividades complementares aos outros setores (primário e secundário da atividade econômica).

Agentes econômicos
Fatores de produção
Remuneração dos Fatores
Setores econômicos
Tipos de bens
Tipos de serviços
Outros conceitos

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.