Antonio Fraguas Fraguas

Antonio Fraguas Fraguas (Loureiro, Cotobade, Pontevedra, 28 de dezembro de 1905 - Santiago de Compostela, Corunha, 5 de novembro de 1999), também conhecido em galego como Antón Fraguas, foi um escritor, historiador, antropólogo e etnógrafo espanhol de ideologia galeguista.[1]

Antonio Fraguas
Antonio Fraguas Fraguas
Nome completo Antonio Fraguas Fraguas
Pseudónimo(s) Antón Fraguas
Nascimento 28 de dezembro de 1905 (113 anos)
Loureiro, Cotobade, Pontevedra, Espanha
Morte 5 de novembro de 1999
Santiago de Compostela, A Coruña, Espanha
Nacionalidade Espanha Espanhol
Cônjuge Teresa Martínez Magariños
Ocupação Escritor, historiador, antropólogo e etnógrafo
Tumba de Antonio Fraguas en Boisaca - Santiago - Galicia (Spain)
Sepultura de Antonio Fraguas em Boisaca, Santiago de Compostela.

Trajetória

Estudou bacharelato em Pontevedra, onde foi aluno de Castelao[2] e Antonio Losada Diéguez, seguiu a carreira de Filosofia e Letras em Santiago de Compostela, onde se licenciou em 1928.[3]

Em 1923 (com 18 anos) foi um dos fundadores da Sociedade da Língua, em Pontevedra, com o objetivo de promover a defesa do galego e publicar um dicionário, que nunca viu a luz.[4] Quando foi para Santiago ingressou nas Irmandades da Fala e começou a colaborar com o Seminário de Estudos Galegos, onde foi admitido como membro em 1928, nas secções de Geografia e de Etnografia e Folclore. Dentro do Seminário começou o estudo da geografia histórica da Galiza, dedicando-se especialmente às Rías Bajas e às terras de Cotobade. Como etnógrafo, começou a estudar os costumes à volta do carnaval.

Foi professor no instituto de A Estrada de 1933 até ao início da Guerra Civil Espanhola. Após a revolta militar de 1936 sofreu uma repressão pelas suas atitudes galeguistas, sendo expulso do seu trabalho. Teve que trabalhar no ensino privado até que em 1950 conseguiu recuperar a cadeira do instituto e poder doutorar-se, o que fez na Universidade de Madrid com uma tese sobre o Colégio de Fonseca. Mais tarde foi professor em Lugo e Santiago, até à sua jubilação em 1975.

Instituto Padre Sarmiento de Estudos Galegos 2
Instituto Pai Sarmiento de Estudos Galegos, em Santiago de Compostela.

Fraguas foi um dos protagonistas da transformação do Seminário de Estudos Galegos, depois do seu desmantelamento pelo governo de Francisco Franco, no Instituto Pai Sarmiento de Estudos Galegos, onde foi bibliotecário, secretário e diretor da secção de Etnografía e Folclore, publicando as suas investigações na revista editada pelo Instituto, Cadernos de Estudos Galegos[5].


A 19 de abril de 1951 foi nomeado membro pleno da Real Academia Galega, onde ocupou o lugar que tinha deixado Castelao.[6][2] Foi apresentado por Salustiano Portela Pazos, Ramón Otero Pedrayo e Luis Iglesias Iglesias, e o seu discurso de entrada, Roseiras e paxariños nas cantigas dun serão, foi contestado por Otero Pedrayo.


Em 1963 foi nomeado diretor do Museu Municipal de Santiago, instalado no convento de Santo Domingo de Bonaval, que em 1975 passou a ser denominado Museu do Povo Galego. Xaquín Lorenzo era o presidente da Fundação e, após a sua morte em 1989, Fraguas ocupou os cargos de diretor e presidente. Em 1994 doou ao Museu a sua biblioteca particular, composta por 20.000 volumes.[6][3]

Outros cargos que ocupou Fraguas ao longo de sua vida foram, entre outros, a coordenação da secção de Antropologia do Conselho da Cultura Galega (1983), membro pleno da Real Academia Galega das Ciências, correspondente à Real Academia da História, a Associação dos Arqueólogos Portugueses ou a Sociedade Portuguesa de Etnologia e Arqueologia.[6][1]

Honras

Antonio Fraguas Fraguas foi nomeado Pontevedrés do ano em 1973; foi premiado com o Pedrón de Ouro, em 1984, e com a Insígnia de Ouro do Museu do Povo Galego no mesmo ano; recebeu o Prémio Trasalba em 1985, e a Medalha Castelao; O Prémio Otero Pedrayo, em 1992 (ano em que também foi nomeado Cronista Oficial da Galiza); e o Prémio das Artes e das Letras de Galiza, em 1995.[6][6] Em 1989 foi nomeado filho adotivo de Santiago de Compostela.[6]

Após a sua morte, criou-se a Fundação Antonio Fraguas no Museu do Povo Galego, com o objetivo de “projetar, preservar e revitalizar o património que Fraguas e toda a geração por ele representada criaram e resgataram para a preservação futura da memória da Galiza”.[7]


Da mesma forma, a Conselho Provincial de A Corunha promoveu em sua memória o Concurso de Artesanato Antonio Fraguas Fraguas.

Obras

  • Geografia da Galiza (1953)
  • Galiza insólita (1973)
  • Lugo (1974)
  • Murguía, o Patriarca (1979)
  • Literatura oral na Galiza (1980)
  • O traje galego (1985)
  • Contribuições a o cancioneiro de Cotobade (1985)
  • Aquilino Igreja Alvariño: vida e obra (1986)
  • Romarías e santuários (1988)
  • Celso Emilio Ferreiro (1989)
  • A Porta Santa (1993)
  • Do Entrudo (1994)
  • As coisas de Antonio de Insuela (1996)
  • A festa popular na Galiza (1996)

Além das publicações anteriores, Fraguas escreveu numerosos artigos de divulgação em jornais e revistas especializados e não especializados, bem como colaborações em publicações conjuntas com outras personalidades da etnografia galega.

Referências

  1. a b Antón Fraguas, in memoriam. Compostelacultura.org. Consultado o 24-9-2011.
  2. a b [ligação inativa] (PDF). Galicia aberta.com. Consultado el 22-9-2011.
  3. a b Antonio Fraguas e Fraguas. www.galegos.info. Consultado o 24-9-2011.
  4. Antonio Fraguas na Enciclopedia Galega Universal.
  5. «Antonio Fraguas Fraguas: a figura». Museo do Pobo Galego. Consultado em 24 de abril de 2019
  6. a b c d e f Antonio Fraguas Fraguas: a figura. Museu do pobo.es. Consultado o 26-9-2011.
  7. Fundação Antonio Fraguas. Museu do pobo.es. Consultado o 28-9-2011.
Clodio González Pérez

Clodio González Pérez (Cenlle, Ourense, 16 de Setembro de 1947) é mestre, etnógrafo e historiador.

Exerce de mestre no Colégio de Urdilde.

Teve postos de responsabilidade como secretário da Seção de Etnografia e Folclore do Instituto Padre Sarmiento de Estudos Galegos e coordenador das coleções 'Os nosos humoristas' e 'Raizames'. Membro do padroado do Museo do Pobo Galego e da Seção de Antropologia Cultural do Consello da Cultura Galega..É colaborador do jornal Galiza Hoxe. Faz parte do Conselho Consultivo da Gran Enciclopedia Gallega..

Grande Enciclopédia Galega Silverio Cañada

A Grande Enciclopédia Galega Silverio Cañada (em galego: Gran Enciclopedia Gallega Silverio Cañada, Gran Enciclopedia Galega Silverio Cañada, Gran Enciclopedia Gallega ou Gran Enciclopedia Galega) é uma enciclopédia com temática galega, editada em espanhol e galego. Possui versão impressa e em DVD.

Noutras línguas

This page is based on a Wikipedia article written by authors (here).
Text is available under the CC BY-SA 3.0 license; additional terms may apply.
Images, videos and audio are available under their respective licenses.